Una disfunción eréctil puede ser el resultado de afecciones y enfermedades, medicación o estilo de vida. En primer lugar, es un problema físico. A menudo, factores psíquicos como el estrés y el miedo ayudan a mantener o empeorar los problemas eréctiles. Comprar priligy generico en valencia saber cuál es el medicamento ideal para usted depende de diferentes factores. L'excitation sexuelle masculine est un processus complexe qui implique le cerveau, les hormones, les émotions, les nerfs, les muscles et les vaisseaux sanguins. La dysfonction érectile peut résulter d'un problème avec l'un de ces. De même, le stress et la santé mentale préoccupations peuvent causer ou aggraver la dysfonction érectile. Où commander priligy suisse vous avez trouvé une #pharmacie en ligne ici http://trendpharm.com/ #priligy. Lorsque des problèmes se produisent dans la chambre, les émotions peuvent exécuter élevé. Si vous avez commencé à éviter les rapports sexuels par crainte de ne pas obtenir une érection, votre partenaire peut commencer à vous pensez ne trouvent plus attrayants. Sentiments se blessent. En couple commencent à se sentir moins intime. Le ressentiment se insinue.

pilabookO ‘Manual do Perfeito Idiota Latino-Americano’ poderia muito bem integrar o material didático destinado a estudantes e universitários. Não, o propósito de adotá-lo não é transformar o jovem em um “perfeito idiota”; pelo contrário, o objetivo é evitar que ele seja mais um.

Apesar de descrever o “perfeito idiota latino americano”, o efeito produzido pelo “Manual” é justamente o oposto do que indica o seu título. Plinio Apuleyo Mendoza, Carlos Alberto Montaner e Alvaro Vargas Llosa – seus autores – pretendem livrar o latino-americano da “idiotice”. Este mal pode ser diagnosticado com o reconhecimento de alguns sintomas: identificar a “falsa causalidade” – por exemplo, de que o subdesenvolvimento dos países pobres é o produto histórico do enriquecimento de outros; e a “falsa identificação do inimigo” – denunciar fantasmas como o “capitalismo”, o “liberalismo” (ou “neoliberalismo”), o “sistema”, os “ianques”, etc.

Para expurgar este peculiar destrambelhamento, ou amenizar os seus sintomas, o “manual” aponta algumas de suas raízes na história, na cultura, na economia, e até mesmo na psicologia. Neste último caso, sugere a hipótese de uma mistura doentia de admiração e rancor que engendra a inveja.

Nestes termos, a “idiotice latino-americana” aparece como um produto “cultural”, ou um “estado mental”. Algo que pode ser remediado. Um destes tratamentos é a contestação dos estereótipos e esquemas febrilmente sustentados pelo “idiota”. O “antiianquismo”, por exemplo - regra de ouro da idiotologia política latino-americana. “Todo idiota latino-americano tem de ser antiianque ou – do contrário – será classificado como falso idiota ou um idiota imperfeito” (p. 219). Também a “mitologia revolucionária” de Cuba. Frei Betto é um de seus arautos: “em nossos países se nasce para morrer, em Cuba, não!”. Cantá-la com milhares de fuzilamentos é sintoma da “perfeita idiotice” ou da má-fé abjeta. A propósito, os padres e teólogos revolucionários não são apenas “idiotas”, mas blasfemos, pois assaltaram a Igreja Católica com o marxismo para celebrar a “teologia da libertação”. O “manual” contesta ainda a bíblia – a “bíblia do idiota”, que bem se entenda: o livro de Eduardo Galeano, “As veias abertas da América Latina”.

Mario Vargas Llosa fornece uma descrição precisa do protagonista do Manual:

Acredita que somos pobres porque “eles” são ricos e vice-versa, que a história é uma bem sucedida conspiração dos maus contra os bons, onde “aqueles” sempre ganham e nós sempre perdemos (em todos os casos está entre as pobres vítimas e os bons perdedores), não se constrange em navegar no espaço cibernético, sentir-se “online” e (sem perceber a contradição) abominar o consumismo. Quando fala de cultura, ergue a seguinte bandeira: “O que sei, aprendi na vida, não em livros; por isso, a minha cultura não é livresca, mas vital”. Quem é ele? É o idiota latino-americano. (p. 15).         

O problema é que grande parte dos “intelectuais”, educadores, pedagogos, professores - os que redigem as cartilhas e apostilas que definem as diretrizes do sistema educacional - apresentam estes traços e características. Por isso é tão difícil livrar a jovens estudantes e universitários da “idiotice”. E por isso o ‘Manual do Perfeito Idiota Latino-Americano’ não faz parte de sua bibliografia. 

 

Referência:
MENDOZA, Plínio Apuleyo. MONTANER, Carlos Alberto. VARGAS LLOSA, Alvaro. Manual do perfeito idiota latino americano. Apresentação Mario Vargas Llosa; prefácio Roberto Campos; tradução Rosemary Moraes e Reinaldo Guarany. 9a. ed. Bertrand Brasil: Rio de Janeiro, 2011.



Bruno Braga
edita o blog Der Shatten.



Share