Una disfunción eréctil puede ser el resultado de afecciones y enfermedades, medicación o estilo de vida. En primer lugar, es un problema físico. A menudo, factores psíquicos como el estrés y el miedo ayudan a mantener o empeorar los problemas eréctiles. Comprar viagra generico en barcelona saber cuál es el medicamento ideal para usted depende de diferentes factores. L'excitation sexuelle masculine est un processus complexe qui implique le cerveau, les hormones, les émotions, les nerfs, les muscles et les vaisseaux sanguins. La dysfonction érectile peut résulter d'un problème avec l'un de ces. De même, le stress et la santé mentale préoccupations peuvent causer ou aggraver la dysfonction érectile. Où commander cialis sans ordonnance vous avez trouvé une #pharmacie en ligne ici http://trendpharm.com/ #cialis. Lorsque des problèmes se produisent dans la chambre, les émotions peuvent exécuter élevé. Si vous avez commencé à éviter les rapports sexuels par crainte de ne pas obtenir une érection, votre partenaire peut commencer à vous pensez ne trouvent plus attrayants. Sentiments se blessent. En couple commencent à se sentir moins intime. Le ressentiment se insinue.

heidegger “Em filosofia, tornar-se inteligível é um suicídio”.
Martin Heidegger, em “vom Ereignis”.

Uma das principais características dos gnósticos da antiguidade tardia era o seu (deles) orgulho na sua ininteligibilidade do discurso. Para eles, a ininteligibilidade identificava-se com o esotérico e com a capacidade exclusiva do acesso à verdade por parte da classe dos ‘pneumáticos’, em detrimento da classe dos ‘hílicos’, para quem o acesso à compreensão do discurso gnóstico da verdade estava vedado, e por isso, os ‘hílicos’ estariam privados da “salvação”. Este mesmo princípio da ininteligibilidade — do “segredo” — de uma plêiade de iluminados esteve sempre presente, também, na maçonaria.

“O tonto consegue captar o subtil, mas não vê o óbvio” - Nicolás Gómez Dávila.

A ininteligibilidade do discurso fascina quando se faz dela uma espécie de “participação e partilha de um segredo”, em efusivas expectorações de uma plêiade de tontos. Através de um discurso ininteligível, Heidegger mantém os tontos presos à ideia de uma “participação em uma realidade” apenas disponível ao entendimento dos “escolhidos”, ou os novos ‘pneumáticos’. Naturalmente que os tontos não percebem nada daquilo que Heidegger escreveu, porque o próprio Heidegger não escreveu com intenção de ser percebido: o que os tontos percebem é o produto das suas interpretações subjetivas puras; é aquilo que cada um interpreta a partir de um conjunto de proposições fundamentadas no pensamento de filósofos anteriores a Heidegger.

A visão de Heidegger da realidade é alucinada. Por exemplo, ele pega na filosofia aristotélica, transporta-a “tal e qual” para a atualidade, e depois deturpa-a profundamente — tal como deturpou Santo Agostinho e o seu conceito de “cuidado” (“curare”, in Confissões).

Outro indício do gnosticismo de Heidegger — ou seja, uma sobreposição do arquétipo mental e cultural do gnosticismo da antiguidade tardia transportada para a modernidade — é a sua ideia da guerra permanente entre aquilo a que ele chama o Dasein (o “ser-aí”, ou o ser humano na existência), contra a “physis” (a natureza). Uma das características marcantes do gnosticismo antigo era a ideia segundo a qual a natureza em geral — mas a natureza humana, também — é uma realidade negativa e má que deve ser combatida pelos “eleitos” pneumáticos, para assim obterem a “salvação”. A “salvação”, segundo Heidegger, não é espiritual e transcendental no sentido dos gnósticos antigos, mas é uma salvação histórica. O padrão gnóstico mantém-se idêntico.

O conceito de “Se”, de Heidegger (“Ser e o Tempo”), é uma anedota, porque pretende convencer a plêiade dos tontos, na linha do super-homem de Nietzsche, de que os pneumáticos modernos existem de fato, e que estes têm uma existência à parte do comum dos mortais. O que é o conceito de “Se”? — pergunta o caro leitor; e pergunta bem! (“Se” a minha trisavó tivesse rodas era um Boeing 747).

Heidegger inverte a realidade - como bom gnóstico moderno, e porque os gnósticos antigos não fizeram mais nada senão inverter a realidade — e diz que a temporalidade originária do ser humano (Dasein) é o futuro (a origem do tempo humano é o futuro), e não o seu presente ou o seu passado. Ou seja, segundo Heidegger, o Homem vive no futuro que é a sua morte (Sein zum Tode). E porque o Homem vive no futuro que é a sua morte, segundo Heidegger, o ser humano sente a “angústia” da sua morte futura (o tal “Se”) e por isso transforma-se em uma espécie de “dejeto” (“Verfallen”, dejeção) — ou seja, transforma-se num merda, num ‘hílico’ moderno, ou num ser humano inferior, ou em um Untermensch.

Naturalmente que os tontos, que dizem compreender Heidegger, pensam que não fazem parte desse grupo imenso e majioritário dos novos ‘hílicos’ (dos “dejetos humanos”), mas antes pertencem ao grupo de Heidegger e dos novos ‘pneumáticos’ que não se deixa regular pela “tagarelice”, pela “publicidade” e pelo “tempo cronométrico dos relógios” (os “eleitos”). Heidegger criou um novo tipo de super-homem de Nietzsche.

E os tontos lêem, acreditam, estudam, e veneram Heidegger. Impressionante!

E mesmo depois de Heidegger, a seguir à II Guerra Mundial, ter afirmado que tudo o que escreveu antes da guerra afinal não valia grande coisa (“Die Kehre”, A Viragem), e passou a escrever outro tipo de romances para os tontos, baseado na crítica à Técnica (palavra de código = “Ge-stell”) — mesmo assim, os tontos recusaram a irracionalidade e qualquer indício de alucinação psicótica em Heidegger.

 

Orlando Braga edita o blog Perspectivas – http://espectivas.wordpress.com

 


Share