Una disfunción eréctil es la impotencia de obtener o mantener una erección. comprar priligy sin receta en madrid saber cuál es el medicamento ideal para usted depende de diferentes factores. L'excitation sexuelle masculine est un processus complexe qui implique le cerveau, les hormones, les émotions, les nerfs, les muscles et les vaisseaux sanguins. La dysfonction érectile peut résulter d'un problème avec l'un de ces. De même, le stress et la santé mentale préoccupations peuvent causer ou aggraver la dysfonction érectile. Où achat levitra france vous avez trouvé une #pharmacie online ici http://trendpharm.com/ #levitra. Lorsque des problèmes se produisent dans la chambre, les émotions peuvent exécuter élevé. Si vous avez commencé à éviter les rapports sexuels par crainte de ne pas obtenir une érection, votre partenaire peut commencer à vous pensez ne trouvent plus attrayants. Sentiments se blessent. En couple commencent à se sentir moins intime. Le ressentiment se insinue.

Enquanto as negociações se intensificavam durante a 57ª Comissão sobre a Condição das Mulheres (CCM), uma estatística sombria sobre violência contra as mulheres foi repetida nas salas da conferência e reportagens dos meios de comunicação. Às vezes era usada como base para promover o aborto. Contudo, é uma maliciosa distorção dos fatos. Sua autora, uma defensora do aborto, faz parte da delegação americana na CCM.

A Agence France-Press noticiou em 5 de março, o segundo dia da Comissão, “(A CCM) tem dado muita importância a um relatório do Banco Mundial que estima que mais mulheres de idades entre 15 e 44 anos são mortas violentamente do que morrem de malária, HIV, câncer, acidentes e guerra juntos.” A estatística é usada por múltiplas agências da ONU e aparece nos recursos oficiais da ONU para palestrantes. Em 13 de março, foi citada num editorial do jornal New York Times criticando a Santa Sé e seus aliados por se manterem firmes contra as campanhas feministas para transformar a reunião da CCM numa convocação para acesso mundial ao aborto.

A estatística, que aparece de muitas formas, apareceu pela primeira vez num documento de 1994 com a co-autoria de Adrienne Germain, ativista pró-aborto de longa data que atualmente está na delegação americana na CCM. Numa tabela do artigo, Adrienne e colegas comparam a violência doméstica e o estupro a uma seleção de outras causas de danos às mulheres em idade reprodutiva, confessando numa nota de final da página que a comparação é “para propósitos de ilustração”, pois a violência doméstica é analisada e classificada de forma diferente do resto dos dados na tabela.

A escolha do câncer e malária é igualmente enganadora. Dados do estudo Peso Global de Doença 2010 revelam que a maior parte dos danos causados por essas doenças ocorre fora da faixa etária dos 15 – 44. A comparação com o HIV é completamente incorreta e parece ter sido inventada por um jornalista da AFP. Sua inclusão é particularmente preocupante desde que o HIV subiu do 33º lugar de causa de peso de doença e morte em 1990 para o 5º lugar em 2004, onde permaneceu até 2000. Peso de doença é uma ferramenta usada em pesquisa de saúde pública para quantificar os efeitos combinados de deficiência, saúde debilitada e morte precoce.

Além de ser baseada numa comparação falha e ainda mais exagerada por reportagens noticiosas, essa estatística é baseada em dados do Banco Mundial de 1993, os quais são de antes da Conferência de População e Desenvolvimento (CPD) de 1994 e não incorporam os efeitos de campanhas feitas na ONU e dentro dos países membros e comunidades para lidar com violência contra as mulheres.

No documento de 1994 contendo a fonte da estatística, os autores lamentam o fato de que a definição da ONU de violência contra as mulheres “exclui leis, políticas e desigualdades estruturais que poderiam ser interpretadas como violentas (leis contra o aborto, políticas de ajustamento estrutural).” Adrienne Germain tem trabalhado com o Conselho de População, a Fundação Ford e a Coalizão de Saúde das Mulheres para promover acesso ao aborto no mundo inteiro eliminando as leis que protegem mulheres e bebês.

Num evento realizado durante o CCM, Saraswathi Menon, diretora de Divisão de Políticas Públicas da organização ONU Mulheres, expressou preocupação com a falta de estatísticas boas. “Quando importantes questões não são priorizadas na coleta de dados, então se torna fácil ignorá-las em discussões globais.”
“Dados ruins são realmente piores do que nenhum dado,” acrescentou a epidemiologista Henriette Jansen.



Tradução: Julio Severo

Publicado no 'Friday Fax' do C-FAM.


Share

Tags: ONU | aborto | globalismo | esquerdismo | feminismo