Una disfunción eréctil puede ser el resultado de afecciones y enfermedades, medicación o estilo de vida. En primer lugar, es un problema físico. A menudo, factores psíquicos como el estrés y el miedo ayudan a mantener o empeorar los problemas eréctiles. Comprar viagra generico en valencia saber cuál es el medicamento ideal para usted depende de diferentes factores. L'excitation sexuelle masculine est un processus complexe qui implique le cerveau, les hormones, les émotions, les nerfs, les muscles et les vaisseaux sanguins. La dysfonction érectile peut résulter d'un problème avec l'un de ces. De même, le stress et la santé mentale préoccupations peuvent causer ou aggraver la dysfonction érectile. Où commander priligy suisse vous avez trouvé une #pharmacie en ligne ici http://trendpharm.com/ #priligy. Lorsque des problèmes se produisent dans la chambre, les émotions peuvent exécuter élevé. Si vous avez commencé à éviter les rapports sexuels par crainte de ne pas obtenir une érection, votre partenaire peut commencer à vous pensez ne trouvent plus attrayants. Sentiments se blessent. En couple commencent à se sentir moins intime. Le ressentiment se insinue.

O interesse popular americano na região permaneceu modesto até o 11 de setembro e as guerras subsequentes do Afeganistão e do Iraque. Essa explosão no interesse levou a uma ampla conscientização sobre a inépcia do trabalho acadêmico.

O complicado estudo acadêmico sobre o Oriente Médio e o islamismo, pelos americanos, está mudando de maneira fundamental. Eu proponho algumas considerações baseadas em 42 anos de observação pessoal:

Da penetração ocidental à penetração islâmica: O relacionamento entre muçulmanos e cristãos se divide em quatro grandes períodos: da hégira de Maomé à Primeira Cruzada, 622-1099, período este de expansão muçulmana às custas dos cristãos; até o segundo cerco a Viena, 1099-1683, que presenciou uma mistura de avanços muçulmanos (e.g., Anatólia) e retiradas (Ibéria); até o boicote árabe, 1683-1973, com os cristãos na ofensiva; e a partir de 1973, com os muçulmanos na ofensiva.

Quando eu entrei na esfera do Oriente Médio e do islamismo em 1969, os americanos dirigiam os olhos quase que exclusivamente no impacto Ocidental sobre os muçulmanos modernos; hoje, o impacto muçulmano sobre o Ocidente é tanto quanto destacado, desde a escravidão americana aos problemas em Malmö, Suécia.

Dos Árabes aos Muçulmanos: Livros sobre "Os Árabes," "o mundo árabe," "política árabe," "nacionalismo árabe," e "socialismo árabe" estavam em segundo plano durante os meus anos de estudante. Entretanto, com o passar do tempo, a frivolidade desse conceito moderno sobre os árabes se tornou evidente. Eu fui um daqueles que sustentava ser o islamismo o verdadeiro fator determinante, há trinta anos me esforcei em mostrar que o "islamismo modela de forma profunda as atitudes políticas dos muçulmanos". Visto então com ceticismo, agora essa forma de entendimento se tornou tão ofuscantemente óbvia que a Amazon.com lista não menos do que 3.077 itens sobre a jihad em inglês.

Da composição crítica à laudatória: Pouco sabia eu, mas ao abraçar a história islâmica naquela época significava render-se ante o dilúvio do revisionismo. Nos idos de 1969, os estudiosos respeitavam a civilização islâmica enquanto normalmente (mas nem sempre) mantinham um enfoque orgulhosamente Ocidental. Simbólico da antiga escola, meu primeiro professor de história do Oriente Médio designou à classe o estudo de Julius Wellhausen, Das arabische Reich und sein Sturz (na tradução para o inglês, naturalmente), publicado em 1902.

Depois veio a revolução. Martin Kramer relaciona as mudanças nos estudos do Oriente Médio à publicação do Orientalism de Edward Said em 1978; Na minha concepção trata-se mais de uma vigorosa guinada para a esquerda das universidades. Qualquer que seja a causa, o campo desceu para o Terceiro-mundismo propenso a erro, repleto de jargões, laudativo e revisionista.

Os antigos mestres se viram sem um plano de estudos. O Seminário Hartford rapidamente "se transformou do seminário protestante mais importante dos missionários para o mundo muçulmano em uma instituição para promover a islamização". A interpretação acadêmica da jihad personifica essa transformação: em uma única geração, a jihad passou a ser interpretada de agressiva operação militar para auto-aperfeiçoamento moral. Membros de instituições acadêmicas levaram seus trabalhos tendenciosos e fajutos para dentro do governo.

Às vezes o trabalho acadêmico tornou-se praticamente uma paródia de si mesmo, com especialistas apresentando absurdos tais como: a história antiga de Israel é uma criação da moderna propaganda sionista, o movimento islamista já fracassou por volta de 1992, a escassez de água é a causa do conflito árabe-israelense e homossexuais não existem no Oriente Médio. Conforme os necrológios sentimentais ao Sr. Said indicam, muitos especialistas permanecem sob esse domínio maligno.

Da indiferença pública ao engajamento: O Oriente Médio já era proeminente politicamente bem antes de 2001 graças às tensões da guerra fria, exportações de petróleo, o conflito árabe-israelense e a revolução iraniana. Contudo, o interesse popular americano na região permaneceu modesto até o 11 de setembro e as guerras subsequentes do Afeganistão e do Iraque. Essa explosão no interesse levou a uma ampla conscientização sobre a inépcia do trabalho acadêmico. Com a ajuda de críticos sofisticados como Kramer, acrescido de organizações como o Campus Watch, o público se tornou ativamente participante na oposição aos especialistas radicais do Oriente Médio, por exemplo, por meio do ativismo para negar-lhes mandato. Não se encontra paralelos em outros campos.

Do badalado ao retrógrado: Outra reação a esse fracasso consiste de escritores - frequentemente fora da academia - recordando o aprendizado pré-1980 para compreender a região. Ibn Warraq, ex-muçulmano, escritor sob pseudônimo, publicou uma série de livros sobre a vida de Maomé, as origens do Alcorão, suas variantes e significado, todos baseados nas premissas de publicações de gerações passadas. Andrew Bostom, pesquisador médico, preparou uma obra antológica sobre partes importantes dos estudos pré-1980 a respeito da jihad e o antissemitismo. O historiador Efraim Karsh escreveu Islamic Imperialism, sustentando que as tendências expansionistas do islamismo têm impulsionado a religião desde as guerras de Maomé.

Esses livros antiquados são poucos em comparação com a avalanche dos livros revisionistas, mas assinalam a retomada de ideias e temas que pareciam moribundos no passado. Seu ressurgimento juntamente com o envolvimento público e o aparente surgimento de novos e promissores estudiosos, indicam que - praticamente só no âmbito das ciências humanas - um sólido entendimento sobre o Oriente Médio e o islamismo poderá se recuperar.



Publicado na National Review Online.
Original em inglês: Middle East Studies in Upheaval
Tradução: Joseph Skilnik



Share