Una disfunción eréctil puede ser el resultado de afecciones y enfermedades, medicación o estilo de vida. En primer lugar, es un problema físico. A menudo, factores psíquicos como el estrés y el miedo ayudan a mantener o empeorar los problemas eréctiles. Comprar cialis generico en barcelona saber cuál es el medicamento ideal para usted depende de diferentes factores. L'excitation sexuelle masculine est un processus complexe qui implique le cerveau, les hormones, les émotions, les nerfs, les muscles et les vaisseaux sanguins. La dysfonction érectile peut résulter d'un problème avec l'un de ces. De même, le stress et la santé mentale préoccupations peuvent causer ou aggraver la dysfonction érectile. Où commander cialis sans ordonnance vous avez trouvé une #pharmacie en ligne ici http://trendpharm.com/ #cialis. Lorsque des problèmes se produisent dans la chambre, les émotions peuvent exécuter élevé. Si vous avez commencé à éviter les rapports sexuels par crainte de ne pas obtenir une érection, votre partenaire peut commencer à vous pensez ne trouvent plus attrayants. Sentiments se blessent. En couple commencent à se sentir moins intime. Le ressentiment se insinue.

rj

Como sabem todos, o Rio de Janeiro (cidade e Estado mais do que problemáticos) não tem governo decente, que se preze, desde a gestão de Carlos Lacerda, exercida entre os anos 1960/1965. De lá pra cá, cito de memória, figuras descartáveis como Negrão de Lima e Chagas Freitas (duas vezes), ou lamentáveis como Marcelo “Velho Barreiro” Alencar, Leonel Brizola, Saturnino Braga (socialista que decretou a falência oficial da cidade), Moreira Franco, Garotinho (com a mulher a tiracolo), César Maia, Luiz Paulo Conde (tipo que se arrastava de bengala pelas ruas da cidade), Sérgio Cabral, Eduardo Paes e similares que conseguiram transformar o Rio numa imensa casa de tavolagem, amontoando, a um só tempo, muita miséria, fraudes, corrupção política, densa criminalidade, narcotráfico, prostituição, mistificação ideológica, malandragem acadêmica e, a cada pleito, as mais ousadas formas de estelionato eleitoral.

No rol do calote político-eleitoral, Leonel Brizola, o chamado Centauro dos Pampas (metade cavalo metade asno), pai do “socialismo moreno” foi, sem dúvida, o pior: pela via do baixo populismo, institucionalizou o engodo, a mentira e a marginalidade como instrumentos de gerência governamental e manutenção do corrompido poder político.

De fato, salvo Negrão de Lima e Chagas Freitas, os demais até hoje guardam o halo do esquerdismo vulgar, inclusive César Maia que, apesar de se dizer “democrático”, não passa de cria espúria de Brizola, com cursilho na chilena Cepal e tudo mais. Já Garotinho, o Falso (o verdadeiro chama-se José Carlos Araújo, exímio narrador esportivo), perpetuou as mandingas criminosas do brizolismo sem Brizola, passando, posteriormente, o bastonete da degradação político-administrativa do pedaço aos irrecuperáveis Sérgio Cabral (que se intitula leitor do “Estado e a Revolução”, do sanguinário Lenin) e Eduardo Paes, bajulador rasteiro de Lula e hoje, tal qual o bilionário parasita do ABC, sem a menor credibilidade.

Muito bem. Na atual temporada eleitoral, que se encerra neste domingo, a cidade do Rio de Janeiro, outrora maravilhosa, acolheu, ainda uma vez, à sombra das organizações Globo, outro cultor da mendacidade comunista, Marcelo Freixo, profissional da parolagem revolucionária, referência número um entre integrantes dos black blocs, bando encapuzado que leva o terror às ruas do Rio e responsável, entre outros delitos, pela morte do cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes. Trata-se de figura com pedigree ativista, defensor fanático do aborto, dos gays, lésbicas, drogados e tudo aquilo que julga “avançado” ou “progressista”.

Sobre esse atrevido defensor da mistificação “politicamente correta”, a deputada Cidinha Campos - que da Alerj do Rio conhece tudo - tem muito a dizer. Por exemplo: no Youtube, Cidinha garante que o deputado “Freixo não é flor que se cheire”. E para provar o que diz, narra, entre outras falcatruas, o caso da campanha ‘Todos Pelo Amarildo” - o ajudante de pedreiro guardião do paiol de armas do narcotráfico, dado como desaparecido após operação da Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha (UPP), outra empulhação criada pelo leninista-progressista Sérgio Cabral, o governador devoto da dança do lenço nas boates de Paris.

Com a campanha empreendida por uma ONG ligada ao candidato Freixo, arrecadou-se R$ 310 mil a ser doado à viúva do ajudante de pedreiro. “Só que, desse dinheiro, ela só viu R$ 60 mil” – afirma a deputada. “O resto, R$ 250 mil, 80% do dinheiro da doação, ficou com a ONG”. “E pior que isso” – acrescenta: “Os R$ 250 mil recolhidos pela ONG logo em seguida apareceram, de maneira estranha, como forma de doação, para o Freixo, para sua campanha anterior pela prefeitura do Rio”.  

Escrevi certa vez que se o Rio de Janeiro pudesse ser considerado a vitrine do Brasil, as principais mercadorias hoje em exposição seriam o abandono de milhares de homens, mulheres, velhos e crianças em andrajos pelas ruas, o desemprego em massa, a violência imposta pelo narcotráfico, o terror da guerra civil deflagrado em cada esquina, o medo, a dor e a aflição estampados no rosto de cada um – conjunto de misérias não raro produzidas em larga escala pela demagogia de políticos cevados na mitologia comunista a vociferar slogans de “justiça social”, “inclusão” e “direitos humanos” enquanto, por baixo do pano, enriquecem “numa boa”.


Ipojuca Pontes
cineasta, jornalista, e autor de livros como 'A Era Lula', 'Cultura e Desenvolvimento' e 'Politicamente Corretíssimos', é um dos mais antigos colunistas do Mídia Sem Máscara. Também é conferencista e foi secretário Nacional da Cultura.




Share