Una disfunción eréctil puede ser el resultado de afecciones y enfermedades, medicación o estilo de vida. En primer lugar, es un problema físico. A menudo, factores psíquicos como el estrés y el miedo ayudan a mantener o empeorar los problemas eréctiles. Comprar viagra generico en valencia saber cuál es el medicamento ideal para usted depende de diferentes factores. L'excitation sexuelle masculine est un processus complexe qui implique le cerveau, les hormones, les émotions, les nerfs, les muscles et les vaisseaux sanguins. La dysfonction érectile peut résulter d'un problème avec l'un de ces. De même, le stress et la santé mentale préoccupations peuvent causer ou aggraver la dysfonction érectile. Où commander priligy suisse vous avez trouvé une #pharmacie en ligne ici http://trendpharm.com/ #priligy. Lorsque des problèmes se produisent dans la chambre, les émotions peuvent exécuter élevé. Si vous avez commencé à éviter les rapports sexuels par crainte de ne pas obtenir une érection, votre partenaire peut commencer à vous pensez ne trouvent plus attrayants. Sentiments se blessent. En couple commencent à se sentir moins intime. Le ressentiment se insinue.

Não há um só governo no mundo que que se diga nazista. Em compensação, ainda existem partidos, ativistas e governos comunistas que reivindicam esse passado abominável o qual, para eles, só esteve “a serviço da paz e do progresso”.

 As FARC cometeram crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Tudo isso deve ser esquecido e transformado em fumaça, em virtude do “marco jurídico para a paz”?

Não querem que lhes digam, que lhes recordem, que são criminosos da pior espécie. Os chefes das FARC em Havana dizem que, ao contrário, são inocentes, puros como a neve, não julgáveis e que, além disso, são “vítimas do capitalismo” e do “imperialismo”.

Nada mais natural que eles falem assim. As ideologias totalitárias sempre disseram ter uma essência filantrópica. Os nazistas queriam o bem do povo alemão e empreenderam o extermínio dos judeus da Europa. O comunismo leninista queria salvar a humanidade. Empreendeu o extermínio da aristocracia, da burguesia e usaram os Gulags para construir uma sociedade igualitária, pletórica e livre. O que fez foi destruir a Rússia e a Europa Oriental, como os nazistas destruíram seu próprio país e quase toda a Europa.

Esses dois sistemas totalitários gêmeos, ambos surgidos do socialismo, obcecados por chegar à “sociedade perfeita”, haviam descoberto o remédio para todos os males do mundo: o direito, e o dever, de matar.

De matar não só indivíduos, senão imensos conglomerados humanos, raças completas, classes completas, sociedades completas, países completos. E o fizeram. A humanidade ainda não se repôs do que eles fizeram. Hoje sabemos que são dois sistemas criminosos, igualmente criminosos. Com uma diferença: os crimes dos nazistas foram julgados e condenados pela humanidade, em Nüremberg. Desde 1946 até hoje, esses crimes são objeto de processos, estudos, investigações, denúncias e repúdios legítimos e permanentes.

Ninguém (ou muito poucos) se dizem membros de um partido nazista. Não há um só governo no mundo que que se diga nazista. Em compensação, ainda existem partidos, ativistas e governos comunistas que reivindicam esse passado abominável o qual, para eles, só esteve “a serviço da paz e do progresso”.

Lamentavelmente, a memória histórica trata os crimes comunistas com negligência, temor e covardia. Pois as ditaduras e os partidos comunistas continuam matando em muitos países e não houve, até hoje, um processo de Nüremberg do comunismo. O único país que julgou e condenou um regime comunista foi Kampuchea, com os processos contra os líderes dos Khmer Vermelhos.

Como a URSS fez parte do campo vencedor na Segunda Guerra Mundial, o comunismo foi visto como um adversário do nazismo quando, na realidade, a URSS e a Alemanha de Hitler se uniram em 1939, para desatar pouco depois a Segunda Guerra Mundial, a qual levou 60 milhões de pessoas à morte. Stalin e seus sucessores, depois, continuaram matando na URSS e nos cinco continentes. E continuam fazendo na Colômbia.

Tratando de explorar essa memória truncada do que foi o comunismo, os senhores Santrich, Márquez, Catatumbo e Granda, dizem em Havana que sua miserável passagem pela vida não deixou vítimas, que todo julgamento sobre eles será nulo. Nos ordenam a que aceitemos o não-pagamento de nem um minuto de cárcere pelas abominações que cometeram e fizeram seus seguidores cometer.

Por isso as conversações de Havana são uma operação estranhíssima, e não podem ser uma negociação de paz. A paz não pode ser construída sobre uma base de impunidade e cegueira de todo um país frente aos inimigos da humanidade.

As negociações de Havana, entre os enviados de Santos e os enviados de Timochenko, são mais uma forma de opressão e de humilhação que as FARC impõem a suas vítimas e a todos os colombianos.

As FARC estão provando que elas, em só alguns meses de contatos, puderam se dar o luxo de fazer o presidente Santos, o senador Barreras, os grupos que os apóiam e até uma parte dos meios de comunicação e alto aparato de justiça, engolir a saída mais abjeta e injusta.

Acaso não é isso que significa a utilização do chamado “marco jurídico para a paz”, que é uma anistia encoberta que privilegia o verdugo e sacrifica as vítimas? 

As FARC cometeram crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Tudo isso deve ser esquecido e transformado em fumaça, em virtude do “marco jurídico para a paz”? Uma paz que não trará a paz à Colômbia senão uma nova ditadura, quer dizer, a chamada “paz armada com as FARC”.

Não vimos nesses dias o próprio promotor geral, Eduardo Montealegre, disposto a esquecer todo o Direito que aprendeu nas universidades? Não é ele quem nos explica agora que as gravíssimas violações dos direitos humanos e do direito penal internacional, podem ser isentas de sanção penal na Colômbia, pois se trata de chegar, “desta vez sim”, à paz com as FARC? Ele não nos disse que é justo que os chefes farianos escapem da judicialização mediante a via de penas simbólicas, contra o qual diz o resto do mundo, como as convenções de Genebra e os pactos internacionais que a Colômbia subscreveu e, sobretudo, o Estatuto de Roma, criador em 1998 da Corte Penal Internacional? 

Tudo isso é algo que o promotor Montealegre nem predicava, nem explicava, nem defendia há alguns meses. A magia de Havana e dos feitiços dos Santrich mostra-se em todo o seu esplendor. Tudo graças ao velho truque leninista de mudar o mundo mudando o nome das coisas do mundo.

A Colômbia está, pois, exposta a essa nova tragédia - uma mais - de ver que seu governo, e que uma parte de sua classe política e de suas elites intelectuais, se deixaram entorpecer mediante o embuste da paz fariana.

No processo de Nüremberg, os hierarcas nazistas foram acusados de três tipos de delitos: 1. Crimes de guerra, por atos contrários às leis da guerra, como assassinatos fora de combate, matanças, torturas, violações, etc. 2. Crimes contra a humanidade, pelo extermínio e a morte em massa, por atos de genocídio, por exterminar grupos sociais, étnicos e raças. 3. Guerra de agressão, pela premeditação na alteração da paz e por atentar contra a segurança interior de um Estado soberano.

As FARC cometeram não um, senão os três tipos de crimes. Porém, elas esperam que esqueçamos isso e que lhes abramos o Congresso, o governo, a justiça, e que lhes entreguemos as universidades, a economia, as terras, a cultura, a juventude e a infância, para que façam o que elas sabem fazer.

Porém, a Colômbia vai se opor a esses planos. Uma vasta frente começa se levantar contra o governo de Santos e sua subordinação alucinada ante os desígnios do eixo Cuba-Venezuela.

Nesse sentido, o Procurador Geral Ordóñez Maldonado rechaça o “marco jurídico para a paz”, por ser um texto que zomba dos padrões internacionais em matéria de justiça. O ex-presidente Uribe e o povo uribista estão se organizando. Eles propõem um processo de paz com os pés na terra, e não como o de Santos, com a cabeça no chão. O Partido Centro Democrático acaba de lançar seu “Decálogo para uma paz com eficácia, justiça e dignidade” que rechaça a falsa divisão “que alguns pretendem, entre radicais militaristas e amigos do diálogo”, e anuncia que os diálogos “não podem se realizar de qualquer maneira nem a qualquer preço”. É necessário apoiar este bloco se não queremos ver a Colômbia dentro de pouco tempo sob a palmatória de Nicolás Maduro.



Tradução: Graça Salgueiro

 


Share