Una disfunción eréctil es la impotencia de obtener o mantener una erección. comprar priligy sin receta españa saber cuál es el medicamento ideal para usted depende de diferentes factores. L'excitation sexuelle masculine est un processus complexe qui implique le cerveau, les hormones, les émotions, les nerfs, les muscles et les vaisseaux sanguins. La dysfonction érectile peut résulter d'un problème avec l'un de ces. De même, le stress et la santé mentale préoccupations peuvent causer ou aggraver la dysfonction érectile. Où achat kamagra sur internet vous avez trouvé une #pharmacie online ici http://trendpharm.com/ #kamagra. Lorsque des problèmes se produisent dans la chambre, les émotions peuvent exécuter élevé. Si vous avez commencé à éviter les rapports sexuels par crainte de ne pas obtenir une érection, votre partenaire peut commencer à vous pensez ne trouvent plus attrayants. Sentiments se blessent. En couple commencent à se sentir moins intime. Le ressentiment se insinue.

 


SPACÇO DO SPACCA

vspacca

© Spacca para o MSM



Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32 twittericon Youtube_32x32 facebook_32 Feeds_32x32 Mail-32currency_blue_dollar-32

sntNada pode estar tão distante de alguma outra coisa como o intercâmbio intelectual genuíno está do debate político-partidário e ideológico tal como se trava na nossa mídia e nas nossas instituições universitárias.

Não é exagero dizer que, fora de uns círculos privados muito pequenos, quase microscópicos, o intercâmbio intelectual desapareceu deste país. Desapareceu a tal ponto que o debate político tomou o seu lugar e acredita piamente ser ele.

Grosso modo, a diferença consiste no seguinte: o intercâmbio intelectual pressupõe a efetiva interpenetração das consciências, a participação comum dos interlocutores num mesmo conjunto de experiências cognitivas.

srtNota da tradutora, Graça Salgueiro:
Aqui está a tradução da análise feita pelo Coronel Villamarin Pulido que li no meu último programa.
Para quem quer entender de quê se trata o tal "acordo de paz" assinado no último dia 23 entre o traidor presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e o capo das FARC, "Timochenko", com as bênçãos do ditador de Cuba, Raúl Castro e, obviamente, do Foro de São Paulo.


Com banda e fanfarras e com o coro da improdutiva ONU além de alguns cúmplices das FARC, Juan Manuel Santos viajou hoje a Cuba com um séquito de aduladores de ofício e de turno, para ratificar com sua assinatura, em nome dos desinformados colombianos, que seu fraco governo aceitou a mais ambiciosa imposição das FARC na mesa de conversações, consistente em abrir uma brecha para que o grupo narcoterrorista consiga status de beligerância.
As razões são elementares e simples:

O impacto do nacional-socialismo no Oriente Médio costumava parecer breve e superficial. Ao contrário do que ocorreu com o Comunismo, cujos partidos locais e a influência externa por meio do bloco soviético persistiram por muitas décadas, o momento nazista durou aproximadamente seis anos, 1939-45 e teve pequena presença regional além dos exércitos de Rommel no Norte da África e um efêmero regime pró nazista no Iraque.

Porém, dois livros importantes e competentes, acabaram com os mal entendidos. Djihad und Judenhass (2002) por Matthias Küntzel, traduzido para o inglês em 2007 como Jihad and Jew-Hatred: Islamism, Nazism and the Roots of 9/11, demonstra a influência contínua das ideias nazistas sobre os islamistas. Nazi Propaganda for the Arab World por Jeffrey Herf enfoca um período anterior, anos 30 e 40 e o grande esforço de Hitler e seus apaniguados em transmitir suas ideias através do Oriente Médio. Após ler Küntzel e Herf, eu percebi que a minha educação no que diz respeito ao Oriente Médio encontrava-se desprovida de um ingrediente vital, o nazista.

bbNão dá para confiar na maior parte dos jornalistas, nem nos analistas políticos, menos ainda nos meios de comunicação que pagam seus salários. Todos eles, de alguma forma, são vassalos dos grupos que pretendem o controle das nações.


A decisão do povo britânico pela saída da União Europeia está deixando em polvorosa muita gente que, até ontem, parecia defensora apaixonada da democracia e contra o centralismo autoritário. Agora que o Brexit venceu, o que eu mais tenho visto são analistas de mídia tratando a decisão do Reino Unido como uma loucura e até parece, segundo o que eles têm dito, que a Inglaterra vai entrar em um período de trevas e a depressão econômica será inevitável. E não são apenas aqueles jornalistas mais esquerdistas que estão inconformados com o resultado do referendo. Muitos liberais e ditos direitistas estão se lamentando copiosamente pelo que aconteceu.

lnx“Precisamos de uma melhor verificação dos softwares que controlam as nossas vidas e isso significa mais – e mais pública – transparência.”


A mídia de massa – como de costume – calou um importante fato ocorrido ontem. Talvez o fato mais importante do ano, da década. Talvez o mais importante fato de toda a história da computação.

A Microsoft anunciou que a plataforma de desenvolvimento .NET Core 1.0 será open source. Open source significa código aberto, transparente, disponível para análise – como o sistema operacional Linux, por exemplo. É o contrário de software proprietário, onde o código-fonte não é disponibilizado para verificação – como o sistema operacional Windows. Software proprietário é desenvolvido e mantido por uma equipe fechada; software de código aberto é desenvolvido por uma comunidade, à vista do mundo inteiro.

fa
Na foto acima, o teatro está dentro da sala e a realidade, fora.


Há sempre o elemento teatral em qualquer profissão. De certo modo, isso é inevitável em algum grau, pois todas as pessoas se preocupam minimamente com a sua imagem exterior (por exemplo, você vai trabalhar com alguma roupa, correto?[1]). Pretendo listar aqui alguns aspectos teatrais evitáveis, no seio do meio acadêmico brasileiro, os quais oferecem um importante risco potencial para a diminuição da inteligência. O presente ensaio informal destina-se a trazer um relato ao público geral de alguns traços interessantes e surpreendentes do dia-a-dia dos cientistas brasileiros, especialmente na área de exatas.[2] Não menos importantes, fazem também parte do público-alvo os estudantes e profissionais da ciência.

is

Salahaden Raoof (esquerda) porta-voz da Juventude Verde em Malmö, Suécia, apareceu ao vivo na TV fazendo a saudação Rabia – uma saudação feita com quatro dedos em apoio à Irmandade Muçulmana. Foi permitido que ele permanecesse no cargo após seu comprometimento que "não a fará novamente". Foto da direita: Mohamed Morsi, presidente deposto do Egito e um dos líderes da Irmandade Muçulmana, popularizou a saudação Rabia.

vl

A vitória importante para a campanha da Brexit sinaliza uma nova era de liberdade para o povo britânico.

A Grã-Bretanha fora da UE será um aliado mais forte dos Estados Unidos.

z
Viktor Zolotov, chefe dos guarda-costas de Putin, será chefe da nova corporação.

Vladimir Putin está cimentando seu poder ditatorial com uma “Guarda Pretoriana” composta por centenas de milhares de homens, informaram diversos órgãos da mídia, entre eles o “Financial Times”.

nf

A Inglaterra já havia logrado a integração econômica do mundo muito antes de monstros burocrático-políticos como a União Europeia terem sido imaginados. O Estado-nação é a perenidade da antiga pólis, sempre ameaçada por alguma forma de império mundial.


Não foi surpresa para mim a vitória espetacular do Brexit (contração das palavras Britain e exit) no referendo inglês, selando a saída do Reino Unido da União Europeia. As análises que li dos defensores da permanência antes e depois da derrota foram ridículas: o terrorismo econômico falsificado a uma acusação sempre recorrente de refeudalização da Europa, quando na verdade não foi nada disso. Os britânicos como sempre fizeram prevalecer a razão e evitaram o mergulho do mundo (sim, seu exemplo vai ser seguido) na aventura do governo mundial, controlado por uma burocracia fria e insensível e com vocação de ditadura permanente.

pt

É emblemático que esse ativismo jurídico esteja sendo aplaudido por figuras que há pouco tempo também estavam nas ruas ou nas redações de alguns veículos apoiando o movimento pró-impeachment.


O Brasil vive uma situação política singular hoje, caracterizada por dois dados relevantes que tem passado despercebidos para um grande número de analistas, atores ou ativistas políticos e formadores de opinião: o primeiro é o autoritarismo das instituições de Estado contaminadas pela mentalidade esquerdista, o que se expressa de modo claro no ativismo judiciário tanto do Supremo Tribunal Federal quanto da Procuradoria Geral da República e de certos setores do próprio Ministério Público Federal. Parte desses órgãos de Estado tem atuado como atores políticos, escolhendo por meio de critérios ideológicos a quem perseguir politicamente, atropelando o texto constitucional e o princípio da independência dos poderes.

GB

Este resultado deveria enviar uma mensagem clara a todo político e burocrata: não ouse a subestimar o povo; não presuma que eles pensam do mesmo modo que você.

ylb

Um livro de grande importância para os estudiosos da biopolítica, com interessantes descrições que podem auxiliar numa interpretação de nossa realidade brasileira.


Yuval Levin é membro do Centro de Ética e Políticas Públicas, onde atua como diretor do Programa de Bioética e Democracia Americana. É o editor sênior do Periódico New Atlantis, que trata de biotecnologia e bioética. Serviu como diretor-associado da Casa Branca para o Conselho de Política Interna e diretor executivo do Comitê Presidencial de Bioética. Escreve para diversas publicações de grande porte como o New York Times, o Wall Street Journal, Commentary, National Review e outros.

Em seu livro, Yuval trata da pretensão baconiana de controlar a natureza e de como tal anseio subsiste dentro do espectro político dos Estados Unidos. Mostra que a classificação desejada pelos liberais (esquerda), na qual progressistas apoiam a ciência e conservadores caminham contra seu desenvolvimento é uma simplificação grosseira.

jbA diferença entre conservadores e esquerdistas, muitas vezes, não está em suas concepções sobre a sociedade, nem sobre seus planos sobre o futuros das nações, mas em algo bastante trivial. Enquanto toda a análise que as esquerdas fazem se baseia em ideologia, os conservadores são apenas práticos.

A questão sobre o desarmamento demonstra isso, claramente. O que os conservadores propõem, em geral, não é um culto às armas, mas apenas a chance das vítimas se defenderem. Não há uma questão ideológica envolvida, mas uma simples análise da realidade. Isso porque, enquanto os esquerdistas defendem o desarmamento pela razão de entenderem, em um plano conceitual, que o Estado deve ter o monopólio da segurança, ainda que isso não seja mais prático, nem mais eficiente, os conservadores, independente de gostarem de armas ou mesmo de possui-las, simplesmente entendem que, por causa dos fatos como se apresentam, o melhor para a proteção das pessoas é que elas possam ter seus próprios meios de defesa.

Os livros sugerem que o clima de pânico já passou, sendo substituído por uma época de graciosa capitulação.


Dois romances franceses de grande repercussão, diferentes quanto ao tom e ao timing, retratam duas influentes visões da França no futuro. Não se trata apenas de boa leitura (ambos já foram traduzidos para o inglês), juntos eles estimulam o pensamento sobre a crise da imigração no país e as mudanças culturais.

Jean Raspail (1925-) imagina a invasão racial vinda pelo mar, por meio de jangadas e botes partindo do subcontinente indiano navegando vagarosamente, inexoravelmente rumo ao sul da França. Em Le Camp des Saints (O Campo dos Santos, 1973), ele primordialmente documenta a impotente reação francesa, tomada pelo pânico, à medida que a horda (palavra usada 34 vezes) "continua engrossando ainda mais suas fileiras".