Novo curso de Olavo de Carvalho:

cursoOdeC

Nas livrarias:

novolivroSiga a fanpage do livro 'O Mínimo que Você Precisa Saber Para Não Ser um Idiota'
no Facebook
.

e&s

 


SPACÇO DO SPACCA

peterpan spacca

© Spacca para o MSM


Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32 twittericon Youtube_32x32 facebook_32 Feeds_32x32 Mail-32currency_blue_dollar-32

 Elis nunca fez entretenimento, sempre quis a revolução. Sempre militou pela revolução.


Fui ver o espetáculo Elis, a Musical, em cartaz no Teatro Alpha. Uma superprodução muito bem cuidada, com texto de Nelson Motta e Patrícia Andrade, contando relances da biografia de Elis Regina e, claro, seguindo a trilha sonora das canções gravadas pela cantora. No papel principal Leila Garin, brihante, convincente, ótima cantora, acompanhada de ótimo elenco. Eu não a conhecia, virei seu fã. A direção é de Dennis Carvalho.

O espetáculo fez sucesso no Rio de Janeiro e o repete em São Paulo, não apenas por ser portador de elevado nível artístico, mas também porque a plateia se reconhece no palco. Em alguns momentos, aqueles que são da minha geração não podem deixar de se emocionar quando a atriz canta O Bêbado e o Equilibrista, do João Bosco e Aldir Blanco. Ou a sempre belíssima e revolucionária Como Nossos Pais, do Belchior. Eu me emocionei pelas lembranças que tenho e pela carga emocional que essas canções provocam em mim. Hoje sei, todavia, que são peças de propaganda política envelopadas em músicas cativantes.

Lorenzo Madrigal, reconhecido colunista de El Espectador, a quem de modo algum se poderia rotulá-lo de uribista, descreveu com franqueza esta semana o que está ocorrendo na política nacional, a propósito de três fatos concomitantes da conjuntura atual: a tentativa de desbancar o Procurador (Alejandro Ordóñez), a condenação de Andrés Felipe Arias, e a cruzada para que se levante o asilo do Panamá à María del Pilar Hurtado.

“O poder, que Echandía não soube para que servia (certamente que soube), permite destruir o inimigo e negar-lhe pela rádio, pela imprensa, pelos tribunais (olho!), pelo Congresso, pela administração pública, qualquer possibilidade de emergir de uma derrota eleitoral. O unanimismo absolutista não é a melhor maneira de fazer a paz”, sentenciou em sua coluna semanal.

Nada mais e nada menos que o empreendimento grotesco de alinhar os quatro poderes e enfileirá-los contra o adversário político, não com o propósito democrático de confrontá-lo em uma lide civilizada, senão de arrasá-lo e destruí-lo. Imprensa, executivo, legislativo e judiciário, todos em uma como em Fuenteovejuna.

O investimento de 10% do PIB em educação pode não surtir o efeito desejado, caso o ensino brasileiro não se liberte da doutrinação que o assola, como defende a ONG Escola Sem Partido, que realiza o primeiro congresso a tratar do tema.


Caso a educação pudesse ser feita apenas com dinheiro, sem dúvida, o Brasil teria um ensino de Primeiro Mundo. Com a promulgação pela presidente Dilma Rousseff do Plano Nacional de Educação (Lei Federal 13.005), em 25 de junho último, o Brasil terá de aplicar 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação, o que significa uma soma anual de R$ 484 bilhões, considerando o PIB de 2013, segundo o IBGE. Hoje, o País investe 5,8% do PIB em educação e, a partir do quinto ano de vigência do plano, isto é, em 2019, esse investimento terá de ser de 7%, alcançando os 10% no final da vigência do plano, em 2024.

Imensa maioria dos palestinos mortos são homens adultos.

Essa informação é baseada em dados oriundos do Hamas através da Al Jazeera, ambos são aliados íntimos. Os dados reais provavelmente revelam uma situação ainda mais extrema.

A narrativa anti-Israel é de que o Estado Judaico está assassinando civis aleatoriamente. Apesar do Hamas utilizar escudos humanos, a lista de baixas oriunda do próprio Hamas não revela isso.

Notavelmente apenas 12% de todos os mortos são mulheres, embora a população feminina perfaça metade da população”, diz o Comitê para Exatidão das Reportagens sobre o Oriente Médio na América (CAMERA). “Outro ponto, a idade média relatada dos gazenses mortos está em torno de 15 anos. Homens abaixo dos 15 anos perfazem apenas 13% de todas as fatalidades, embora esta idade represente metade de todos os homens na Faixa de Gaza.”

A criminosa derrubada de um avião comercial da Malaysia Airlines teve o efeito de um raio: matou infelizmente a vários, mas — precisamente como fazem tais raios — iluminou com uma claridade terrível um panorama então coberto de trevas.

Densas trevas, sim, que há anos vêm toldando progressivamente os horizontes de política internacional, com óbvios reflexos sobre a política interna dos países onde ainda há liberdade.

Convém que a realidade assim posta em evidência com o fulgor irresistível, mas tão transitório, de um raio, não seja esquecida pela opinião pública.

Bem ao certo, o que houve? Ainda se discutem pormenores. Mas, o fato essencial está aí: um país agressor já tinha invadido e anexado uma região de um país vizinho: a Rússia se empossou ilegalmente e pela violência da Criméia.

A medida do verdadeiro amor é a medida do sacrifício pelo bem do outro.

 


Têm sido frequentes os casos de jovens que se deixam fotografar nuas por seus namorados e, depois, passam pelo constrangimento de saber que essas imagens foram postadas nas redes sociais. As consequências de tão imprópria prova de amor desabam sobre a parte frágil, determinando padecimento, processos judiciais, enfermidades psíquicas, crises de adaptação social e familiar e, em certos casos, suicídio por total incapacidade para enfrentar a situação. Surpreende que, mesmo com a reiterada divulgação de tais casos, algumas moças ainda se exponham em tão desnecessárias liberalidades.

Poucas coisas são tão grotescas quanto a coexistência pacífica, insensível, inconsciente e satisfeita de si, da afetação de inconformismo com a subserviência completa à autoridade de um corpo docente.


Aprender, imitar e introjetar o vocabulário, os tiques e trejeitos mentais e verbais da escola de pensamento dominante na sua faculdade é, para o jovem estudante, um desafio colossal e o cartão de ingresso na comunidade dos seus maiores, os tão admirados professores.

A aquisição dessa linguagem é tão dificultosa, apelando aos recursos mais sutis da memória, da imaginação, da habilidade cênica e da autopersuasão, que seria tolo concebê-la como uma simples conquista intelectual. Ela é, na verdade, um rito de passagem, uma transformação psicológica, a criação de um novo “personagem”, apoiado no qual o estudante se despirá dos últimos resíduos da sentimentalidade doméstica e ingressará no mundo adulto da participação social ativa.

Na Rússia, todos eventos importantes têm pelo menos duas versões (ou várias).

Em todos os casos há duas versões da realidade (escolha a sua). Cada um acreditará naquela que melhor lhe aprouver.


Os rebeldes fomentados pela Rússia que estão conduzindo uma rebelião no leste ucraniano não têm se dado bem nas últimas semanas. Os separatistas anti-Kiev têm sofrido uma derrota após a outra (e mesmo assim, não há uma invasão russa para protegê-los). O que poderia estar pensando Moscou? Pesquisas mostram que a imagem da Rússia foi manchada ao redor do mundo após a anexação da Crimeia. No leste ucraniano os encarregados de Moscou têm perdido apoio popular.

No dia 11 de julho, a fundação Jamestown publicou um artigo do analista militar Pavel Felgenhauer dizendo que a insurreição na Bacia de Donets está à beira do colapso, a ponto de as forças rebeldes estarem evacuando Slavyansk. A análise informal da situação, supostamente dada pelo analista geopolítico russo Aleksandr Dugin, é quase idêntica: “Putin tem um lado bom e um lado ruim a se considerar. O bom é aquele que anexou a Crimeia, o ruim é aquele que traiu seus filhos em Slavyansk”. Junto dessa análise, há de se considerar que Dugin foi alijado da sua posição de chefe do Departamento de Sociologia e Relações Internacionais da Universidade Estatal de Moscou. Segundo o site HungarianAmbience, “[Dugin] foi alijado da universidade por motivos políticos, pois alguns círculos não gostaram da posição dele no conflito russo-ucraniano”.

Na Venezuela, Maduro e os chavistas discutem se devem aplicá-las ou não e na Argentina, Cristina sempre teve suas dúvidas. Porém, são políticas que desde há anos os governos de Ortega na Nicarágua, Santos na Colômbia, Correa no Equador, Humala no Peru, Morales na Bolívia, Tabaré e “Pepe” no Uruguai, e igualmente Lula e Dilma no Brasil, por exemplo, as aplicam.

“Neo” liberais significa mais ou menos inspiradas no Consenso de Washington (CdeW) dos anos 90, uma lista de “recomendações de política”, que na ocasião os burocratas do FMI e do Banco Mundial viram como “viáveis e sustentáveis”, quer dizer: aceitáveis pelos principais atores.

São 10, e se resumem assim: 1. Disciplina fiscal e orçamento em equilíbrio, 2. priorizar o gasto público: em medicina básica, educação primária, infra-estrutura, 3. impostos: baixar taxas para subir a arrecadação, 4. tipos de juros: livres, 5. taxa de câmbio: “competitiva”, 6. substituir barreiras quantitativas às importações por taxas alfandegárias e depois reduzi-las pouco a pouco até 10% ou 20% na média, 7. alentar todo o investimento estrangeiro direto, 8. privatizar empresas estatais, 9. eliminar barreiras legais à entrada e saída nos mercados e 10. reforçar direitos de propriedade. Até aqui diz o CdeW.

Corria o dia 17 de março de 1965 quando a mais de 170 quilômetros de Popayán, proveniente da “república independente de Riochiquito”, Pedro Antonio Marín Marín, cognome “Tirofijo”, junto com 120 quadrilheiros, entre eles quatro mulheres - armados de carabinas San Cristóbal, bombas, granadas e facões - assaltaram um ônibus inter-municipal de Rapido el Cauca, na localidade El Hato. Após culminar sua ação se dirigiram a Inzá e saquearam o humilde município. Um total de 16 pessoas foram assassinadas.

Não obstante, umas horas antes do assalto ao ônibus - que cobria a rota Belalcázar-Popayán - os assaltantes capitaneados por Tirofijo passaram por El Guadualejo e seqüestraram Antonio López, Emilio Fajardo, Carlos Fajardo e Vicente Sánchez. Após meia hora de caminhada chegaram à fazenda El Rodeo e seqüestraram Angélica Chaux e uma menor. Seguiram caminhando até chegar a El Crucero onde arrasaram a loja de Emigdio Andrade e sem duvidar, o tomaram como refém junto com seus filhos Edgar, Gonzalo e Marcos. Os comunistas e seus seqüestrados prosseguiram caminhando e em Las Piedras um morador do lugar, Carlos Narváez, perguntou o que estava acontecendo. Sem mais, foi seqüestrado. A estamparia sangrenta logo ia começar. Ao chegar en El Hato, jurisdição do município caucano [1] de Inzá, o bando do PCC-FARC viu ao longe uma frota. Então, temerosos de que alguns de seus seqüestrados dessem uma voz de alerta, Tirofijo ordenou que assassinassem, com o corte de flanela, Carlos Narváez, Emigdio Andrade e seus três filhos.

Excetuada a hipótese da sabedoria infusa, é preciso algumas décadas de experiência para um sujeito entender que a esperança numa vida após a morte é mais realista, mais racional e mais científica do que a aposta em qualquer utopia social terrena. No fim a conclusão é sempre esta: ou o Paraíso ou o Nada. Como o Nada é impossível, resta aquela tentativa incansável e interminável de aproximar-se dele, a qual se chama, tradicionalmente, inferno.


Isso é a vida humana.


Dia a dia acumulam-se indícios de que ela não cessa com a morte, inclusive esse filme espetacular,Heaven is for Real, em que um menino de quatro anos mostra saber mais sobre o outro mundo do que em geral os guias iluminados dos povos sabem sobre este.

O Hamas não é exatamente a organização terrorista favorita dos egípcios considerando-se os ataques terroristas do Hamas contra soldados egípcios e o seu envolvimento no golpe da Irmandade Muçulmana no Egito.

Isto pode ser visto nesses trechos da programação televisiva no quais os âncoras egípcios acusam os líderes do Hamas de levar uma vida luxuosa, com jantares em restaurantes e uma vida fácil à beira de piscinas com suas quatro esposas enquanto a luta se desenrola.

Eles denunciam também que os esquadrões que lançam foguetes operam dentro de áreas civis e estão atraindo uma nova “Nakba” para o seu povo [N.do.T: nakba: expressão árabe que significa “catástrofe” ou “desastre”].

Com essa iniciativa, eles estão induzindo os fiéis a consolidarem um projeto de poder que foi erguido às custas de um assalto à Igreja Católica.


Quando padres passam a utilizar o altar para promover uma proposta de reforma política, o mínimo que se deve fazer é investigar para onde eles, com a ousada iniciativa, estão conduzindo o seu rebanho. Não, não é pecado. A investigação é um dever irrenunciável principalmente quando a proposta na qual estão engajados - a que é apresentada por uma "Coalizão pela Reforma Política Democrática" [1] - aparece subscrita, não só pela CNBB [2], mas por grupos e organizações como MST, CUT, UNE, CTB, UBM, CONTAG, entre outras [3] - que empunham bandeiras completamente contrárias aos princípios da Igreja Católica. Abortismo, ideologia de gênero, legalização das drogas, luta de classes, etc.

ariovaldoÉ atribuída ao velho Karl Marx a frase que sintetiza o perigo das pessoas que se acham puras e, por isso, no direito de decidir nosso futuro: “O caminho para o inferno está pavimentado de boas intenções”.

Eu me lembro da frase toda vez que ouço ou leio alguma declaração, abaixo-assinado,  manifesto, grito de guerra, Et Cetera, do pastor Ariovaldo Ramos. Ele é um campeão na modalidade “apoiando as piores ideias com as melhores intenções”.

O seu último presente ao Brasil foi a adesão ao manifesto de lideranças “evangélicas” que está sendo distribuindo entre os congressistas, incitando-os a apoiarem o decreto da presidente Dilma que cria a Política Nacional de Participação Social (PNPS).

Graça Salgueiro relata o surgimento de um bando terrorista revolucionário, seu crescimento e aliança com as FARC, seus vários crimes e conexões políticas, dentre as quais Luiz Eduardo Greenhalgh, do PT.

O Brasil não pode continuar refém de bandos terroristas como FARC, EPP e PCC.
 

“O Banco Nacional de Fomento de Choré salvou-se de um bando de toupeiras”, lia-se no título de uma matéria acanhada que aparecia no jornal Última Hora, em 16 de dezembro de 1997, da cidade de Choré, dando conta de que a Polícia havia conseguido desarticular um bando de assaltantes que pretendia assaltar o banco. Eles haviam alugado uma casa em frente e, desde lá, começaram a cavar um sofisticado túnel que já estava com 60 metros de extensão e 1,75 de diâmetro, com exaustor de ar e refletores quando foram detidos.