Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32twittericonYoutube_32x32facebook_32Feeds_32x32Mail-32currency_blue_dollar-32
Unha caranguejoTal como burocratas soviéticos, os tchekistas do Ministério Público querem cuidar de nossa saúde e do nosso consumo. Querem, inclusive, determinar como devemos consumir caranguejos e demais alimentos.

Vetcheka, ou simplesmente Tcheka, foi a polícia política criada por Lênin, em dezembro de 1917, pouco depois do golpe de Estado de outubro e pouco antes da guerra civil. Traduzindo do russo, chamava-se o pomposo nome de "Comitê Extraordinário Pan-russo de Combate à Sabotagem e Contra-revolução" e seu chefe maior era um aristocrata polonês e bolchevista fanático chamado Felix Dhzejinski, homem de aparência ascética e fria. Posteriormente, a polícia política soviética mudou de vários nomes, como GPU, OGPU, NKVD, MDV e KGB. De fato, dentre tantas funções da Tcheka, uma delas era depurar grupos sociais inteiros, seja através da matança generalizada, seja pela deportação em campos de concentração.

Um exame de ingresso nos cursos de terceiro grau, com extensão nacional, é um devaneio autoritário, uma coisa de porte descomunal, monstruosa no aspecto e, por óbvio, descomedido na dimensão de seus erros.

É muito provável que o leitor desconheça o fato relatado na edição de Zero Hora do dia 2 deste mês, em artigo com o título "Mamãe, passei em Medicina". O autor, professor de matemática e engenheiro pelo ITA foi protagonista da experiência que conta. Chama-se Daniel Lavouras e submeteu-se às provas do ENEM deste ano, sendo qualificado para ingresso no prestigiado e disputado curso de Medicina da Faculdade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

Clóvis Rossi está tão inseguro de suas previsões que em três parágrafos busca apoio de outros analistas internacionais, igualmente comprometidos com a propaganda da causa revolucionária no meio islâmico.

Preciso dizer ao caro leitor mais algumas palavras sobre a situação do Egito. O conflito evoluiu em desfavor do governo constituído, com as brigas de rua fazendo muitas mortes e a repressão militar caindo com mãos pesadas. Eu volto ao assunto porque li a coluna de Clóvis Rossi na Folha de São Paulo de hoje (O espírito de 1776), na linha da estupidez dos analistas de esquerda espalhados pelo mundo. Evidente que não há qualquer paralelo entre a Revolução Americana e a situação egípcia. Os EUA eram um país a construir e o Egito é um país islâmico, dos mais antigos.

Não é gratuita a coincidência do Foro na Argentina pela paz da Colômbia. Não é segredo para ninguém que a veleidosa senhora Kirchner é amiga das FARC e do terrorismo comunista, um peão de Chávez e súdita de Lula.

Desde antes que o Procurador Geral da Nação ratificasse em segunda instância a destituição da senadora Piedad Córdoba, a quem sua resolução encontrou nexos com as FARC, o argentino Adolfo Pérez Esquivel, com o apoio de algumas organizações esquerdistas, começaram a promover atos públicos em favor da destituída argumentando que desde instâncias internacionais vão reclamar sua restituição, e há poucos dias as FARC anunciaram o desagravo com a libertação dos cinco seqüestrados.

"Somos vítimas de uma campanha infame de desprestigio e guerra jurídica, típicas da combinação de todas as formas de luta, onde o inimigo infiltrado se apodera dos ramos do Estado para negar nossa condição de COMBATENTES, com vistas a destruir nossa moral e pisotear nossa dignidade e a de nossas famílias."

Doutor JUAN MANUEL SANTOS, Presidente da Colômbia,

OS PRESOS MILITARES

Ante a violatória ordem do Governo para nos enviar aos cárceres civis do país, por fatos sucedidos no desenvolvimento do conflito armado,

DEMANDAMOS QUE:

1. Respeitem-se nossos direitos estabelecidos no Código Penitenciário e Carcerário, Lei 65 de 1993, que em seu Artigo 27 ordena nosso lugar de reclusão em cárceres militares ou em sua impossibilidade, em nossas unidades militares.

Uma família de Maringá (PR) tirou os filhos da escola e os educa em casa com aval da Justiça. Com apoio do Ministério Público, os pais conseguiram convencer o juiz da Vara da Infância e Juventude de que a educação domiciliar é possível e, teoricamente, não traz prejuízos.

Os irmãos Lucas, de 12 anos, e Julia, de 11, são filhos de pedagogos. O pai é professor da Universidade Estadual de Maringá. Eles foram tirados da escola há quatro anos, após duas tentativas frustradas de tentarem matriculá-los em uma escola regular.

Rango de ecofascista

Não há limites para o ridículo quando o objetivo é impulsionar a derrocada civilizacional por meio da estratégia "verde".

O professor Arnold van Huis, da Universidade Wageningen, Holanda, e seu colega Dennis Oonincx, promovem a idéia de comer insetos para salvar o planeta, no contexto de um plano promovido pela FAO.

Quiche de minhoca ou larva de besouro, rolinho primavera de grilo e outros pratos feitos com insetos nauseabundos estão no cerne de uma "dieta saudável, barata e ecológica", cujo estudo foi encomendado pelo órgão da ONU contra a fome.

O mais famoso iluminista, Voltaire, fez súplicas para que um padre estivesse presente quando se aproximava de seus momentos finais.

No livro Mémoires pour servir à la histoire du Jacobinisme (v. I - 1797, pp. 382), o jesuíta Augustin Barruel relata que Condorcet esforçou-se a evitar que um padre se aproximasse do já moribundo d'Alembert, proferindo a extravagante frase logo após a sua morte: "Se lá eu não estivesse, ele teria se curvado". Também anota que com tal frase, ainda que sem querer, Condorcet revelou os remorsos pelos quais d'Alembert fora acometido em meio aos seus suspiros finais. Quanto à Diderot, um dos seus biógrafos, F. Génin, baseado nos fatos narrados pela filha do escritor, Angélique de Vandeul (Œuvres choisies de Diderot précédées de sa vie, Firman Didot, Paris, 1869, pp. 62), diz que após alguns encontros com o prior da igreja de São Sulpício, em Paris, ele passou a com ela ler a Bíblia, além de permitir que a sua educação fosse guiada por religiosos.

Se os salários aumentam por decreto do governo, ao invés de serem aumentados pela maior produtividade alcançada pelo trabalhador, cria-se um desestímulo para a contratação de mão-de-obra.

Ano novo, governante nova no Brasil. Entretanto, algumas estratégias enraizadas na cultura política do país ainda permanecem as mesmas de sempre. Estratégias que contradizem o tão famoso mote de campanha de inúmeros candidatos: geração de emprego.

O Oriente Médio tem por anos sido dividido em dois grandes blocos envolvidos em uma guerra fria pela conquista da influência.

Conforme o já muito antecipado momento de crise ter chegado ao Egito e rebeliões populares terem abalado governos por todo o Oriente Médio, o Irã encontra-se mais do que nunca no ponto central da região. Seus governantes islamistas estão prestes a dominar a região. Porém é difícil as revoluções terem sucesso e eu imagino que os islamistas não irão atingir um avanço extraordinário no Oriente Médio e que Teerã não irá surgir como o mais influente. A seguir apresento o que me leva a essa conclusão:

Trata-se de uma vergonha sem fim que esta instituição comprometa-se tanto com sua agenda política em detrimento da notícia verdadeira, a fazer dos brasileiros um rebanho de idiotas manipuláveis.

Um pouco mais de media-watch, apenas para registro do que tenho apontado desde há um bocado de tempo, a comprovar a parcialidade da Rede Globo, desta vez relativa aos distúrbios do Oriente Médio, à sua persistente defesa da tese do aquecimento global e à gestão de estados governados pela oposição...

A expansão do crédito distorce a realidade econômica e desvia investimentos, retirando-os do caminho até então determinado pelo atual estado de riqueza da economia e das condições de mercado.

O papel das taxas de juros

Em nosso sistema econômico, épocas de economia aparentemente próspera e robusta se alternam de maneira praticamente regular com épocas de economia debilitada. Os declínios vêm após a fase ascendente da economia, e a fase ascendente volta a surgir após os declínios, e assim por diante. A atenção dada pela teoria econômica a esse fenômeno tem sido compreensivelmente enorme, dado que as flutuações cíclicas alteram radicalmente o ambiente de negócios.

"...o partido deve responder às exigências de uma longa disputa pela hegemonia (...) com a construção de uma cultura política e de uma ideologia socialista em bolsões altamente organizados daqueles setores revolucionários, em direção a uma ruptura com o Estado burguês...com respostas dentro e fora da ordem (...), sob pena de limitar-se aos enfrentamentos na esfera política das instituições da ordem, sendo inexoravelmente sugado por ela."

Tarso Genro, atual governador petista do Rio Grande do Sul,sustentando a estratégia
leninista-troskista da dualidade de poder, em 1988, em Teoria e Debate, n°4, 38-41).

Gilberto Braga e a Rede Globo têm um assunto pronto para neutralizar sem debates, sem aporrinhações, a consciência do público: a história novelesca vai abordar a tão alardeada "homofobia".

Eu não costumo ver novelas na TV. Na verdade, não costumo nem mesmo ver a TV. O nível da programação é tão baixo e a desinformação dos jornais televisivos é tão assustadora, que me contento em ler os jornais locais impressos ou a internet (e olha que os jornais locais não são melhores). As pessoas falam dos personagens estúpidos do Big Brother Brasil? Ignoro totalmente. Quando me deparo com a figura do "Grande Irmão", sempre penso e tão somente em George Orwell e "1984". Convém afirmar, uma verdadeira novela política, um clássico do século XX, que denuncia a destruição da privacidade e individualidade humana pelo totalitarismo, agora é usado justamente para promover a destruição da privacidade e da individualidade. O povo transforma as bisbilhotices da vida privada de alguém em cotidiano. Faz daquelas criaturas idiotas como cobaias do bizarro no falatório comum. Fulano fez sexo com outro, fulano é homossexual, sicrana é prostituta. O grotesco fascina. E as revistas de fofocas ganham horrores com os personagens criados pela cultura do bizarro. A privacidade, como um valor supremo da individualidade, deixa de existir.

Para além das questões políticas ficou o desespero diante das imagens do homem em chamas, um patético protesto de um indivíduo isolado, que não cometeu crime algum, diante do ogro estatal.

Ontem, como sempre, fui assistir ao programa Manhattan Connection e lá foram exibidas as imagens do jovem tunisino Mohamed Bouazizi, que se imolou pelo fogo diante do palácio do governador. Fiquei comovido, as imagens são chocantes. Ali não se tratou de um gesto político. Foi um ato de desespero de alguém que chegou ao limite da opressão pela pobreza e pelo poder de Estado, que caiu sobre ele impiedosamente. Tomaram-lhe as poucas mercadorias que comerciava, bateram-lhe, cuspiram-lhe. O limite da opressão.