Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32twittericonYoutube_32x32facebook_32Feeds_32x32Mail-32currency_blue_dollar-32

Na biografia dos políticos paranóicos ou paranóides, a paranóia não só precede a política, mas é ela que os conduz à política e, em regra, aos extremismos políticos.

I

A breve reflexão que segue pretende ser apenas uma introdução a um estudo mais detido, que pretendo publicar consecutivamente e em capítulos também breves, em Mídia Sem Máscara, sobre asorigens psicológico-sociais e sócio-políticas do fenômeno que denomino totalitarismo democrático e sobre a estratégia política de sua instalação, o bonapartismo plebiscitário.

Os conservadores frequentemente se queixam da politização das universidades e sobre o fato de que só pontos de vista esquerdistas são propagados ou mesmo tolerados no campus. Mas eles não conseguem ver a verdadeira causa disto, que é o colapso interno das Humanidades.

As ciências visam a explicar o mundo: elas constroem teorias que são testadas através de experiências e que descrevem o funcionamento da natureza e as ligações profundas entre causa e efeito. Nada disto é verdade para as Humanidades. As obras de Shakespeare contêm importantes conhecimentos. Mas não são conhecimentos científicos nem poderiam jamais ser convertidos em uma teoria. São um conhecimento do coração humano. Shakespeare não nos ensina em que acreditar: ele nos mostra como sentir - caso a caso, pessoa por pessoa, temperamento por temperamento.

Contra todas as formas de mal só há um antídoto: a lei de Deus.

Continuando a reflexão sobre o tema do mal no plano coletivo vale a pena comentar três acontecimentos inesquecíveis para o Ocidente. O terremoto de Lisboa, em 1755, foi um marco porque serviu para que ateus, teístas (como Voltaire) e agnósticos reforçassem seus argumentos contra a tradição cristã, que sempre viu nos grandes acontecimentos nefastos a ação do Maligno, e também um serviço aos propósitos divinos. O velho ditado de que não há mal que não traga um bem. A gratuidade de um mal natural como o terremoto de Lisboa serviu assim aos propósitos de um outro tipo de mal que emergia e que era então desconhecido na história: o mal alavancado pelo Estado moderno. Os intelectuais do Iluminismo foram os apóstolos do novo Estado moderno, cuja face hedionda contemplamos cotidianamente na atualidade.

Estão nos pedindo que façamos vista grossa a tudo que sabemos sobre a fragilidade das parcerias homossexuais, sobre as necessidades psicológicas das crianças e sobre as regras que ainda prevalecem em nossas escolas e comunidades, em função de uma fantasia ideológica.

As sociedades ocidentais passaram, em décadas recentes, por uma mudança radical em sua postura a respeito da homossexualidade. O que já foi considerado um vício intolerável agora é considerado uma "orientação", que não difere em espécie (embora diferente em direção) das inclinações que levam os homens a se unirem com as mulheres e as crianças a nascerem. Esta mudança radical começou com a descriminalização da conduta homossexual e com uma crescente prontidão não só em tolerar a homossexualidade em privado, mas a falar sobre ela em público. Nós vimos o surgimento do "homossexual público", o propagandista espalhafatoso daquele "outro" modo de vida e que, como Quentin Crisp , tentava nos persuadir de que "gay" [alegre] era a descrição certa. A partir daí seguiram-se o movimento por "orgulho gay" e as personalidades públicas que "saíam do armário" - ao ponto que não é mais tão interessante assim saber se alguém é de outra opinião.

Agostinho afirma que, se até Daniel, o profeta, pediu perdão pelos seus pecados, que diremos nós, pecadores contumazes. Em última análise, o mal age para castigar os ímpios e para pôr os justos à prova e quando ele sobrevém atinge a todos indistintamente.

Quando acontecimentos catastróficos se sucedem ao observador sempre fica a pergunta: por quê? Não há dúvidas de que o Brasil e particularmente o Rio de Janeiro têm sido vítimas de males naturais que não são banais. Centenas de mortos em poucos dias é algo para nos remeter às questões teológicas centrais que tratam do mal. E do mal moral também: não faz muito tempo vimos que as forças da ordem agiram no Rio de Janeiro e centenas de homens armados de fuzis e outras armas típicas de guerras saíram à luz e à vista das câmaras de TV, mal vestidos e mal calçados, em desabalada carreira. São praticantes do mal cotidiano em larga escala. Pudemos ver os subterrâneos do mal moral transbordarem, fazendo fronteira direta com o mal político, pois ao Estado caberia coibir sua ação.

Os regimes pertencentes à ALBA utilizam um método perverso - desenhado em Cuba - para se desfazer de seus adversários políticos. O método consiste no seguinte:

Primeiro, o regime escolhe uma ou várias figuras da oposição e as converte em alvo de sua operação. Segundo, realiza-se uma campanha sustentada por calúnias para criminalizar esta pessoa. Terceiro, funcionários do Estado cometem algum delito e depois denunciam a vítima. Quarto, oferece-se dinheiro a uma "testemunha estrela" para que preste falso testemunho contra a vítima. E quinto, o regime faz uso de policiais, procuradores e juízes corruptos para julgar e condenar sua vítima.

Caracas, 18 de janeiro - A audiência preliminar sobre o caso do dirigente político venezuelano, Alejandro Peña Esclusa, será efetuada no próximo dia 27 de janeiro.

Peña Esclusa encontra-se ilegalmente detido na sede do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (SEBIN) desde o passado 12 de julho, quando um comando de 20 homens armados irrompeu em sua casa e o levou preso.

A premissa implícita aposta na estupidez do público, e às vezes acerta: se a mulherzinha não fosse mesmo uma peste, não seria tão odiada.

O que no Brasil se chama de "noticiário internacional" consiste em repetir, ampliando-as e radicalizando-as, as mentiras mais cínicas da mídia esquerdista norte-americana, com a certeza tranquilizante de não ter de enfrentar, como ela, a enérgica reação conservadora de metade da população, que só ouve rádio e não acredita numa só palavra dos jornais e da TV.

Como é que um homem que um dia foi malhado pela direita hoje é celebrado como seu herói? A resposta parcial está no fato de que a direita mainstream moveu-se gradualmente para a esquerda desde a morte de King.

Provavelmente não há uma vaca mais sagrada nos Estados Unidos do que Martin Luther King Jr. A mais leve crítica a ele ou mesmo a sugestão de que ele não merece um feriado nacional levam a acusações de racismo, fascismo e todo o resto dos insultos costumeiros da esquerda, não só dos esquerdistas, mas também de muita gente ostensivamente conservadora e libertária.

Quando o estado imprime dinheiro para contratar mais funcionários públicos ou para pagar-lhes aumentos salariais, dá impulso ao aumento dos preços.

Depois que você lê von Mises é que você percebe como os outros economistas são confusos.
Olavo de Carvalho

Inflação é expansão monetária. Inflação é mais e mais papel impresso pela casa da moeda. Deu pra entender? Portanto, se você andou lendo naqueles livros consagrados de Economia - inclusive alguns que são a estrela-guia dos concursos públicos - que a inflação consiste em um processo de aumento generalizado de preços, tome tento da lição simples e precisa de Ludwig von Mises: o aumento de preços é apenas um dos efeitos da inflação, resultante da percepção da expansão monetária pelos agentes econômicos. Ora, uma doença e seu sintoma não podem ser confundidos, embora se relacionem.

Durante anos Wikipedia publicou minha biografia "oficial", assegurando muitas das calúnias acima mencionadas. Cada vez que tentamos editar a página, colocando a informação correta, seus editores voltaram a pôr as calúnias.

Embora meu encarceramento tenha sido o resultado de uma grosseira montagem policial, esteve precedido de uma estratégia propagandística muito bem concebida, baseada na calúnia e na desqualificação mantida durante anos. Este esquema tem sido utilizado contra todos os prisioneiros políticos venezuelanos e funciona da seguinte maneira:

O governo colombiano deve identificar e processar todos os membros do Partido Comunista Clandestino e do legal que tenham vínculos provados com as FARC para que respondam com cárcere pelos delitos de seus cúmplices.

A ânsia politiqueira e de protagonismo do Partido Liberal em torno da Lei de Reparação de Vítimas, deu espaço para que os membros do Partido Comunista Clandestino das FARC e até o terrorista Alfonso Cano, em sua mensagem de ano novo às quadrilhas, interfiram no assunto e procurem ganhar mais espaço político, objetivando demonstrar, em primeiro lugar, ante a justiça internacional a suposta causa política, e em segundo lugar, demonstrar a farsa comunista de que na Colômbia "a oligarquia e as Forças Militares têm cometido crimes contra o campesinato". Porém, ninguém fala nada acerca da reparação das vítimas das FARC.

O jornalismo, dizia Joseph Conrad no início do século 20, é uma coisa escrita por idiotas para ser lida por imbecis. Bons tempos, aqueles.

Se você espera encontrar qualquer cobertura honesta, por mínima que seja, na grande mídia nacional ou internacional hoje em dia, está implorando para ser enganado. A falsificação, antigamente limitada, discreta e contrabalançada ao menos por arremedos de bom jornalismo, tornou-se cínica, ostensiva e generalizada.

Mais uma grande palhaçada dos falsificadores do evangelho auto-intitulados "evangélicos progressistas": surge a "Associação Cristã Evangélica Brasileira", unindo liberalóides teológicos e heréticos da tal "missão integral" (versão protestante da "teologia da libertação" marxista) com o intuito de esquerdizar ainda mais o evangelicalismo brasileiro e legitimar os desmandos da elite política revolucionária.


A "presidenta" Dilma Rousseff pede conselho sobre algumas medidas governamentais que pretende tomar e quatrocentos líderes evangélicos se reúnem com ela e dizem: "Vá em frente, porque o Senhor abençoará você no que você está fazendo".

A Europa está reconhecendo, mesmo que tardiamente, esses comissários politicamente corretos devem ser colocados de lado se o mundo livre quiser se opor à crescente ameaça dessa jihad criada em casa.

Há algum tempo ficamos sabendo que Nazaré é um centro da al-Qaida. O sheik Nazem Abu Salim Sahfe, que é o imã árabe-israelense da mesquita Shihab al-Din na cidade, foi acusado de promover e recrutar pessoas para a jihad (guerra santa) global e de convocar seus seguidores a causarem danos aos não-muçulmanos.