cptaec

 


 

Novo curso de Olavo de Carvalho:

cursoOdeC

Nas livrarias:

novolivroSiga a fanpage do livro 'O Mínimo que Você Precisa Saber Para Não Ser um Idiota'
no Facebook
.


citizengo


SPACÇO DO SPACCA

© Spacca para o MSM


Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32twittericonYoutube_32x32facebook_32Feeds_32x32Mail-32currency_blue_dollar-32

Associar a legalização do aborto ao princípio da laicidade é no mínimo desonestidade intelectual. Ora, esse engodo está implícito quando se sugere a idéia fantasiosa de que abortar é uma liberdade laica.

Recebi através do grupo de discussão da Red Iberoamericana por las LibertadesLaicas um pretensioso manifesto contra o uso da religião nas eleições presidenciais de 2010.

O texto desse manifesto é arrogante, tendencioso, dogmático e notadamente antidemocrático ao preconizar que "não é aceitável que essa questão [aborto] seja usada nos processos eleitorais com o objetivo de que prevaleça um Brasil arcaico, hipócrita e conservador sobre interesses republicanos e de promoção da igualdade entre os sexos".

Do ponto de vista dos princípios, seria melhor que ambos candidatos, em vez de tentar se acomodar ao desejo do público, tentassem convencer o eleitorado da validade de suas próprias idéias, que são as que colocarão em prática no final.

Ia parar de blogar por um tempo, mas um post do ressuscitado Fábio Marton no Not Tupy me inspirou. É sobre a necessidade da mentira na democracia. Será que democracia sempre implica em demagogia? Talvez seja um dos males deste sistema que é o pior com exceção de todos os outros. Como o político depende do voto do povo, precisa se disfarçar de Zé Povinho, mesmo que esteja muito distante físicamente, espiritualmente e financeiramente deste. Marton discute especialmente a questão do aborto, sobre a qual ambos candidatos precisam mentir para não desagradar 70% do eleitorado, mas esta é apenas a mentira mais óbvia. Um tema mais interessante é a questão do uso do dinheiro público.

O aborto é tratado como um direito da mulher ou um problema de saúde pública, o feto que se dane. Só entrou em pauta nos debates eleitorais porque uma das candidatas fingia ser contra a descriminação em nome de princípios religiosos, mas ao invés de se mostrar firme, sugeria um plebiscito.

Recentemente a humanidade inteira foi mobilizada pelo drama com tons de epopéia dos 33 mineiros soterrados em Copiapó. Esforços extraordinários foram empreendidos e grandes somas despendidas para salvá-los. Tecnologias anteriormente impensadas foram desenvolvidas. Houve uma vibração e alívio geral pelo sucesso da operação.
O chamado estado-laico não implica que os homens de estado joguem na lixeira os valores morais tradicionais, significa apenas que o estado e as religiões devem ser separados.

Um colega de universidade, em e-mail, reclamou contra o que chamou de "ação de fundamentalistas religiosos" - que seria, em sua visão, a inclusão no debate eleitoral da questão da descriminalização (ou descriminação, são palavras sinônimas) do aborto. Sua opinião não é novidade, porque é disseminada entre todos os setores que se autodenominam "progressistas", para quem esse assunto seria uma questão de "saúde pública"...

Enquanto o avanço das leis anti-"homofobia" do governo federal sob o PT esbarrou em fortes resistências cristãs, os mesmos tipos de lei encontraram poucos obstáculos em seu avanço no Estado de São Paulo sob o PSDB. O que farão os cristãos agora?

Em 1992, a Igreja Universal do Reino de Deus tinha uma postura firme contra o aborto, e contra Lula e o PT. Não era necessário ser visionário para enxergar que o PT no governo traria aborto e homossexualismo - mas ninguém imaginava que seria muito pior do que imaginávamos.

Ah, certo, é a tal da agricultura familiar, tipo pé descalço e enxada na mão, claro. Em outras palavras, o modelo que o PT pretende estabelecer no Brasil.

Cingapura não produz um grão de arroz, porém representa uma das economias mais vigorosas do mundo. Enquanto isto, Cuba vai indo de mal a pior e agora praticamente emula as convocações forçadas de cidadãos para o campo, tal como no tempo do Khmer Vermelho, desesperada para que produzam algum alimento.

O paternalismo estatal é perigoso, empobrece e, uma vez estabelecido, é extremamente difícil de eliminar.

Matéria publicada no Estadão relata o plano dos governos da cidade e do estado de Nova York de restringir o uso do vale-refeição, proibindo que seja utilizado para a compra de bebidas com excesso de açúcar. A justificativa é a grande parcela da população sofrendo de obesidade. Estima-se que doenças relacionadas à obesidade custem US$ 8 bilhões ao estado de Nova York.

Casimiro de Pina, de Cabo Verde, observa: "O Estado de direito baseia-se, em síntese, na separação dos poderes e na garantia dos direitos fundamentais. É uma dinâmica de repartição (checks and balances) e descentralização do poder."

Anda por aí, ao rubro, uma discussão curiosa acerca da "transição democrática" e da mudança de regime em Cabo Verde.

Forjam-se teorias espantosas. Fazem-se revelações luminosas!

Na perspectiva do PAICV, o momento-chave é a queda do art. 4.º da Constituição de 1980, conforme assegura o ilustre dr. José Maria Neves.

- Que história é essa de defender a crença? Cruzes. Coisa de gente reacionária, obscurantista, medieval. Esse modo de pensar contraria as diretrizes democráticas do PT.

No sábado, durante carreata em Belo Horizonte, Lula presenciou um fenômeno que institutos sérios como o Ibope e o Vox Populi já haviam dado como extinto: dezenas de pessoas vaiaram o presidente e seu ventríloquo. Aparentemente existem brasileiros que desaprovam o governo. O caso é grave e merece uma análise de especialistas isentos como Emir Sader ou Marilena Chauí.

Franklin Martins parte do princípio de que a atividade de radiodifusão tem de ser fiscalizada pelo aparelho do Estado, hoje, no Brasil, um instrumento da hegemonia política do PT.

De posse do nosso rico dinheirinho, Franklin Martins, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social do governo Lula, viajou à Europa (Londres e Bruxelas) em busca de "informações e subsídios" para criar um anteprojeto de lei e enquadrar, em caráter permanente, o setor de radiodifusão no país.

O erro acumulado e simultâneo da OEA, dos dirigentes latino-americanos, da Casa Branca e dos acadêmicos do continente, é que a maior parte deles não considera as extravagâncias chavistas como um sério risco para o hemisfério.

O anúncio do governo venezuelano de ingressar na era atômica é algo que deve-se examinar com pinças cirúrgicas, dada a personalidade estrambótica de Chávez, seu servilismo ante a ditadura cubana e sua submissão ante os inimigos dos Estados Unidos no mundo inteiro. O grave do assunto é que a Colômbia está no olho do furacão.

O PT sempre foi a encarnação viva de um catolicismo de fancaria, concebido para ludibriar os fiéis e induzi-los a trabalhar pelo avanço do comunismo.

Ao ver que ia perdendo o apoio da Igreja à sua protegida Dilma Roussef, cujo abortismo radical e persistente nem os desmentidos de última hora, nem as abjetas e blasfematórias encenações de fé católica da candidata puderam camuflar, o sr. Presidente da República, em desespero, decidiu recorrer ao crime eleitoral explícito: usando o Estado como instrumento de chantagem, ameaçou romper a concordata do governo brasileiro com o Vaticano caso o eleitorado católico se recuse a continuar sendo otário do PT, como o foi servilmente durante tantas décadas por obra e graça de comunistas vestidos de bispos.

Aos primeiros, melhores e mais convincentes dos professores, os pais.

Que educam na mais adequada das escolas, o lar.

E aos que ajudam a educar sem a presunção de querer tomar o lugar da família, ou pior ainda, tomar os filhos dos pais.

Como teríamos tido conhecimento da íntegra dos pronunciamentos do Pastor Piragine Jr, do Arcebispo da Paraíba, e das homilias dos Padres Paulo Ricardo e José Augusto?Juntos, estes vídeos já ultrapassam milhões de acessos, enquanto que absolutamente nenhuma rede de tevê os divulgou até o presente momento.

Ludwig von Mises afirmava acertadamente que a história nunca se repete: sempre entra algum ingrediente novo nas circunstâncias, nos motivos ou nos meios. Parece que as esquerdas perderam o seu timing. Ora, ora, que saudades melancólicas daqueles tempos em que se podia fazer uma revolução em paz.

Molly Norris e todos os americanos vivem sob o "Decreto Rushdie," que pune quem quer que seja que desrespeite o Islã, Maomé ou o Alcorão. Zombe de Maomé e ninguém poderá lhe proteger. Políticos locais e nacionais nada tinham a dizer sobre o sofrimento dela. Os jornalistas, normalmente ávidos em protegerem seus colegas, silenciaram.

Condenações de morte recíprocas ressoando entre o Iêmen e os Estados Unidos apresentam um vislumbre sobre as hostilidades na era da internet.