Novo curso de Olavo de Carvalho:

cursoOdeC

Nas livrarias:

novolivroSiga a fanpage do livro 'O Mínimo que Você Precisa Saber Para Não Ser um Idiota'
no Facebook
.


citizengo


SPACÇO DO SPACCA

© Spacca para o MSM


Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32twittericonYoutube_32x32facebook_32Feeds_32x32Mail-32currency_blue_dollar-32

Tive a honra de conceder a don Fernando Londoño, em seu programa "La Hora de la Verdad", realizada ontem pela "Radio Super" da Colômbia. Há poucos dias havia sido divulgado pela rede na Colômbia, a ficha criminal da candidata Dilma Rousseff.

Antes de entrar no tema da edição de hoje, necessito fazer alguns comentários relativos às coisas que postam no Notalatina, a maioria das quais não merece nem respeito e muito menos publicação, e dar alguns avisos.

A Constituição de Alberdi se destaca por sua congruência e clareza de princípios, o que a tornou duradoura. É um exemplo para os latino-americanos que ainda não compreenderam a mensagem deste campeão da liberdade.

Nota introdutória de Heitor de Paola: 
Entendendo que na farsa eleitoral que ora vivemos, a grande perda será o pouco que nos resta de liberdade individual - pois ambos os candidatos, assim como os demais do primeiro turno, são favoráveis ao incremento ilimitado dos controles estatais totalitários sobre os cidadãos - que a própria estrutura do Judiciário e do Legislativo favorecem tais controles irmanados no objetivo de criar um estado onipotente, o Editor deste site acredita que a única contribuição cabível é dar aos seus leitores o exemplo de um homem que lutou toda a vida pela Liberdade e contra o Estado Onipotente. Autor da Constituição Argentina de 1853, a única Constituição liberal na história iberoamericana, que levou o país a ser uma das dez maiores economias do mundo até o início do século XX.

Nenhum pretendido terrorista que tenha depositada em sua casa de família um poderoso explosivo vai mantê-lo lá, depois de um meio de comunicação anunciar a possível invasão de seu domicílio.

Madri, 13 de outubro - Omar Estacio, representando o Colégio de Advogados de Caracas, compareceu ante o Senado da Espanha para denunciar as violações dos direitos humanos do opositor venezuelano, Alejandro Peña Esclusa.

Estacio foi recebido por Iñaki Anasgasti, presidente da Comissão de Assuntos Ibero-Americanos do Senado, a quem foi entregue a documentação que demonstra a violação dos direitos à defesa e ao devido processo no julgamento penal que está em curso contra o dirigente político opositor.

Para o abortista, a condição de "ser humano" não é uma qualidade inata definidora dos membros da espécie, mas uma convenção que os já nascidos podem, a seu talante, aplicar ou deixar de aplicar aos que ainda não nasceram.

O aborto só é uma questão moral porque ninguém conseguiu jamais provar, com certeza absoluta, que um feto é mera extensão do corpo da mãe ou um ser humano de pleno direito. A existência mesma da discussão interminável mostra que os argumentos de parte a parte soam inconvincentes a quem os ouve, se não também a quem os emite. Existe aí portanto uma dúvida legítima, que nenhuma resposta tem podido aplacar. Transposta ao plano das decisões práticas, essa dúvida transforma-se na escolha entre proibir ou autorizar um ato que tem cinqüenta por cento de chances de ser uma inocente operação cirúrgica como qualquer outra, ou de ser, em vez disso, um homicídio premeditado. Nessas condições, a única opção moralmente justificada é, com toda a evidência, abster-se de praticá-lo.

Um erro garrafal do presidente Uribe foi não haver publicado todos os correios eletrônicos que comprometem Lula e muitos dos funcionários oficiais do Brasil com as FARC.

O prontuário criminal de Dilma Rousseff, candidata presidencial do Brasil, obtém a conexão de Lula com terroristas das FARC e deixa muito o que pensar acerca da continuidade da agressão do Foro de São Paulo e dos demais cúmplices das FARC em seu complô contra a Colômbia.

Aborto nunca foi questão de saúde pública e sim de injustiça entre dois pacientes saudáveis (ou não) onde o mais fraco e indefeso, que é o bebê, é arrancado fora.

Em entrevista ao Jô Soares (26/08/2008), Dilma Rousseff disse acreditar que, assim como ela, não exista mulher que não tenha desejado ser bailarina. Não consigo visualizar Dilma na ponta dos pés, de sapatilha rosinha e uma delicada saia de tule. Nem mesmo na sua infância. O que me atrapalha são frases como a do próprio entrevistador Jô Soares que ao ouvir sobre o sonho da candidata de ser bailarina na infância logo emenda comentando que ela passa uma imagem de "durona".

Quem quer que use a linguagem da contradição estupefaciente desqualifica-se no ato, não só como pregador da doutrina de Cristo, mas como simples interlocutor honesto e digno de crédito.


O estilo é o homem - e a distinção estilística fundamental, nos debates públicos, é entre a linguagem que apela à experiência pessoal do leitor e aquela que visa a produzir uma impressão direta, pela pura carga semântica das palavras - e dos jogos de palavras --, omitindo ou até bloqueando o acesso à experiência.

Está tudo documentado. O aborto é parte da agenda petista (da esquerda inteira, de fato). Abortar contribui para demolir o sistema patriarcal inerente à civilização judaico-cristã e capitalista etc. A legalização do aborto é objetivo votado e aprovado em assembléias partidárias.

"Eu acho que tem de haver a descriminalização do aborto. É um absurdo que não haja a descriminalização". Dilma Rousseff disse isso em outubro de 2007, para a Folha de S. Paulo.

"Abortar não é fácil pra mulher alguma. Duvido que alguém se sinta confortável em fazer um aborto. Agora, isso não pode ser justificativa para que não haja a legalização. O aborto é uma questão de saúde pública", reiterou Dilma à revista Marie Claire, em abril do ano passado.

Definidas as pretensões hegemônicas pelos principais interessados, resta apenas especular sobre quais seriam as "reformas importantes" propostas à nação pelo futuro Congresso Nacional dominado pela Frente Ampla Esquerdista de Lula, Dilma et caterva.

Com a possível ascensão de Dilma Rousseff à presidência da República neste segundo turno, ainda indefinido, mas tendo como certa a conquista da maioria parlamentar, pelo atual governo, nas duas Casas do Congresso Nacional, a pergunta que se torna obrigatória é a seguinte: quanto tempo vai levar para que se estabeleça no Brasil, sem disfarces, a prolongada ditadura da esquerda - radical ou não?

Jovem entra em contato com blog Julio Severo sobre suas experiências eleitorais em defesa da vida.

Olá Julio, tudo Bem?

Um prazer enorme falar com você.

Eu acompanho teu blog há um bom tempo, e compartilho o que tem acontecido em nosso país. As tentativas de legalizar a iniquidade na nossa nação, e a promoção de um PLC 122 que vem ferir nossos princípios, nossa fé, mediante um grupo de cidadãos autoritários.

É curioso: tentam sempre entender o lado dos criminosos, das minorias, dos terroristas, dos pobres, mas jamais vi que tentassem entender os motivos dos conservadores, da classe média ou dos "fundamentalistas cristãos".

Enquanto aguardava uma consulta médica, meus olhos caíram sobre uma revista chamada "American Prospect". É uma revista progressista americana. A edição, como é natural em salas de espera, era de vários anos atrás, mais precisamente dois anos atrás, logo antes da inauguração de Obama. O título exultava com o fim da era Bush, e perguntava: "O que fazer para resolver os problemas da América e salvar o mundo."

Desnecessário dizer que a manchete, como a reportagem, era absolutamente séria, sem qualquer pingo de ironia.

Quem é a favor do aborto coloca outros valores acima da vida humana, e derruba uma cerca inteira para a entrada do pensamento totalitário, para a revolução, para a recusa aos valores tradicionais. Por outro lado, ninguém precisa ser cristão para ser contra o aborto. Basta usar a cabeça com um mínimo de bom senso e respeito a si mesmo e ao próximo.

Até o dia 3 de outubro era mais fácil encontrar-se um esquimó surfando em Copacabana do que um petista que fosse contra o aborto. Claro que eles existiam, mas raramente emitiam um pio sobre o assunto. A defesa do aborto, dentro do partido, é cláusula pétrea, reiteradamente pétrea. Ser contra o aborto suscita pedidos de excomunhão das hostes partidárias, como aconteceu com uns dois ou três deputados federais que se meteram a criticar seus pares e a reprovar as decisões que tomavam a esse respeito. Esses parlamentares foram condenados a penas de suspensão, uma espécie de silêncio obsequioso ao longo do qual o filiado, entre outras coisas, não pode fazer discurso em nome do partido, participar de comissões nem votar em instâncias partidárias. É o que acontece com quem se mete a reprovar o aborto e seus defensores dentro do PT. A poderosa Secretaria de Mulheres, uma espécie de dicastério, para continuar as analogias semânticas com a Cúria Romana, chegou a pedir, por esse motivo, a expulsão do deputado Bassuma, que acabou se desfiliando do partido.

Minta quanto mentir o Datafolha e demais institutos de pesquisa, que não conduzirão os votos dos eleitores, agora perfeitamente alertados contra as manipulações e tramóias desses institutos.

A Folha de São Paulo de hoje traz a primeira pesquisa depois das eleições do primeiro turno. E, de novo e de novo, retoma a sua ladainha mentirosa de que Dilma Rousseff está ganhando, com vantagem acima da margem de erro. Esses números não passam de propaganda eleitoral. Saíram das mesmas pranchetas que davam a vitória à candidata de Lula no primeiro turno.

A fiscal Ángela María Buitrago começa dizendo em sua sentença que os senhores do M-19 estavam no Palácio da Justiça. Não! Assaltaram o Palácio, o que é muito diferente. Diz que o M-19 reteve alguns magistrados. Não! Os seqüestrou. Diz que os guerrilheiros tiraram a vida de algumas pessoas. Não! Massacraram-nas.

O coronel Plazas Vega pede que a Interpol identifique os cadáveres pelo DNA. O coronel (R) Alfonso Plazas Vega, que participou da recuperação do Palácio da Justiça tomado por guerrilheiros do M-19 em novembro de 85, faz uma surpreendente afirmação nesta reportagem: "O comandante da tomada, Luis Otero, um dos fundadores desse grupo, conseguiu escapar com vida". E o oficial da reserva acredita que ainda está (vivo). "É preciso procurá-lo".

Só o aborto, denunciado assim de última hora, já foi capaz de mobilizar um número suficiente de cristãos católicos, evangélicos e espíritas para que o 2º turno viesse a se tornar realidade. Não obstante, há muitas outras ignomínias praticadas pelo PT que precisam ser destacadas.

O que pode parecer mais absurdo e patético do que ver uma guerrilheira maoísta correr sôfrega aos canais televisivos para afirmar-se como a primeira entre as papa-hóstias? Será que mesmo a um néscio não lhe estranharia conciliar seu andar e modos de orangotango e sua fala de comissário soviético com a meiguice terna de uma respeitável senhora cristã? Terá sido impressão minha, ou serei só eu que a tenho observado revirar os olhos, assim, em sinal de "haja saco...", antes de interpretar qualquer papel de mulher honesta?