SPACÇO DO SPACCA

vspacca

© Spacca para o MSM



Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32 twittericon Youtube_32x32 facebook_32 Feeds_32x32 Mail-32currency_blue_dollar-32

Nós certamente não estamos no controle político do Iraque. Se estivéssemos, não teríamos concordado com o desejo do governo iraquiano em nos ver partir. Por acaso César se importava com o desejo popular da Gália?

 

Esse é o fim. Os Estados Unidos estão saindo do Iraque.

Estou firme no campo que vê isso como um equívoco estratégico. A democracia iraquiana é frágil, e o desejo do Irã em subvertê-la é forte.

Além disso, anunciar nossa retirada é uma forma esquisita de responder a um frustrado plano iraniano para cometer um ato de guerra na capital dos EUA. Obviamente, espero estar errado e que o presidente Obama não esteja desperdiçando nossos enormes sacrifícios no Iraque em virtude de preocupações políticas domésticas e inépcia diplomática.

O intérprete, na maior inocência, esqueceu de traduzir a segunda metade da frase, e foi essa frase incompleta, sem a ressalva essencial, que ganhou o mundo pela reprodução da mídia. ("Soldado israelense diz que ficaria feliz com libertação de palestinos", etc., etc.).

 Seqüestrado na Faixa de Gaza em junho de 2006 pelo Hamas, o soldado israelense Gilad Shalit, na época com 19 anos, vinha sendo usado desde então como moeda de troca pelo bando empenhado em matar judeus, que passou os últimos cinco anos escarnecendo os familiares e compatriotas do refém.

Um desses atos de deboche foi colocar um sósia do israelense para desfilar pelas ruas de Gaza, algemado e cercado por homens encapuzados, enquanto o povo ria da palhaçada. Em outra ocasião, a televisão do Hamas exibiu um desenho animado em que o soldado choramingava no cativeiro, chamando a mãe, sendo avisado por um menino árabe que Israel não se importa com ele.

Apenas um tentáculo partidário do PT,  um pólo de agitação revolucionária insandecida. O psicólogo e policial Luciano Garrido apresenta um dossiê completo sobre aquilo em que se transformou o Conselho Federal de Psicologia.


"Se a liberdade significa alguma coisa, será sobretudo o direito de dizer aos outros o que eles não querem ouvir" George Orwell

 O Conselho Federal de Psicologia – CFP perdeu o rumo. Movido por um forte ativismo ideológico, o órgão passou a negligenciar sua verdadeira missão institucional.  A atual gestão, presidida pelo Sr. Humberto Verona, tem pautado suas ações por uma agenda política totalmente alheia aos interesses profissionais dos psicólogos. O “movimento cuidar da profissão”, cuja chapa saiu vencedora na última eleição do CFP, manifestou à época apoio integral à candidatura Dilma Rousseff, elaborando inclusive um abaixo-assinado (veja aqui), que é uma verdadeira ode ao governo petista. Ao invés de cuidar da profissão, o que o movimento tem feito é cuidar dos próprios “companheiros”. Não é por outro motivo que a atuação do CFP, em diversos momentos, tem apresentado contornos claramente partidários. Contra esse aparelhamento político dos conselhos de psicologia do país, a Lei 5.766 de 1971 é bastante taxativa ao definir suas atribuições:

 “Ficam criados o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia, dotados de personalidade jurídica de direito público, autonomia administrativa e financeira, constituindo, em seu conjunto, uma autarquia, destinados a orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de Psicólogo e zelar pela fiel observância dos princípios de ética e disciplina da classe.” (Capítulo I – Dos Fins, art. 1º, grifo meu).

Quem os doutrinou para crer que qualquer desafio às suas convicções é crime e não pode ser tolerado nem por um minuto?

Saudosos tempos aqueles em que os jovens esquerdistas investiam galhardamente contra cavalarianos armados de sabres! Atualmente eles se reúnem às centenas para intimidar um homem só, minoria absoluta no Congresso, e se acham uns heroizinhos por isso. Ou, montados no apoio do Estado e de ONGs bilionárias, se articulam maquiavelicamente para cortar os meios de subsistência de um pai de família que, perseguido e acuado em sua terra, vaga de país em país com a mulher e quatro filhos, rejeitado e humilhado por toda parte, sem ter onde cair morto.

Quem quiser conhecer a alma da juventude militante hoje em dia, dê uma espiada nos sites http://pheeno.com.br/lifestyle/video-vaiado-bolsonaro-deixa-universidade-de-camburao e http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/ noticiasfaltantes /perseguicao-anticrista/12426-ativistas-gays-cortam-a-conta-de-julio-severo-no-paypal.html.

If the Arabs had accepted the 1947 partition plan and had not invaded the nascent Jewish state ... they could be celebrating their country’s 63rd anniversary of peace…
FLAME (Facts and Logic About the Middle East), na revista Human Events.

Desde Truman os presidentes americanos vêm gastando muito tempo, esforços e capital político e diplomático tentando inutilmente fazer a paz entre Israel e os so-called palestinos. Certamente o camaleônico Obama também fracassará. A hostilidade árabe ao povo judeu antecede de muito esta data, sendo que a dos árabes muçulmanos – a maioria - data de 624, quando os Judeus de Yastrib, atual Medina, recusaram a conversão e ainda riram dos parcos conhecimentos do analfabeto Mohamed sobre as Escrituras Sagradas. Espertamente Mohamed mudou as mensagens do Corão, até então tentando a conversão dos judeus, ordenando que os muçulmanos se voltassem em suas preces, não mais em direção a Jerusalém, mas para Meca. De quebra, destruiu uma tribo judaica e tomou suas propriedades, inclusive as mulheres.

A Liga Árabe jamais acreditou em um estado palestino independente: a Jordânia já tinha anexado a Margem Ocidental, a Cisjordânia, e Gaza estava em mãos egípcias. Ao criar a OLP seu propósito era poder cruzar a fronteira de Israel para conduzir ataques dentro de seu território, sem que fosse possível a ONU ou qualquer país responsabilizar as nações componentes da Liga por aqueles ataques.

Não é por acaso nem pura coincidência que a erroneamente chamada “primavera árabe” coincide com o pedido de reconhecimento de uma nação palestina pela ONU ainda nesta semana [1] (N do E: este artigo foi publicado no site do autor no dia 22 de setembro). É impressionante e deprimente como se comportam alguns judeus, tanto em Israel como na Diáspora – e alguns goym sionistas – ao entoar loas a uma falsa primavera que, como já afirmei antes, pode se transformar em inverno – ou num verdadeiro inferno para Israel e o povo judeu. Parecem tomados por uma crença delirante de que o que vier depois só poderá ser melhor. Também defendo a liberdade, não necessariamente a democracia, este conceito amplo e nebuloso como o leito de Procusto, e o fim de ditaduras. Mas não se trata disto agora e sim de defender a própria existência de Israel e a integridade física de seus habitantes.

UnoAmérica está estudando as ações legais que empreenderá, tanto na Bolívia quanto nas instâncias internacionais, para denunciar a atuação da justiça boliviana neste caso.

Bogotá, 24 de outubro - Ignacio Villa Vargas, cognome “O Velho”, apresentado pelo governo boliviano como a “testemunha-chave” no denominado caso “Terrorismo I”, declarou na quarta-feira passada ante o juiz 5º de Instrução Pública Penal, que foi obrigado pelo Ministério Público a plantar provas e incriminar pessoas [1].

Durante a audiência conclusiva do processo, Villa Vargas também acusou o promotor Marcelo Soza de haver-lhe seqüestrado e de ameaçar a sua família.

“O Velho” foi a mesma testemunha que dois anos atrás - sob as pressões agora reveladas - afirmou que o delegado de UnoAmérica na Argentina, Jorge Mones Ruiz, teria mantido uma reunião na cidade boliviana de Santa Cruz com o líder de um suposto grupo armado, Eduardo Rozsa, morto em uma violenta operação policial realizada no Hotel Las Américas.

Como pode “cessar a confrontação armada” se já não há atividade armada? Pois é muito simples: porque é tudo mentira.

Dizem que ETA deixou as armas. Nada mais falso. Dizem que deixou a atividade armada. Mentira. Dizem que deixou de matar. O mesmo que nas onze tréguas anteriores: enquanto lhes convenha. Dizem que desta vez a trégua é definitiva. E quando não foi? Que trégua não se apresentou como sincera? Que cessar fogo não se disfarçou de definitivo e irrevogável?

Ofende à inteligência que quase ninguém queira reparar na literalidade desta parte do comunicado com duas frases absolutamente contraditórias: “ETA decidiu o cessar fogo definitivo de sua atividade armada. ETA faz um chamamento aos governos da Espanha e da França para abrir um processo de diálogo direto que tenha por objetivo a resolução das conseqüências do conflito e, assim, a superação da confrontação armada” [1].

O escândalo do Ministério dos Esportes, com a revelação de alto esquema de corrupção que envolve a pessoa do ministro Orlando Silva e o governador do Distrito Federal (e ex-ministro), Agnelo Queiroz, revela um padrão. Desde que assumiu o governo o PT degradou a ação política e fez do poder de governar um instrumento para assaltar o Tesouro. Seja diretamente, seja pela "base aliada".

O Estado brasileiro, que representa a Nação, está aviltado. As autoridades responsáveis fingem quem nada acontece, escondem-se em biombos jurídicos ridículos. A presidente é a primeira a acobertar o malfeito, ao menos enquanto não escolhe o sucessor da mesma gangue para continuar a roubalheira.

Não é possível ser condescendente com essas ações, pois tornam a diplomacia inútil e a lei do mais forte o fator de decisão entes as nações, como foi a regra na primeira metade do século XX, de triste memória.

Em resposta aos meus vídeos sobre os acontecimentos na Líbia, gravados no calor da hora, recebi várias manifestações de incompreensões do meu ponto de vista, como se a mensagem não estivesse contida no próprio meio em que foi soprada. Dois tipos de pessoas me criticaram. De um lado, os jacobinos de alma, aqueles que estão sempre prontos para a subversão se o governante não passou pelos ritos da democracia de massa, como se só o voto universal legitimasse o exercício do poder. Essa tese é de uma cegueira atroz e não tem respaldo na ciência política séria. Fosse assim a China não seria um Estado legítimo, ditadura comunista de partido único fechada que é, um exemplar acabado do marxismo-leninismo. Não obstante meu nojo pelo comunismo, digo e repito que a China tem um sistema governante legítimo, pois é internamente aceito, assim como externamente. Nenhum governante se mantém contra a vontade de seu povo.

Nota da tradutora: Na última frase do penúltimo parágrafo da carta abaixo, o general parecia estar fazendo uma premonição ao escrevê-lo em 19 de outubro, pois na madrugada do dia 21 em um ataque das FARC dez militares perderam a vida, num total de 21 assassinados somente na semana que passou.

No mesmo dia as FARC destruíram com cargas explosivas a infra-estrutura petroleira do Norte de Santander. Este foi o 102º ataque nesse estado, somente este ano.

Os jornais informam que estas estão sendo as eleições mais violentas em 8 anos (quer dizer, período que governou Álvaro Uribe) e que 41 candidatos foram ameaçados e 87 estão sob custódia no país pelas mesmas razões. No dia 30 de outubro celebram-se as eleições municipais para prefeitos e vereadores, e certamente as FARC já têm planos de mais ataques até essa data.

democracy-in-america-alexis-de-tocquevilleCaminharemos para a servidão, como dizia Tocqueville “até que cada nação seja reduzida a nada além de um rebanho de animais tímidos e trabalhadores, cujo pastor é o governo”?

Um colóquio me fez refletir a respeito dos estereótipos mais comuns de várias opiniões deste país. Uma amiga minha muito inteligente, e, como ninguém é perfeito, crédula nos princípios socialistas, ficou particularmente furiosa com minha provocação. Eu fiz a seguinte pergunta: Sabe qual a diferença entre um coronel nordestino e Fidel Castro?” Resposta: “Fidel Castro tem muito mais poder!” Pronto! Minha doce a sábia criatura me fuzilou com aquele olhar inquisidor digno dos expurgos soviéticos. O curioso foi a justificativa de minha amiga, como, aliás, sempre ouço dos meus amigos socialistas, que é o cânone da mania cubana: o governo cubano “dá” educação, alimentação, saúde, segurança, entre outras maravilhas do Éden caribenho. E ela finalizou, entre o sereno e patético, tal como uma filha que fala de um pai: “Fidel sabe o que faz!”. Se os intelectuais do século XVIII inventaram o mito do “bom selvagem”, o século vinte inventou o mito do “bom ditador”.

Pouco importa qual área do conhecimento ou dimensão da vida humana. Psicologia, educação, saúde, economia ou direito. Está cada vez mais claro: todas as campanhas da esquerda têm um fim comum: bestializar o ser humano.

Prezados leitores,

As diversas manifestações que hoje percebemos no mundo nos permitem traçar, a esta altura dos fatos, um paralelo demonstrativo entre os valores consagrados pela tradição judaico-cristã, formadora da civilização ocidental, e tudo aquilo que se situa em volta do que vou chamar aqui simplesmente de socialismo.

Para a compreensão deste texto, necessário se torna ao leitor não iniciado compreender o socialismo como essencialmente uma cultura de negação. Isto se dá porque, embora reivindique a formação de um corpo doutrinal fundamental, a utilização de estratégias de aliciação e de destruição psicológica das nações ocidentais se vale de um número infindo e não poucas vezes francamente contraditório de conceitos e ideias, que acabam se fundindo num amálgama irreconhecível, daí a dificuldade dos cidadãos, mesmo os que se dizem mais letrados, de reconhecer as suas origens e os seus propósitos.

-ivar-giaeverIvar Giaever, Prêmio Nobel de Física 1973 renunciou à famosa American Physical Society (APS) em 13 de setembro de 2011 como forma de condenar a posição oficial da associação sobre o aquecimento global.

Giaever é professor emérito do Rensselaer Polytechnic Institute, em Troy, Nova York, e da Universidade de Oslo.

Em 2007, a APS adoptou uma declaração oficial segundo a qual as atividades humanas estão mudando o clima da Terra.

“As evidências são incontestáveis: O aquecimento global está ocorrendo”, afirmava o documento repelido pelo Prêmio Nobel.

A Dra. Judith Reisman, médica residente da Universidade Liberty e autora de vários livros sobre o assunto da sexualidade, disse ao WND que vacinas contra DSTs são simplesmente “ataques à humanidade, principalmente aos jovens”.

De acordo com noticiários americanos, entre outras complicações sofridas por meninas vacinadas estão a Síndrome de Guillain-Barré e a paralisia de Bell.


Poucos dias após o a questão da controversa vacina Gardasil voltar às manchetes por causa dos debates entre os presidenciáveis republicanos, um novo relatório sugere que os efeitos colaterais, que incluem artrite reumatoide, podem ser em razão de uma contaminação da vacina.

Foi publicado um artigo na revista Investigate Hers, da Nova Zelândia, que citou o trabalho de vários analistas e médicos a respeito dos efeitos colaterais da droga, produzida pela empresa Merck.

Live score