Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32twittericonYoutube_32x32facebook_32Feeds_32x32Mail-32currency_blue_dollar-32

O artigo primeiro do projeto presidencial em tramitação no Congresso começa com uma mentira, ao alegar a necessidade de uma reconciliação nacional. Mas isso é o que a anistia já fez!

O Joãozinho é aquele menino das anedotas. Quando quer algo, azucrina tanto, tanto, tanto, atormenta de tal modo quem se antepõe a seus anseios que acaba conseguindo o que deseja. Pois tenho me lembrado do Joãozinho quando vejo a insistência de setores da esquerda em pautas como aborto, supressão de símbolos religiosos, limitação da propriedade da terra e revisão da lei da anistia. Não têm suporte legal, a opinião pública rejeita-lhes as teses, o STF as declara inconstitucionais, mas pouco se lhes dá. Encanzinados, criam ONGs, comissões, conselhos e até ministérios inteiros. Mobilizam as "bases", extraem aqui e ali decisões judiciais que não resistem à primeira contestação, mas vão angariando apoios, sempre pressionando, até a exaustão. Dos outros.

Todos sabemos que os ineptos governantes tiveram todo tempo para agir e nada fizeram de forma preventiva. São homicidas. Mais que homicidas, ceifadores do futuro dos sobreviventes.

"Ô, Zeca, tu tá morando ond'é, Zeca?...
Olha rapaz, eu tô morando na sola do pé..."
Zeca Pagodinho

Escrevo porque vi agora uma foto de capa da Folha de São Paulo de hoje. A senhora Monica Cardoso, num flagrante pungente, chora de forma dolorida e desesperançada e no seu chorar expressa a dor de todas as perdas e o desamparo dos desvalidos que, como ela, perderam tudo. Teve que sair de sua casa para sobreviver. A sua dor foi o preço que pagou para sobrevivência. Centenas de outras pessoas não tiveram a escolha e pereceram.

Enquanto o terrorismo esquerdista renasce na Europa, Lula protege Batistti e Dilma honra suas parceiras de subversão ao tomar posse.

Nesta quadra festiva, que se encerrou com o dia de Reis, muitos se deixam envolver pelo clima de euforia, descontração e até de imprevidência, que normalmente cerca as comemorações da chegada de um novo Ano.

A expansão da advocacia no Brasil tem menos a ver com a democratização do país do que com a própria expansão do Estado em vários setores da vida privada.

Um chavão comum reverberado por muitos juristas e advogados espalhados em nosso país é a de que a expansão da advocacia é uma consagração da democracia e do Estado de Direito. Faculdades pipocam por toda a nação para atender à procura desenfreada do direito e as escolas preparatórias de concursos pagam relativamente bem a professores, que ora são bacharéis, advogados, juízes, promotores, funcionários públicos. A crença comum se generaliza na hipótese de que a busca de conhecimentos jurídicos forma cidadãos mais conscientes de seus direitos, enquanto o aumento do número de advogados no mercado implicaria um amadurecimento da sociedade e do judiciário no quesito da resolução de problemas através da legalidade. A própria OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) quase sempre se arroga a fiel defensora da democracia e das leis! A "democracia", a "cidadania", os "direitos humanos", a "luta pelo direito", enfim, o "direito", são figuras de linguagem que dominam o palavrório vazio e pomposo, tanto dos acadêmicos de direito, como dos seus operadores.

Entre um gole e outro, Juan Manuel Santos calma e descaradamente confessa: sua agenda política é de esquerda.

No último fim de semana foi publicado neste periódico uma interessante reportagem que a ex-candidata vice-presidencial do Polo Democrático, Patricia Lara, fez com Juan Manuel Santos durante a viagem que ele realizou à Brasília para celebrar o ano novo e, ao mesmo tempo, assistir a posse de Dilma Rousseff. Trata-se da mais importante entrevista com o Presidente, desde o dia de sua posse. E embora tenha tratado de ser algo ameno, entre whisky e whisky, salmões, bons vinhos, filmes de ação, biografias de grandes traidores e elegantíssimos bailes ao melhor estilo Pastrana, a jornalista conseguiu alguns elementos que põem de manifesto as características da personalidade do mandatário.

A crise dos trabalhadores em educação é uma responsabilidade deles mesmos e das ideias que abraçam.


Houve um tempo, longo tempo, tempo que cruza os séculos, em que o professor era símbolo de autoridade no pequeno e gigantesco espaço da sala de aula. Note-se que autoridade é um atributo moralmente superior ao poder, mas, quando fosse necessário, a valiosa autoridade do professor, fundada no saber e na conduta, vinha respaldada por poder. Nas últimas quatro décadas, infelizmente, a educação brasileira foi atacada em dois flancos pela esquerda delirante. E tanto a autoridade quanto o valor econômico e social do trabalho dos professores, reconhecidos há milênios em todas as civilizações, desabaram fragorosamente em nosso país.

Os rivais do conservadorismo sabem que, apesar de que a presença midiática que se outorga às posições conservadoras é mínima, seu peso social é muito maior.

A agressividade contra o conservadorismo que manifestam boa parte dos esquerdistas, muitos progressistas e grande número de secularistas, parece desproporcional.

Um observador de fora se surpreenderia tanto com a virulência e constância com que ataca-se o gigante conservador nos meios culturais, sociais e de comunicação, que se perguntaria de imediato: onde está essa tremenda besta para que tenham que lhe disparar com armamento tão pesado?

Um povo que aceita perder uma fatia de sua liberdade em troca de segurança, não merece ter nem liberdade, nem segurança.
Benjamin Franklin

O Tea Party é tão simples que chega a ser bobo. Assim denominado por causa da revolta dos Americanos contra a usurpação tirânica do sonho e estilo de vida Americanos, 'taxation without representation' foi somente o estopim da aguda guerra cultural de 1773, e agora representa com exatidão o espírito do Movimento Tea Party de 2010.
Ted Nugent

Por mais que o Tea Party seja um movimento caracterizado por passeatas pacíficas, e por outro lado, as ligações da esquerda americana com grupos terroristas sejam uma constante há décadas, não importa. Para a grande imprensa, a ligação entre um assassino fã de Karl Marx e a direita é algo  óbvio, elementar.

Proliferando como petistas em repartições públicas, as faculdades de jornalismo já são milhares em nosso país, despejando profissionais em quantidade superior à que o mercado pode empregar. As redações estão lotadas e os currículos se amontoam nos recursos humanos. Jornalista solidário que sou, ofereço agora um breve manual para ajudar meus colegas a arranjar emprego no promissor ramo do jornalismo internacional.

A única evidência que temos de que os políticos esquerdistas amam os pobres é que eles sistematicamente apoiam políticas que criarão mais pobres.

Os esquerdistas nunca se cansam de discutir sua própria generosidade, particularmente quando exigem que o governo tome à força o dinheiro que você ganha com tanto suor para financiar preguiçosos funcionários governamentais supervisionando contraprodutivos programas governamentais.

Eles parecem ter substituído "Deus" por "governo" em frases bíblicas como "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento." (Mateus 22:37 ACF).

Dilma Rousseff nada tem a dizer porque ela é um conjunto vazio e um ser incapaz de se comunicar de forma clara.

É verdade que as calamidades recentes de São Paulo e do Rio de Janeiro, trazidas pelas chuvas, com centenas de mortes, em parte foram determinadas por fenômenos naturais incontroláveis, mas em parte foram determinadas pela incúria governamental, sempre incapaz de prevenir qualquer enchente. Não faltam guardas nas esquinas para multar motoristas incautos fundados na lei injusta, verdadeiras ações de expropriação. Mas um mínimo sistema para avisar os motoristas de enxurradas esses governos são incapazes de realizar. Muita gente morreu de forma estúpida e perfeitamente evitável se os governos fizessem sua parte.

O grande legado de Dom Manoel Pestana Filho foi a criação do Pró-Vida de Anápolis.

Dom ManoelDesejo escrever melhor em outra ocasião, mas não quero deixar este momento em branco. No sábado passado, 8 de janeiro, por volta das 9 horas, faleceu Dom Manoel Pestana Filho, em Santos (SP). A Providência Divina quis que ele morresse na mesma cidade onde nascera e fora ordenado Bispo. Estava lá de viagem, em visita a seus familiares e amigos. Faleceu no convento das irmãs da Toca de Assis, antes que pudesse retornar a sua casa em Anápolis (GO). O motivo da morte parece ter sido um enfarto.

Bispo Diocesano de Anápolis de 1979 a 2004, Dom Manoel conseguiu atrair a sua diocese do Centro-Oeste brasileiro gente de toda a parte. Ouvia-se dizer que lá havia um Bispo corajoso, fiel ao Magistério, obediente à Igreja. Fora apelidado "um novo Atanásio" por Dom Marcos Barbosa, monge beneditino do Rio de Janeiro.

Como podemos saber se eles estão dizendo a verdade apenas baseando-nos no fato de gostarmos do que eles estão dizendo?

De todas as revelações do WikiLeaks, a mais fascinante é a que revela que vários líderes árabes exortaram o governo americano a atacar as instalações nucleares iranianas. Mais notoriamente, o Rei Abdullah da Arábia Saudita solicitou a Washington que "cortasse fora a cabeça da cobra". De acordo com o consenso quase universal, essas declarações desmascaram a política dos sauditas e de outros políticos.

O homem precisa descobrir novamente o contato com o transcendente, com o Deus de nossos pais.

Quando li pela primeira vez, por volta dos trinta anos, o opúsculo de Jung RESPOSTA A JÓ sofri um choque soberbo. Até então me considerava ateu e nunca havia levado a sério nem a teologia e nem as Escrituras. O livro de Jung teve o poder de descortino duplo: de um lado, mostrou que meu ateísmo não passava de ignorância tola; do outro, me dava uma resposta racionalista ao drama da encarnação. Se esse pequeno livro não me viesse às mãos meus interesses intelectuais teriam sido outros e certamente eu seria hoje outra pessoa.

Cada vez mais instituições de nível universitário estão tendo como mira os estudantes domésticos, depois que estudos frequentemente mostraram que as crianças que estudam somente em casa tendem a superar as crianças da mesma idade que estudam em escolas convencionais.

PURCELLVILLE, Va., EUA, 4 de janeiro de 2011 (Notícias Pró-Família) - Num novo estudo anunciado hoje o Instituto Nacional de Pesquisa sobre a Educação Doméstica (INPED) estima que haja mais de 2 milhões de crianças sendo educadas somente em casa nos EUA em 2010.