Una disfunción eréctil puede ser el resultado de afecciones y enfermedades, medicación o estilo de vida. En primer lugar, es un problema físico. A menudo, factores psíquicos como el estrés y el miedo ayudan a mantener o empeorar los problemas eréctiles. Comprar viagra generico en barcelona saber cuál es el medicamento ideal para usted depende de diferentes factores. L'excitation sexuelle masculine est un processus complexe qui implique le cerveau, les hormones, les émotions, les nerfs, les muscles et les vaisseaux sanguins. La dysfonction érectile peut résulter d'un problème avec l'un de ces. De même, le stress et la santé mentale préoccupations peuvent causer ou aggraver la dysfonction érectile. Où commander cialis sans ordonnance vous avez trouvé une #pharmacie en ligne ici http://trendpharm.com/ #cialis. Lorsque des problèmes se produisent dans la chambre, les émotions peuvent exécuter élevé. Si vous avez commencé à éviter les rapports sexuels par crainte de ne pas obtenir une érection, votre partenaire peut commencer à vous pensez ne trouvent plus attrayants. Sentiments se blessent. En couple commencent à se sentir moins intime. Le ressentiment se insinue.

 


SPACÇO DO SPACCA

vspacca

© Spacca para o MSM



Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32twittericonYoutube_32x32facebook_32Feeds_32x32Mail-32currency_blue_dollar-32

Um famoso médico que frequentemente alerta acerca dos perigos das vacinas e que tem preocupação principal com a vacina Gardasil contra o vírus do papiloma humano, lançou dois testemunhos de vídeos dados por moças que foram gravemente prejudicadas depois de receberem a injeção da Gardasil.

O Dr. Joseph Mercola comenta que os dados do Sistema de Registro de Efeitos Colaterais das Vacinas (SREC) do governo americano indicam que a Gardasil está ligada a 49 mortes súbitas, 213 invalidezes permanentes, 137 registros de displasia do colo do útero, 41 registros de câncer de colo do útero e milhares de registros de efeitos colaterais, abrangendo desde dores de cabeça e náuseas até erupção de verrugas genitais, choque anafilático, epilepsia tonicoclônica generalizada, espumação pela boca, coma e paralisia.

A mídia alternativa nunca foi um refúgio de excluídos e marginalizados: foi um pseudópodo lançado pela esquerda dominante desde a chefia dos grandes jornais, um instrumento auxiliar na longa luta dos comunistas brasileiros pelo domínio monopolístico dos canais de informação.


Ainda a propósito da chamada "imprensa nanica" dos tempos da ditadura, duas notas:  

1) Tão logo publicados os meus artigos sobre o assunto, a leitora Míriam Macedo teve a gentileza de me enviar uma cópia da tese "Preparados, leais e disciplinados: os jornalistas comunistas e a adaptação do modelo de jornalismo americano ao Brasil" (2007), dos pesquisadores Afonso de Albuquerque e Marco Antonio Roxo da Silva, ambos da Universidade Federal Fluminense (http://www.compos.org.br/files/22ecompos09_Albuquerque_Silva.pdf).

A tese confirma integralmente o que eu disse: nunca houve uma fronteira nítida, muito menos um abismo de diferença entre a "grande mídia" e a "imprensa alternativa" no período militar. 

A esquerda tinha poder de mando numa como na outra.

Nota de Julio Severo:
Gente, graças ao apoio de todos vocês, o PayPal foi dobrado. Das dez organizações na mira dos grupos gays que fizeram pressão no PayPal, eu fui o mais atingido, provavelmente porque devem ter pensado que, sendo brasileiro e estando na situação em que estou fora do Brasil, eu era o alvo mais fácil e vulnerável. Mas com a ajuda de vocês, o PayPal vai se dobrar ainda mais. É nisso que dá o PayPal ter tentado agradar radicais ativistas gays: leva cascudo de todos os lados. No final, sobrou para o PayPal, que continua recebendo reclamações e protestos do mundo inteiro.

Para continuar a pressão sobre o PayPal até desbloquear minha conta totalmente, permitindo que eu volte a receber doações, assine a petição: http://www.profamilyfreedom.net/pt/

 

A empresa PayPal devolveu recursos que havia bloqueado em meados de setembro na conta do ativista pró-vida e pró-família Julio Severo depois de uma campanha lançada por homossexuais militantes para eliminar Severo do serviço da empresa.

Depois de várias semanas de artigos desfavoráveis acerca das ações do PayPal em LifeSiteNews e outros veículos de comunicação, bem como uma campanha de abaixo-assinado que coletou mais de 10.000 assinaturas eletrônicas e oferecimentos de assistência legal de várias organizações que defendem os direitos dos cristãos, o PayPal informou Severo de que faria uma “exceção” e liberaria os recursos financeiros dele.

MEC contestará decisão judicial que permite matrícula a menores de 6 anos. Ridículo.

Entrei no primeiro ano do curso fundamental com cinco anos de idade. Aos dezesseis anos, entrei na Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante. Aos 20 anos, num dos raros casos de emancipação por detenção de título de curso de nível superior, estava comandando os quartos de serviço na praça de máquinas do N/M Doceserra. Completei meu aniversário de 21 anos no meio do Oceano Índico.

Aos cinco anos, minha filha já sabia ler e escrever. Ensinamo-a no lar. Aos seis anos, ela ingressou no primeiro ano do curso fundamental e lá mesmo, por seus próprios méritos, a coordenação de ensino do Colégio decidiu transferi-la para o 2º ano.

Caio Fbio

Lula confirmou que teve um encontro com Caio Fábio para conversar sobre o dossiê. Ele disse que, posteriormente, Thomaz Bastos, então advogado da campanha eleitoral do PT, examinou o dossiê, constatando que se tratava de uma fraude. Por isso, segundo Lula, o PT recusou a proposta de compra dos documentos.


A Justiça Eleitoral condenou por calúnia o ex-pastor Caio Fábio D’Araújo Filho (foto), 56, a quatro anos de prisão por ter ajudado a elaborar e distribuir documentos falsos para incriminar a cúpula do PSDB na disputa eleitoral de 1998 contra o PT. Caio, que estava muito próximo de Lula na época, esperava ajudar o PT.

O ex-pastor, que é considerado um guru por blogs sensacionalistas como o Genizah, vai recorrer em liberdade da condenação. Ele nega que tenha sido um dos responsáveis pelo “dossiê Cayman”, como o caso ficou famoso na imprensa. “Não estou nem um pouco preocupado com isso [a condenação]”, disse. “Tenho a consciência absolutamente tranquila.”

A decisão da Justiça teve como base o depoimento de testemunhas e investigações da Polícia Federal do Brasil, da qual participou também o FBI, a polícia federal norte-americana.

Enquanto a Colômbia oficial continua congelada pelos feitiços de Caracas, o próprio Brasil, onde a esquerda governante teve uma atitude cúmplice frente a Chávez e às FARC, começa a se movimentar em outro sentido: Brasília acaba de criar uma “força de vigilância estratégica” destinada a reforçar sua presença na Amazônia.


O ex-presidente Álvaro Uribe faz um grande favor à Colômbia e à democracia do continente americano ao expressar suas inquietudes sobre o que ocorre nestes momentos na Venezuela. Seu diálogo em Bogotá, nesta semana, com líderes da oposição venezuelana reabre, em boa hora, o tema de qual deve ser a posição da Colômbia frente às calamidades que vive o país irmão e frente ao caos que se aproxima. Devemos ignorar esse desastre e deixar que chegue a extremos inauditos ou devemos ajudar os que lutam pela restauração das liberdades nesse país?

A incursão do ex-presidente Uribe nesse terreno era esperada, pois na Colômbia essa temática, desde que Juan Manuel Santos tomou as rédeas do poder, foi transformado em tabu, sobre o qual não se deve pensar, nem falar, nem escrever.

Um neoliberal é um idiota muito útil ao processo revolucionário.


A União Europeia está desorientada. Dantes era constituída por duas grandes famílias políticas: os socialistas e os democratas-cristãos que seguiam a doutrina social da Igreja. Hoje não há democratas-cristãos, ou quase não há, porque já não seguem a doutrina social da Igreja, seguem o neoliberalismo, tendo o dinheiro como principal valor”.
Mário Soares, em : “Se a Europa não muda, terá de haver uma revolução”

Não me lembro da última vez em que concordei com Mário Soares mas desta vez estou de acordo, mas talvez não exactamente pelas mesmas razões. Quando Mário Soares diz que “hoje é tudo neoliberal” (socialistas da Terceira Via incluídos) ele tem alguma razão; mas na medida em que o Neoliberalismo é parte do próprio processo revolucionário que dará vantagem certa à Esquerda totalitária, já não encaramos a revolução como um “se” — como faz Mário Soares —, mas como uma certeza; mas trata-se agora de uma revolução em moldes diferentes e inesperados.

A atriz Dira Paes é contra Belo Monte e a favor das hidrelétricas na Amazônia. Não entendeu? Nem eu...


Eu sei que não se deve exigir coerência de artistas, muito menos de artistas brasileiros, e menos ainda de artistas brasileiros globais. Mas, por favor, Sra Dira Paes, acenda uma vela para Deus, e só depois, outra para o diabo. Não é querer ensinar missa pro vigário, mas é só questão de deixar a imagem do artista descansar, como vocês mesmos dizem. 

Quem quer entender do que estou falando, assistam aos dois vídeos abaixo. No primeiro, a atriz Dira Paes participa do Movimento Gota D'água, fazendo campanha contra a criação da Usina de Belo Monte. Suas aparições estão nos minutos 2:18 e 2:40. No segundo, faz campanha contra a divisão do estado do Pará, do qual destaco interessantíssimo trecho de sua fala, entre os segundos 13 a 17: " - O Pará só perde...perde os rios que mais geram energia..."

Sua fanfarrice sobre o conhecimento de tantos idiomas não evitou que Cole desse conselhos terríveis, como estimular Washington a confiar na Irmandade Muçulmana e a negociar com o Hamas.


É necessário conhecer o idioma árabe para escrever sobre os árabes ou articular-se politicamente no que diz respeito a eles? Sim, tente farejar alguns que aprenderam o idioma, conhecidos como arabistas.

Antony T. Sullivan, por exemplo, usa do expediente de abuso de autoridade na revista Historically Speaking. Ao criticar o artigo, “The Military Roots of Islam” (As Raízes Militares do Islã), escrito pelos dois não arabistas, George Nafziger e Mark Walton, ele escreve: “Como alguém que acredita na importância no que tange à competência no idioma estrangeiro e na tradução precisa de palavras e conceitos estrangeiros para a língua inglesa” – note a sensação de enfatuamento – “Devo confessar minha considerável decepção em relação ao artigo”.

poca RevolucionriaA reportagem da revista Época não passa, em última instância, de um grande desfile dos mitos e mentiras que, ao longo dos anos, foram meticulosamente construídos pela esquerda.



A revista Época dessa semana publicou duas matérias – "Os Arquivos Secretos da Marinha" e "Os Infiltrados da Ditadura" – sobre o regime militar. O objeto das matérias é um conjunto de documentos microfilmados do Centro de Informações da Marinha (Cenimar) que, de acordo com a revista, "revelam o submundo da repressão às organizações de esquerda durante a ditadura militar". O propósito da matéria, pode-se pensar, é o de expor a realidade do combate aos grupos terroristas de esquerda, que atuavam no Brasil desde o início da década de 1960; entretanto, essa esperança ingênua é deliberada e meticulosamente desconstruída em doze páginas de mentiras ruminadas e propaganda pró-esquerda. Abaixo, reproduzo alguns dos trechos mais enviesados da reportagem.

Muito longe de ter resolvido a crise de 1929, o New Deal, de inspiração keynesiana, a prolongou, tornou mais cruel o sofrimento dos cidadãos e contribuiu em grande medida para a eclosão da 2ª Guerra Mundial.


Em sua coluna no Estadão do dia 13 de novembro de 2011, o jornalista Celso Ming perfila tamanho rol de sandices no artigo “Apertar ou desapertar” que quase me vejo sem saber por onde começar a desmascará-las.

Como é que jornalistas feitos e famosos entregam-se à sabujice ideológica em detrimento do dever de dizer a verdade é uma daquelas perguntas dignas de serem feitas a um bom psiquiatra – ou a um bom detetive.

O comunismo continua matando na América Latina.


Nota da tradutora:
O fato a que o autor se refere foi um massacre ocorrido neste sábado (26.11), em que as FARC fuzilaram três policiais e um sargento do Exército seqüestrados há 13 e 14 anos respectivamente, mandando-os deitar no chão e disparando contra suas cabeças. Um deles foi fuzilado pelas costas tentando fugir. As quatro vítimas levaram quase todos esses anos acorrentados em árvores, e no momento do covarde assassinato estavam acorrentados, pois encontrou-se junto aos corpos as correntes que os prendiam às árvores. O seqüestrado mais antigo em cativeiro, o sargento do Exército José Libio Martínez, completaria 14 anos de cativeiro em 21 de dezembro, e sequer chegou a conhecer seu único filho que nasceu depois do seqüestro.

Burke e Johnson e Smith, de suas diversas maneiras, descreveram e defenderam aquelas crenças e instituições que mantêm a tensão beneficente de ordem e liberdade.

 
Parte I

O que Matthew Arnold chamou de “uma época de concentração” paira sobre as nações de língua inglesa. Os impulsos revolucionários e os entusiasmos sociais que dominaram nosso século, desde sua grande explosão na Rússia, são agora confrontados por uma força física e intelectual equivalente. A ideologia fanática tem sido, em essência, rebelião contra a velha ordem moral de nossa civilização. Para resistir à ideologia, certos princípios e usos de ordem têm despertado, como aqueles que se ergueram contra a fúria da inovação francesa depois de 1790. Nós ingressamos em um tempo de reconstrução e reavaliação; reconhecemos um conservadorismo ressuscitado em política e filosofia e letras.

Dilma sempre que ficou sozinha aos microfones falou besteira. Sua fama de administradora deriva unicamente da sua veia autoritária, que tratava funcionários e negociantes com o governo a pontapés.

A coluna do jornalista Fernando Rodrigues, na Folha de São Paulo de hoje, é um exemplo de como se planta notícias e se constrói, em doses homeopáticas, a imagem do governante do dia. Pinço aqui duas informações que foram ali colocadas, absolutamente incompatíveis com a realidade dos fatos:

A presidente Dilma Rousseff já ganhou a batalha da imagem. Mandou embora seis ministros e ficou com a fama de não transigir com o erro. Pouco importa se no miolo de alguns ministérios a bandalha continue ou se alguns outros ministros também já devessem estar no olho da rua. Para efeito externo, a petista é durona e está fazendo uma faxina na política”.

Sem o apoio do movimento comunista internacional, nada do que os jornalistas de esquerda fizeram no Brasil e no exterior teria sido jamais possível.


A denominação mesma de "imprensa nanica" é altamente enganosa. A exposição montada pelo Instituto Vladimir Herzog para celebrar o lançamento da sua série de DVDs auto-hagiográficos deu uma prova fisicamente visível daquilo que as palavras dos entrevistados pareciam negar: o gigantismo da mídia esquerdista no Brasil no tempo  da ditadura.

Só no exterior, foram cento e doze jornais e revistas, mais cento e dez no Brasil – sem contar as publicações acadêmicas e inumeráveis jornais de grêmios estudantis, praticamente todos de esquerda, que multiplicariam esse número por dez ou vinte. Isso não é imprensa nanica. É um império midiático de proporções colossais. Tentem fazer uma ideia do custo global da operação, da extensão da mão de obra envolvida, da quantidade enorme de exemplares produzidos.