cptaec

 


 

Novo curso de Olavo de Carvalho:

cursoOdeC

Nas livrarias:

novolivroSiga a fanpage do livro 'O Mínimo que Você Precisa Saber Para Não Ser um Idiota'
no Facebook
.


SPACÇO DO SPACCA

© Spacca para o MSM

 



Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32twittericonYoutube_32x32facebook_32Feeds_32x32Mail-32currency_blue_dollar-32
Os erros no pensamento de Hawking vão muito mais fundo do que as incoerências e especulações em seu uso da física moderna. Eles implicam interpretação incorreta fundamental acerca das diferenças entre as ciências naturais e as ciências da filosofia e teologia.


Stephen Hawking, professor de física mundialmente famoso, está provocando polêmicas e manchetes ao afirmar em seu livro recente "The Grand Design" (O Plano Magistral) que Deus não é necessário para explicar a existência do universo porque, nas palavras dele, "conforme indicam recentes avanços na cosmologia, as leis da gravidade e a teoria quântica permitem que o universo apareça espontaneamente do nada"."

O intervencionismo impõe diversos obstáculos à criatividade dos indivíduos e, como esta é um fator importantíssimo para o desenvolvimento da economia e da sociedade, provoca atraso econômico, político, cultural e tecnológico. Ao bloquear a criatividade humana, emperra o avanço em todos os setores da vida social.

Intervencionismo e empreendedorismo são estados contraditórios. Não admitem meios termos, da mesma forma que não há meio termo entre chover e não chover: ou está chovendo ou então não está; ou há empreendedorismo ou intervencionismo. Infelizmente, poucos percebem isso e a imensa maioria das pessoas, incluindo muitos empresários, crê que intervencionismo e empreendedorismo podem conviver na geração do progresso.

É esse o homem que hoje, diante de acusações mais que justas - e dirigidas nem mesmo a ele, mas à sua candidata -, choraminga, num show de autopiedade histérica, que levou mais chibatadas que Jesus Cristo e, ao mesmo tempo que clama pelo controle estatal da mídia.

As denúncias que hoje circulam contra o PT, e que tanto enfurecem o sr. Presidente da República, não se comparam, em número e virulência, às que o próprio PT espalhou na mídia e alardeou no Parlamento, ao longo de vinte anos, destruindo ou subjugando as lideranças políticas que pudessem se opor aos seus intentos.


Se hoje um Collor, um Sarney, um Maluf e inumeráveis líderes empresariais beijam a mão do presidente da República (como até o valentão Antônio Carlos Magalhães chegou a beijá-la pouco antes de morrer), é porque o partido dele lhes mostrou quem é o chefe, quem é que manda nesta coisa. E o mostrou a gritos e cusparadas, à força de acusações escabrosas, ameaças e escândalos fabricados, tão numerosos e persistentes que os anos 90 ficariam marcados como a década da bandalheira se depois não viessem o Mensalão, os dólares na cueca, os assassinatos dos prefeitos de Campinas e Santo André, etc. etc., reduzindo a corrupção anterior à escala de roubo de chicletes na cantina da escola.

 

Aparecerão as diretrizes dadas por Lula, Correa, Chávez, Evo, Ortega, Lugo, Mujica, a Kirchner e Fidel a seus subalternos, para manejar com maior discrição as relações com as FARC, sem renunciar ao interesse de meter a Colômbia no Socialismo do Século XXI e legitimar as FARC.

Se os três computadores de Raúl Reyes desataram uma tormenta política no hemisfério, é presumível que os achados por revelar dos computadores de Jojoy e do Puntumayo vão causar muita urticária nos delinqüentes de colarinho branco, que deste dentro e fora do país apóiam, ou apadrinham ou militam no grupo terrorista.

A avalanche de eventos fez com que as árvores não deixassem ver o bosque, e que os meios de comunicação desviassem a atenção após dois golpes de transcendência estratégica e política contra a cúpula das FARC no Putumayo e em Meta com similar importância.

A organização presidida pelo colunista do Mídia Sem Máscara Alejandro Penã Esclusa, preso político do regime chavista, denuncia a farsa das eleições na Venezuela.

Bogotá, 27 de setembro - A União de Organizações Democráticas da América, UnoAmérica, criticou duramente o sistema eleitoral venezuelano "posto que não reflete a vontade popular".

Depois das eleições parlamentares realizadas ontem, UnoAmérica emitiu um comunicado onde expressa: "Não se explica como a oposição, tendo obtido a evidente maioria do voto total (52 por cento), tenha alcançado só um terço dos deputados. Obviamente o sistema está planejado para favorecer indevidamente o oficialismo".

As virtudes exigidas do homem público, como honestidade, transparência, cultura, honradez, seriedade e respeito, estão seriamente abaladas. Nem mesmo o povo mais as reconhece.

Dou uma passeada pelas ruas de Belém e eis que me deparo com a placa do retrato de um cidadão, candidato a deputado estadual aqui em nosso estado. A história desse homem público, médico, é bem nebulosa: foi acusado de abusar sexualmente de uma menina de nove anos de idade. No entanto, a despeito deste indivíduo ter sido condenado a 21 anos de prisão pelo crime, e ser foragido da polícia, o Tribunal Regional Eleitoral deu parecer favorável à sua candidatura. O molestador de crianças agora pode ser eleito de novo, para ter imunidade, com o beneplácito do povo ignóbil.

...Nem todas as guerras podem ser condenáveis no mesmo grau enquanto existirem países e nações preparadas para a destruição sem piedade de outras, estas devem se armar para a guerra (...). Pode parecer paradoxal, mas devemos admitir que a guerra poderia ser um meio inapropriado de estabelecer a tão desejada paz 'eterna'

Sigmund Freud

Resposta à carta de Albert Einstein 'Por que a Guerra?' (1932)

Em 1931 o Comitê Permanente para a Literatura e as Artes da Liga das Nações criou o Instituto Internacional de Co-operação Intelectual destinado a providenciar trocas de cartas entre intelectuais. Convidado, Einstein sugeriu o nome de Freud que prontamente aceitou. Em Julho de 32 Einstein dirige-se a Freud com a pergunta acima, Freud responde em Setembro. Tambores de guerra na Europa já tocavam forte, em Dezembro haveria eleições na Alemanha, onde Einstein ainda morava, o Partido Nazista faria maioria simples no Reichstag e exigiria a posse de Hitler como Chanceler. Em breve a Liga das Nações seria definitivamente enterrada e os dois missivistas teriam que emigrar.

Anteriormente, o imigrante que chegava tinha que se adaptar às leis e costumes do país, ou ao menos aprender o idioma. Hoje em dia, parece ser o contrário: é o país hóspede aquele que tem que se curvar à religião dos recém-chegados para não "ofendê-los".

Séculos atrás, brancos europeus invadiram a América e instalaram colônias, suplantando e/ou misturando-se com a população local de índios e trazendo escravos da África para trabalhar.

Hoje, está havendo uma colonização ao contrário. Árabes, africanos e índios (na forma de mestiços latinos) estão colonizando EUA e Europa. É a vingança dos colonizados.

Os integrantes do Clube de Bilderber tem como obejtivo livrar o mundo dos estados-nação, estabelecendo em seu lugar, por via de conseqüência, uma nova ordem mundial, com um só governo, um só exército e uma só religião.

A primeira vez que ouvi falar do Clube Bilderberger (pela boca do meu amigo Olavo de Carvalho), pensei que se tratasse de uma cervejaria alemã ou mesmo, quem sabe, de algum sofisticado antro de prostituição nos confins da Europa ocidental: Clu-be Bil-der-ber-ger... Clu-be Bil-der-ber-ger... - bem, não se esquece fácil um nome desses.

Passou-se. Outro dia, transitando pela intransitável cidade de São Paulo, entrei num velho sebo e dei de cara com uma cópia xerocada do livro "A verdadeira história do Clube Bilderberger", do jornalista e dissidente russo Daniel Estulin, com tradução de Ignácio Trofino e Marta-Ingrid Rebon, publicado pela Editorial Planeta, em 2005. Comprei-a no ato.

Klauber Pires fala da necessidade de analisar as estruturas que propiciam o totalitarismo no país, e observa: "O Brasil tornou-se uma sociedade em que todos se escoram no estado para achacar seus compatriotas, utilizando-se para tanto de artifícios legais".

Tendo sido quase impossível desviar-se da politiquice, que à medida que se abeira do desenlace final, vai se acalorando, proponho algumas reflexões para o dia seguinte, seja qual for o resultado. Usei o termo "politiquice" para ser mais apropriado. Não que eu não goste de política: na verdade, a detesto. Quanto mais política uma nação é, mais atrasada se torna. A política é o fenômeno de eternamente modificar as regras do jogo sem, entretanto, jogá-lo. Ao subordinar todas as instâncias da vida ao crivo político, estamos criando um moto-contínuo de reivindicações e contra-reivindicações e com isto negligenciando todas as oportunidades de crescer, tanto economica quanto tecnologica e espiritualmente.

Eles estão puxando o Brasil para baixo e o mundo está sabendo. O mundo está vendo. Nosso país decresceu no ranking da competitividade entre os dois últimos relatórios. E nossas piores posições envolvem, precisamente, questões de natureza institucional.

"A qualidade das instituições permanece pobremente situada em 93º lugar (entre as 139 nações estudadas), com limitada confiança nos políticos e no império da lei".
(Relatório 2010/2011 do Word Economic Forum sobre competitividade global).

Lula reafirma os intentos do Foro de São Paulo e a vontade de controlar a imprensa, dentre outros absurdos, com a soberba e o cinismo já conhecidos.

"Então, nós temos que se (sic) apoderar desta riqueza a bem do povo brasileiro, é um patrimônio do povo, não é um patrimônio da Petrobrás".
Lula, presidente do Brasil, ao Portal Terra.

Na entrevista concedida ao Portal Terral o presidente Lula destilou toda sua raiva contra o noticiário desfavorável ao PT e a sua candidata Dilma:

Jojoy era o mais sanguinário e recalcitrante dos cabeças do Secretariado das FARC. Impositivo, agressivo e despótico, exercia seus argumentos pela força e instigava os terroristas a arrasar a Colômbia por meio da violência.


A baixa em combate de "Mono Jojoy" assinala um avanço significativo para a continuidade da estratégia da segurança democrática, a moral combativa das Forças Militares, a tranqüilidade da população colombiana, a consolidação da defesa nacional e uma clara derrota para os interesses expansionistas de Lula, Chávez e Correa com a idiotice do Socialismo do Século XXI.

Graça Salgueiro traz mais informações sobre a morte de 'Mono Jojoy' e suas as implicações diretas para as Farc, como o provável aumento do número de deserções.

O Notalatina, em seu mês de aniversário, não poderia deixar de publicar a notícia de maior repercussão mundial e que enche de alívio e júbilo não só os colombianos que padeceram nas mãos de um dos maiores criminosos das FARC, mas também pessoas de bem que desejam sinceramente ver a Colômbia sem guerra, sem terrorismo, sem narco-tráfico. A morte de Víctor Julio Suárez Rojas, conhecido como "Jorge Briceño Suárez" ou "Mono Jojoy" em La Escalera, La Macarena, Meta, hoje, representa um abalo na cabeça da guerrilha terrorista comparável a um cismo de 8 graus ou mais. E isto deve-se ao laborioso trabalho que desenvolvem os serviços de Inteligência dos gloriosos Exército e Polícia da Colômbia, que apenas recebem o respaldo do presidente Juan Manuel Santos e do ministro da Defesa, Rodrigo Rivera.

O vídeo é de um tucanismo extremo. É aquela covardia moral abestalhada da oposição que não é oposição, mas a oposição que é da situação.

Vejam esse vídeo. Ele é o retrato cabal da covardia da oposição brasileira. A história descrita acima coloca uma falsa dicotomia: a de que o PT é uma coisa e Lula é outra. Ao invés de colocar a verdade no ar, ou seja, a de que o PT é apenas a estrutura e a blindagem de um projeto totalitário que envolve o presidente, o comentário do vídeo coloca Lula como o "defensor" da democracia e da liberdade de imprensa. Como uma espécie de capataz de fazenda, Lula, coitado, "não deixou" que a livre imprensa fosse amordaçada pelo PT. A argumentação é particularmente curiosa: é como se a favela tivesse segurança, porque o traficante impôs o toque de recolher. Ou então o galinheiro se sente seguro, porque a raposa não comeu as galinhas.