cptaec

 


 

Novo curso de Olavo de Carvalho:

cursoOdeC

Nas livrarias:

novolivroSiga a fanpage do livro 'O Mínimo que Você Precisa Saber Para Não Ser um Idiota'
no Facebook
.


citizengo


SPACÇO DO SPACCA

© Spacca para o MSM


Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32 twittericon Youtube_32x32 facebook_32 Feeds_32x32 Mail-32currency_blue_dollar-32

De acordo com o portal GospelPrime, “Em 2010, o nome de Marina Silva foi citado em profecias, especialmente da apóstola Valnice Milhomens. No ano seguinte, o pastor Bob Hazlett do Ministério Touch of Fire, pregava na Conferência Dunamis 2011 e trouxe uma revelação. Como não era ano eleitoral, ela foi pouco comentada até ser lembrada nos últimos meses. O pastor americano… anunciou que Deus mudaria o controle da nação, levantando uma mulher ‘segundo o coração de Deus’ que se ajoelha diante de Deus. Sua eleição iria abalar a nação brasileira e levá-la para uma época de prosperidade.”

Conforme detalhou meu artigo “Inflamados por uma profecia americana, evangélicos brasileiros querem uma mulher na presidência do Brasil,” Hazlett, na mesma época, fez duas profecias:

1. Vitória da seleção brasileira na Copa do Mundo, com um reavivamento mundial como resultado dessa vitória.

2. Vitória de uma mulher de Deus na presidência do Brasil. Essa vitória foi amplamente interpretada como se referindo a Marina.

Um dos aspectos mais tristes da vida brasileira, para este comentarista, é a escassez ou completa ausência de atividade espiritual naquilo que se escreve e se publica, seja em livros, na mídia ou mesmo em blogs. Por atividade espiritual entendo a meditação solitária em que a consciência toma posse de si mesma como autocriação e liberdade que luta para realizar-se no mundo espaçotemporal e aí encontra, ao mesmo tempo, seus obstáculos e seus instrumentos. É só apreendendo assim a medida e a proporção entre aquilo que podemos ser e aquilo em que vamos nos tornando, que chegamos a nos conhecer como natureza inseparavelmente criada e criadora, no sentido de Scot Erígena, indescritível portanto como figura e imagem e só apreensível como força e conflito até o momento em que a morte, como nos ensina o soneto de Mallarmé, nos fixa para sempre no formato imutável de um destino realizado e esgotado.

Só quem se dedica incessantemente a essa atividade pode pronunciar a palavra “eu” com algum conhecimento de causa, ou até com algum direito legítimo. Os demais, quando a dizem, nada mais designam do que a figura totalmente fictícia que desejariam, para fins de vantagem prática ou alívio de complexos, projetar na tela da mente alheia ou na da sua própria.

A igreja precisa se opor ao marxismo seja qual for o nome adotado por ele: socialismo, comunismo, progressismo. Precisa rejeitá-lo em qualquer área que ele queira se infiltrar: política, filosofia, história, sociologia, teologia, etc. Precisa falar contra, escrever contra, votar contra.


Um verdadeiro cristão deve ser completamente antimarxista. Por quê? Pelo simples fato do marxismo ser anticristão.

E o marxismo não é anticristão em sua história. É anticristão em sua essência. Não é anticristão por ter matado milhões de cristãos. Antes matou milhões de cristãos por ser anticristão. Esse é um fato. Qualquer tentativa de negá-lo não passará de no mínimo auto engano e no máximo pura fraude.

Nenhuma surpresa com as revelações de Paulo Roberto Costa e de Alberto Youssef. Trata-se apenas de mais do mesmo, aqui como em toda parte. O único antídoto é a receita liberal, de reduzir o Estado a suas funções ditas clássicas.


O país acompanha estarrecido as revelações de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef sobre as estripulias da corrupção de larga escala. Todos já sabem e mesmo sentiram na pele a perene corrupção de pequena escala, aquela do fiscal da prefeitura ou do Trabalho. Se a corrupção é intrínseca ao homem, ela o é mais ainda ao Estado, que defino como o mal potenciado e comprimido, capaz de realizar grande devastação.

A tristeza não é uma enfermidade. Sentir dor pela morte de alguém querido não é patológico. E tremer quando se fala em público pela primeira vez, tampouco. A vida não pode ser tratada com comprimidos e, entretanto, cada vez mais recorremos a eles para combater o que não é outra coisa que o simples mal-estar de viver. Em vez de assumir pela manhã as nuvens negras com um “bom-dia tristeza”, corremos ao médico para que nos receite anti-depressivos. E em vez de encararmos o chefe tóxico que nos oprime, corremos ao psiquiatra em busca de ansiolíticos.

Em 10 anos produziu-se na Espanha um aumento não justificado do consumo de medicamentos psiquiátricos. Não há na Espanha, país alegre e ensolarado onde haja, por muito que a crise aperte, tanta depressão como indicam as vendas de Prozac e outros anti-depressivos. Nem se justifica que nas estatísticas da OCDE, a Espanha figure em segundo lugar em consumo de tranqüilizantes.

Uma conversa sobre a urgente tarefa de formar uma militância e de abrir espaços na grande mídia e na Academia para os defensores do ideário conservador, que agora começa a ter candidatos nas eleições.
Olavo de Carvalho: “Financeiramente, está tudo contra nós. Intelectualmente, é a nossa grande chance.”


 

stephanComo se não bastasse sua história no PT, o endosso à “teologia” comunista “da libertação”, seu envolvimento com os globalistas do Diálogo Interamericano e o recente ingresso em outro partido aliado ao Foro de São Paulo, o PSB, Marina ainda tem mais uma amizade suspeita: a do bilionário suíço Stephan Schmidheiny.


A súbita entrada de Marina Silva (PSB) na corrida presidencial causou, inicialmente, grande reviravolta nas pesquisas eleitorais. O candidato original do PSB, Eduardo Campos, estava em terceiro lugar nas pesquisas. A morte de Campos em um desastre aéreo, no dia 13 de agosto deste ano, levou Marina Silva a assumir a candidatura à Presidência da República, e o PSB ao segundo lugar nas pesquisas. Marina Silva representa, na visão de uma parcela de eleitores decepcionados com o governo do PT, e na sua própria visão, uma “nova política”. O que poucos sabem é que a “renovação” pode significar, na verdade, mais do mesmo. Ou mais do pior.

Sabe-se que Marina Silva construiu sua vida pública em torno da luta ambiental, da história triste de vida, e do sindicalismo. Ela diz defender conceitos bonitos, como “sustentabilidade” (nome dado a seu partido, aquele que, por não conseguir as assinaturas para o registro, não garantiu sua candidatura à Presidência) ou “baixo impacto ambiental”. Sua história triste, em estilo Oliver Twist, aliada à militância exercida ao lado de nomes como Chico Mendes, tornaram-na famosa, e Marina Silva frequentemente tem sido vedete em encontros da Avina, uma fundação constituída por multinacionais como Monsanto e BASF, entre outras, para o “desenvolvimento sustentável”.

A profecia de Hazlett disse: “Estou removendo o espírito de Mordecai que tenta controlar as mulheres nesta nação e vou levantar uma mulher segundo Meu coração e vou abalar esta nação.”
A missão mais importante de Ester foi proteger seu povo e os interesses deles. Nessa missão, ela estava sob a influência de Mordecai. A influência dele era positiva ou negativa? Positiva.


Os eventos mais importantes para o Brasil em 2014 são a Copa do Mundo — em que a seleção brasileira sofreu sua pior e mais vergonhosa derrota em tal evento de futebol — e a eleição presidencial.

De um ponto-de-vista racional, a eleição trará outra derrota vergonhosa, pois os principais concorrentes — a candidata à reeleição Dilma Rousseff e Marina Silva e Aécio Neves — são socialistas. Nesta semana, esses três grandes candidatos, juntamente com ativistas homossexuais e o Ministério Público, condenaram e atacaram Levy Fidelix, um candidato católico com mínima chance de ganhar a eleição. Fidelix foi acusado de “homofobia” depois de defender que relações homossexuais são sujas e que uma dupla homossexual jamais é uma família.

Algumas argumentações esquerdistas são tão vergonhosas que parecem fruto de neurose ou algum outro desvio mental, pois não podem ter sido de forma alguma elaboradas por pessoas em sã consciência.

É o caso desta rotina, onde eles como de costume fingem defender os pobres (embora nós já saibamos que é só encenação). Em seguida, eles dizem que nós, da direita, odiamos qualquer forma de melhoria dos pobres (como aquelas que vieram após o Plano Real). Daí eles concluem dizendo que nós estamos com raiva da esquerda por que “os pobres agora podem viajar de avião”.

Repare este comentário de um petralha, que, obviamente, foi bloqueado:

No meio científico americano, e excluídas as opiniões dos apologistas professos desta ou daquela religião, o debate sobre a questão religiosa  divide-se, grosso modo, entre os que juram, como Daniel Dennet e Sam Harris, ser a religião uma etapa superada na evolução biológica da espécie humana e os que afirmam que a crença religiosa, ou ao menos uma vaga aspiração metafísica, é uma necessidade permanente, imutável e indestrutível dos seres humanos. Estes últimos chegam a acreditar que não existem ateus de verdade, que o ateísmo é só da boca para fora (http://www.science20.com/writer_on_the_edge/blog/scientists_discover_that_atheists_might_not_exist_and_thats_not_a_joke-139982).

Os argumentos a favor de cada uma dessas correntes são eruditíssimos e ambas fazem questão de apoiar-se nas mais atualizadas pesquisas científicas. É uma pena que tanto esforço intelectual se desperdice numa discussão que parece ser calculada para não levar a parte alguma.

Na última sexta-feira aconteceu um grande tiroteio a poucos metros da minha casa. Preocupou-me a possibilidade de ser atingido por uma bala perdida. Minha viúva ficaria absolutamente desamparada, porque não conto com representação alguma na sociedade civil. Não gozo de privilégios, pois minha minoria, a dos homens-brancos-católicos-heterossexuais-estudiosos-trabalhadores é a mais desorganizada e desmobilizada de que se tem notícia; por conseguinte, é a mais menosprezada e avacalhada. Mas eu bem mereço (ao menos é o que depreendo das manifestações das organizações representantes das supostas minorias e que se pretendem opostas à minha minoria). Vejamos.

1 - Trato minha noiva como uma princesa, minha mãe como uma rainha e as demais mulheres como os seres especiais que são. Contudo, nasci homem e, portanto, sou naturalmente um opressor, digno de pouco mais do que a morte.

2 - Sou totalmente contra o conceito de divisão de raças. Entendo que há apenas uma raça, a humana. Todavia, com minha branquidão medonha, já saí do ventre materno oprimindo, escravizando à distância (no tempo e no espaço) e com uma enorme dívida histórica.

Não importa O QUÊ ou COMO é dito! Se o que for dito contradizer - por mínimo que seja - aquilo que militância gayzista impõe às pessoas normais (i.e. pessoas não alinhadas ao gayzismo, sejam elas heterosexuais ou homossexuais), você será chamado de "homofóbico (sic)" e será acossado e assediado de todas as formas possíveis e imagináveis por um grupo da extrema-esquerda mais fascista. A verdade é essa. (O Clodovil Hernandes experimentou isso: http://youtu.be/U2SvVzsu-zI)

Repito. Na minha opinião, o Levy Fidelix desperdiçou uma oportunidade interessante de destruir a apologista do genocídio e gayzista Luciana Genro e - de certa forma - prejudicou o grupo que ele representa. Prejudicou de que forma? Reforçando NOS gayzistas os preconceitos dos quais eles JÁ SÃO eivados. Ou seja, o Levy reforçou algo que JÁ É muito agudo. Isto com certeza não é um prejuízo grave. O movimento gayzista é minúsculo e não conta com o apoio nem mesmo da maioria dos homossexuais. É possível especular que no mínimo 60% dos homossexuais não participam ou não concordam com o movimento gayzista (e é exatamente por isso que foi cunhado e é utilizado o termo "gayzista", para diferenciar o militante da causa gay do homossexual não militante). Ou seja, o grupo "ofendido" pelo Levy é muito pequeno, minúsculo. Aliás, é necessário dizer que o grosso desse movimento nem mesmo é composto por homossexuais DE FATO, mas por uma caterva de simpatizantes ou jovens universitários que são sustentados por um governo pró-gayzista e que fazem militância enquanto deveriam estar ESTUDANDO. Falando o português claro: uma militância engrossada por JOVENS CORRUPTOS que desviam a verba destinada para a sua educação para fins de proselitismo ideológico e militância partidária. Em resumo: é este grupelho insignificante, mas muito ruidoso, que histericamente se sentiu "ofendido" pela fala do Levy Fidelix.

O vício do raciocínio metonímico consiste em tomar a parte pelo todo, ou o instrumento pela ação, mas enxergando aí uma identidade real em vez de uma  mera figura de linguagem.


O traço estilístico mais constante e saliente nos escritos dos imbecis é a indistinção entre coisas objetivamente diferentes que têm o mesmo nome. Levado pelo potente automatismo da construção verbal separado da percepção, da memória e da imaginação, o sujeito extrai, de premissas referentes a um objeto, conclusões sobre outro objeto completamente diverso designado pela mesma palavra. Isso é o que propriamente se chama “equívoco”: tomar a identidade nominal como identidade real. O estilo característico dos imbecis é um arquitetura de equívocos.


Desfazer um equívoco não é difícil. O problema com o imbecil é que ele não sabe que o é, nem imagina, portanto, que deveria deixar de sê-lo; e os equívocos que comete são tantos e tão grosseiros que não é possível desfazê-los sem tornar evidente que o desempenho da sua inteligência está abaixo do normal – um dano à sua querida auto-imagem contra o qual ele se defenderá com todas as suas forças. A imbecilidade, como o segredo esotérico, protege-se a si mesma.

Um leitor recomendou-me comentar o artigo de Leonardo Boff publicado no JB de 25 de agosto com o título de "O socialismo não foi ao limbo". É o que faço aqui.

O artigo de Boff, resenhado, fica assim:

1) caiu o Muro de Berlim, muro do socialismo existente, que se reconhece violador de direitos humanos, autoritário, etc; 2) caiu, também, o muro de Wall Street e se deslegitimaram o neoliberalismo e o capitalismo; 3) o capitalismo centralizaria uma riqueza imensa em 737 grupos econômico-financeiros enquanto 85 pessoas acumulariam recursos equivalentes aos ganhos de 3,5 bilhões de pobres; 4) é necessário recuperar a experiência das reduções jesuítas e o comunismo da república comunista cristã dos guaranis; 5) o socialismo é tudo de bom; 6) o capitalismo é tudo de ruim e seus efeitos na sociedade são terríveis; 7) a única saída é acabar com a propriedade privada e instituir a propriedade social dos meios de produção, acautelando-se para que os indivíduos adiram a esse projeto de modo consciente e queiram viver as novas relações.

***

O Dr. Milton Simon Pires, médico cardiologista e intensivista (UTI), concursado e funcionário do Hospital Nossa Senhora da Conceição (conhecido apenas como Hospital Conceição) em Porto Alegre desde junho de 2010, ao chegar para trabalhar na manhã do dia 22 de setembro constatou que seu ponto eletrônico estava bloqueado, então foi perguntar o que havia ocorrido. Encaminharam-no ao setor de Relações Humanas quando uma funcionária entregou-lhe um documento no qual dizia que ele estava afastado do trabalho por 60 dias. Perguntada, a jovem não soube responder, pois era encarregada apenas de fazer a entrega.

O documento recebido foi a Portaria nº 443/14, que resolve “afastar por 60 dias ‘a contar do recebimento desta’ o Dr. Milton Pires (...), conforme o disposto do Art. 9º do Regulamento de Procedimentos e Sanções Disciplinares do Grupo Hospitalar Conceição (GHC)”. Constam os nomes e assinaturas dos doutores Carlos Eduardo Nery Paes, Diretor Superintendente do GHC, Dr. Gilberto Barichello, Diretor Administrativo e Financeiro, e apenas o nome, sem assinatura, do Dr. Paulo Ricardo Bobek, Diretor Técnico e chefe do Dr. Milton.