Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32 twittericon Youtube_32x32 facebook_32 Feeds_32x32 Mail-32currency_blue_dollar-32

Se os comunistas tivessem vencido em 64, Marighella e Lamarca seriam considerados heróis nacionais. Escolas, ruas e viadutos estariam recebendo seus nomes. Os livros de história e os cursos universitários apresentariam Che, Fidel e Mao como grandes defensores da liberdade.

Invasões e desapropriações de fazendas produtivas aconteceriam com frequência. O BNDES e a Caixa financiariam manifestações do MST. Quase 50 milhões de pessoas dependeriam de mesada estatal para sobreviver.

Antigos companheiros de viagem da esquerda seriam hoje considerados inimigos do povo. Os oligarcas tornar-se-iam amigos do governo desde criancinhas.

Uma análise do discurso político atual, comparando-o com o de 50 anos atrás, traz-nos surpresas interessantes. Dentre elas chama atenção a valorização da palavra “democracia” no discurso atual. 50 anos atrás, a democracia como a entendemos era atacada pela esquerda como “democracia burguesa”, contraposta a uma “democracia proletária”, ironicamente presente no nome de muitos países comunistas. A República Democrática Alemã era a Alemanha comunista, enquanto a capitalista era República Federal da Alemanha, por exemplo. O Estado de direito não era valorizado no discurso público; o próprio Jango dizia, sem pejo, que as reformas socializantes que propunha seriam feitas “na lei ou na marra”.

Ao longo dos governos militares – que se percebiam, aliás, como democráticos, por contarem com parlamento (enquanto não estava fechado) e Judiciário independentes –, contudo, a oposição consentida fez seu o termo “democracia”, em contraposição a “ditadura”.

Para uma escritora “cristã” que não está frustrada nem de coração partido por causa de Obama e sua agenda pró-aborto e pró-homossexualismo, é natural ela querer que a Visão Mundial permaneça fiel aos princípios progressistas, inclusive o “casamento” gay.


A versão americana do Christian Post de forma acertada lidou com a recente oscilação da Visão Mundial sobre o “casamento” gay citando proeminentes líderes evangélicos. As respostas deles foram em grande parte conservadoras. A primeira postura da Visão Mundial (VM) favorecendo esse casamento falsificado foi universalmente desaprovada entre cristãos conservadores. O arrependimento da VM foi bem-vindo.

De forma alguma, o Christian Post condenou os líderes conservadores e suas opiniões.

Num guinada estranha, a versão brasileira do Christian Post decidiu não só nada publicar de sua versão americana sobre a oscilação da VM, mas também tratou do caso a partir de um ponto-de-vista esquerdista. O único artigo do Christian Post brasileiro sobre essa questão foi “Obsessão evangélica sobre homossexualidade está fora de controle, relata autora,” de Luciano Portela.

Entre outras formas de "terrorismo de retaliação", cerca de 80 igrejas cristãs do Egito foram atacadas imediatamente após a Revolução do dia 30 de Junho, que testemunhou a remoção do presidente Morsi, membro da Irmandade Muçulmana.

E agora que o Egito sentenciou à morte centenas de apoiantes da Irmandade Muçulmana por terem lançado terror na nação depois da revolução popular, a Irmandade e os seus apoiantes, mais uma vez, estão a retaliar atacando a minoria de cristãos coptas e as suas igrejas.

Na última sexta-feira - o dia em que o maometanos se encontram para as suas rezas  e o dia em que os seus imãs incitam ataques contra as igrejas, para além de outras formas de terrorismo - num subúrbio do Cairo com o nome de  Ain Shams, "muçulmanos atacaram uma igreja cristã ortodoxa copta. Quatro pessoas foram mortas no ataque à igreja, dedicada à Virgem Maria e ao Arcanjo Miguel. Entre os mortos encontravam-se um jornalista de 25 anos e um congregante cristão copta. Quando as forças de segurança egípcias intervieram, a violência propagou-se pelas zonas circundantes. É bastante comum os radicais muçulmanos ficarem frenéticos sempre que se reúnem para as suas rezas.”

“Ninguém vai dominar a política de um país sem garantir um espaço na alta cultura e nas universidades. O debate intelectual deve começar primeiro. O debate científico dentro das universidades deve desbancar e desmoralizar todos esses office-boys da KGB que estão escrevendo uma história mentirosa há 50 anos.

O perigo comunista existia, sim, era muitíssimo grave, e a KGB cometeu com isso, o maior atentado contra a soberania nacional que já aconteceu. Com a cumplicidade do próprio presidente da república.”

 

 www.olavodecarvalho.org
www.radiovox.org

Eis o modelo do futuro.


Comentário do tradutor:
No artigo publicado no El Confidencial há uma boa quantidade de informações importantíssimas. Recentemente e para o espanto de muitos – embora venha explicando isso há alguns anos (vide O Mínimo que você precisa saber..., pg. 522 e seguintes) – o professor Olavo de Carvalho sintetizou o panorama político futuro mais ou menos nos seguintes termos: “o futuro do Brasil será o PT contra o narcotráfico (PCC, CV, etc), e ao final dessa disputa o PT sairá derrotado e as organizações criminosas, vitoriosas”. Para o brasileiro médio (confuso e desinformado) é de todo surreal imaginar uma situação onde as organizações criminosas e narcotraficantes venham a conquistar inclusive o poder político. No entanto, é precisamente esse o testemunho que o México nos dá e que esse artigo nos mostra! Os cartéis mexicanos descobriram algo bastante simples: deter o controle de um país inteiro ou de tão somente uma região não somente é extremamente lucrativo como é uma fonte virtualmente inesgotável de dinheiro e recursos. As cifras descritas mostram precisamente isso e é através dessa abundância de recursos que se faz possível rivalizar abertamente com o poder estatal constituído.

Outro ponto que o artigo demonstra são os efeitos não imaginados das políticas de legalização das drogas. À medida que a “produção local” de drogas nos Estados Unidos aumenta, diminuem as exportações e vendas desses cartéis àquela nação, e esse desenvolvimento produz uma alteração substancial no cenário econômico tradicional dos cartéis mexicanos, induzindo-os a buscar outros ramos de atividade em substituição à perda de um mercado
.

31 de março de 1964: Há 50 anos as Forças Armadas tomavam o poder no Brasil. Cansado como estou de escutar as reportagens, os depoimentos e os documentários, esgotado com as entrevistas daqueles que “sobreviveram” à prisão e às torturas, farto de escutar uma única versão, hoje me dirijo à esquerda, aos bravos combatentes da luta armada que mais tarde ajudaram a formar o PT e restaurar, como querem fazer crer, a normalidade da vida institucional no país.

Muito eu poderia escrever no sentido de revelar quem vocês na verdade são, no intuito de relatar o que fizeram e o que disseram que fariam. De tudo que me ocorre, tenho como mais importante deixar uma só mensagem, lançar uma só pedra que, com o peso e tamanho de uma montanha, há de os colocar no devido lugar quando as futuras gerações a vocês se referirem.

Vocês, seus mentirosos, seus covardes assassinos, jamais, em momento algum, lutaram pela democracia no Brasil. O que os movia era a intenção de implantar aqui o comunismo.

Para pessoas sãs e intelectualmente honestas a linha argumentativa desenvolvida pelo IPEA é inteiramente absurda e aberrante.

O uso da expressão "merecer" já indica que se trata de esquerdismo militante (a pesquisa foi feita pelo IPEA, instituto ligado à Presidência da República e nada mais é do que uma panfletagem ideológica com dinheiro público). Exigir que a população semi-analfabeta e analfabeta funcional pelo Brasil capte as nuances linguísticas de um pesquisador mal intencionado é, certamente, uma desonestidade monstruosa. Tanto pior se pesquisadores pagos a peso de ouro deliberadamente exploram essas nuances para doutrinar a população.

Exceto o Paulo Ghiraldelli (prof. esquerdista de SP) e abortistas militantes como a Eleonora Menicucci (assassina confessa), brasileiro nenhum pensa que mulheres MERECEM sofrer estupro, pelo contrário. No entanto, pesquisa comprada pelo governo junto ao IPEA diz que 65% dos brasileiros são partidários da opinião que mulheres MERECEM, SIM, ser estupradas.

No dia que marcou os 50 anos da intervenção militar no Brasil, um dado fornecido pelo instituto de pesquisa Datafolha foi repetido e destacado à exaustão: 46% dos brasileiros apoiam a anulação da Lei da Anistia (“Democracia e Ditadura” - Datafolha, 31 de Março de 2014).
 
Exemplo. Portal G1 (o destaque em vermelho é meu).
 

Destacar este dado em um contexto de maciça publicidade revolucionária – com décadas de uma falsificação da história ditada nas universidades e nas escolas, consagrada pela imprensa e repetida por “intelectuais” e formadores de opinião - significa alarmar o público leitor para o fato de que uma parcela significativa da população exige punição para os militares.

Doutrinação ideológica escolar, anti-catolicismo ou anti-cristianismo, educação sexual, pluralismo religioso, vacinação HPV e em breve, ideologia de gênero, são temas que estão se tornando comuns nas escolas brasileiras, entre as quais as próprias escolas católicas. 

 

Percebendo tais inovações metodológicas e curriculares, vários pais em Belém estão se unindo com a finalidade de resgatar a fé cristã católica nas escolas católicas: São os "Pais Católicos."

 

Em uma de suas deliberações, estes pais decidiram denunciar ao Arcebispo de Belém todas as deturpações e relativismos com que têm visto seus filhos serem atacados, e redigiram um documento que transcrevo abaixo, para que todos os pais cristãos e católicos do Brasil façam o mesmo.

Quando os psicopatas dominam, a insensitividade moral se espalha por toda a sociedade, roendo o tecido das relações humanas e fazendo da vida um inferno.


Muitas vezes o leitor já deve ter-se perguntado como é possível que tantas pessoas, aparentemente racionais, amem e aplaudam os governos mais perversos e genocidas do mundo e se recusem a enxergar a liberdade e o respeito de que elas próprias desfrutam nas democracias ocidentais, ao mesmo tempo que continuam acreditando, contra todas as evidências, que são moral e intelectualmente superiores aos que não seguem o seu exemplo.

Hoje em dia essas pessoas, no Brasil, são a parcela dominante no governo, no Parlamento, nas cátedras universitárias, no show business e na mídia. A presença delas nesses altos postos garante a este país setenta mil homicídios por ano, o crescimento recorde do consumo de drogas, o aumento da corrupção até a escala do indescritível, cinqüenta por cento de analfabetos funcionais entre os diplomados das universidades e, anualmente, os últimos lugares para os alunos dos nossos cursos secundários em todos os testes internacionais, abaixo dos estudantes de Uganda, do Paraguai e da Serra Leoa. Sem contar, é claro, indícios menos quantificáveis, mas nem por isso menos visíveis, da deterioração de todas as relações humanas, rebaixadas ao nível do oportunismo cínico e da obscenidade, quando não da animalidade pura e simples.

jandira_comunista

Quando alguém gera um conteúdo para a guerra política, resultados são obtidos, sejam eles favoráveis ou não. Há um peso naquilo que escrevemos ou publicamos, por qualquer meio ou formato. Constatações óbvias como essa deveriam nos levar a ter mente os frames que usamos, os rótulos que impomos (e/ou aceitamos) e as reações que causamos.

O vídeo “A pregação totalitária de Jandira Feghali” da série O Brasil Pede Socorro é um dos melhores que vi recentemente, feito para denunciar a sanha totalitária da extrema-esquerda.

Chegou a Periodismo sin Fronteras um audio onde se ouve claramente Iván Márquez dar a ordem de pôr a bomba e detoná-la utilizando um telefone. A conversação é de 14 de janeiro e mostra perfeitamente que não existe vontade de paz desses delinqüentes e nos alerta sobre o terrível perigo que significa votar na fórmula Santos-Vargas Lleras, para continuar com o infame propósito de converter terroristas em pais da pátria.

As pessoas já não sabem quem são mais mentirosos na mesa de diálogos de Havana: se os delegados do governo ou os terroristas das FARC. Enquanto o governo e seus delegados mintam ao país sobre o que lhes estão cedendo aos bandidos das FARC, a custa da vida dos colombianos, os narco-terroristas das FARC assassinam colombianos inermes e têm a senvergonhice de negá-lo, mostrando assim seu desprezo pela morte dos que dizem defender.

Esporadicamente deparo-me com opiniões de que uma das soluções para o Brasil seria permitir a separação de partes do território. Assim, supostamente porções mais ricas poderiam ficar ainda mais ricas se saíssem do guarda-chuva da Federação. E as mais pobres superar sua própria pobreza, em passe de mágica, supostamente por escapar do “imperialismo” interno. Obviamente esses são argumentos estúpidos, que não se sustentam.

O meu argumento é duplo contra isso, com um pólo positivo e outro negativo. O lado negativo evidente é olhar o que houve na América espanhola. Lá, a fragmentação do território, ao contrário do que houve na América portuguesa, não produziu ilhas de prosperidade. Muito ao contrário. Uma coleção de paisecos caricatos está aí para alertar:  Uruguai, Bolívia e Equador servem bem à chacota internacional. O belo exemplo do Chile é a exceção à regra. A grande Argentina está reduzida a escombros, sem que lá tenha havido guerra. A Colômbia mal saiu, se é que saiu, da guerra civil. A Venezuela agoniza sob o bolivarianismo. E o Paraguai é sinônimo de contrabando no Brasil.

sofrimentos-inevitáveis

Tire de uma pessoa a certeza da dor, prometa-a felicidade, e ela não terá mais instrumentos para evoluir.


O ser humano nasce sofrendo. Nosso primeiro contato com o mundo é literalmente de chorar. Depois de tantas semanas no aconchego do ventre materno, a entrada no mundo através das mãos do obstetra ou da parteira vem acompanhada de muito esforço, dor, fluidos, sangue, suor e lágrimas; e me perdoem pelo chavão. A dor da mãe, principalmente no caso de parto natural, pode se estender por horas e horas, e é suportável apenas porque existe algo maior, que muitos de nós consideram o maior bem da humanidade, a vida. Digo muitos, e não todos, porque a humanidade já assistiu à ação de lunáticos poderosos que ceifaram milhões de vidas durante sua existência. Mas, no geral, a vida é e continuará sendo o motor maior do ser humano, e a chegada de uma nova vida é um espetáculo que jamais se torna repetitivo.