Nas livrarias: 

novolivroSiga a fanpage do livro 'O Mínimo que Você Precisa Saber Para Não Ser um Idiota'
no Facebook
.


SPACÇO DO SPACCA

© Spacca para o MSM

 



Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32 twittericon Youtube_32x32 facebook_32 Feeds_32x32 Mail-32currency_blue_dollar-32

Do Veritatis Splendor:
Você sabia que o Canadá é um dos primeiros países do mundo a reconhecer legalmente o casamento homossexual? Isso já faz mais de 10 anos! Muitas pessoas acreditam que o casamento homossexual apenas equipara direitos e não fere a liberdade de ninguém. Na realidade, ele redefine o próprio conceito de matrimônio, paternidade, educação e acaba tendo consequências muito práticas na vida de todo cidadão. O casamento gay é apenas a primeira linha de uma longa agenda ativista de metas que visa em última instância uma reorganização de toda a sociedade. Se você acha que isso não é do seu interesse, talvez se surpreenda com o relato abaixo.
 

Um alerta do Canadá
Dawn Stefanowicz
N.d E: Para conhecer um pouco da história de Dawn Stefanowicz, leia o artigo 'Criada sob a guarda LGBT e contrária ao "casamento" gay'.


Nos é dito todos os dias que “permitir a casais do mesmo sexo o acesso a designação de casamento não irá retirar o direito de ninguém”. Isto é uma mentira.

Quando o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi legalizado no Canadá em 2005, a paternidade foi imediatamente redefinida. A Lei do Casamento Gay Canadense (Bill C-38) incluiu a determinação de apagar o termo “paternidade biológica” e a substituir por todo o país com o termo “paternidade legal” através de uma lei federal. Agora todas as crianças possuem apenas “pais legais”, como definido pelo Estado. Apagando através da força legal a paternidade biológica, o Estado ignora um dos direitos mais básicos das crianças: o direito imutável, inalienável e intrínseco de conhecerem e serem formados pelos seus pais biológicos.


A essência da ideologia gayzista consiste precisamente em colocar o desejo homoerótico acima de todos os valores reais, possíveis e imagináveis.

A principal característica de uma sociedade doente é a ascensão de almas imaturas e atrofiadas aos postos mais altos, de onde podem impor o seu subdesenvolvimento moral e emocional como padrão normativo para uma sociedade inteira.


Todo animal cresce e se desenvolve no sentido de alcançar a realização das potencialidades máximas da sua espécie, não de qualquer outra. Esse auge é o que se chama "maturidade". Uma vaca leiteira alcança a maturidade quando se torna capaz de produzir quarenta litros de leite por dia. Um urso, quando se torna grande, pesado, forte e feroz o bastante para matar outros ursos -- fêmeas e filhotes inclusive. Um bloodhound, quando se torna capaz de seguir uma pista por cem quilômetros. A escala do desenvolvimento sexual que expus na primeira parte deste artigo (http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/15912-2015-06-23-22-29-17.html) é própria e exclusiva do ser humano. Ela é a medida de aferição da maturidade humana. Quem não chegou à última etapa está abaixo da medida humana. Pode estar evoluindo para alcançá-la ou pode estar fazendo o possível para estacionar nas primeiras etapas, tomadas fetichisticamente como se fossem a essência última do fenômeno sexual. Pode estar até se esforçando para que outros também estacionem. A característica fundamental do sociólogo mirim é o ódio à maturidade.

 

Incutir tal disparate na cabeça das crianças da mais tenra idade, mediante imposição legislativa, usando a sala de aula e a autoridade do professor, é uma fraude à biologia e à experiência humana.

 

Nota oficial do Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul, braço freudiano do PT, informa que se a ideologia de gênero não for incluída nos planos decenais de educação, Joãozinho e Maria estarão sob forte possibilidade de se tornarem agentes ou vítimas de "discriminações, exclusões e iniquidades decorrentes das relações de gênero e sexualidade". Leia a íntegra aqui: www.crprs.org.br/noticias_internas.php?idNoticia=2971.

 

Estou à espera de que alguém me indique o motivo pelo qual, numa sala de aula onde o bullying faz sofrer o aluno mais gordo, o mais baixo, o gago, o de óculos, o que tem maiores dificuldades de aprendizagem, a única forma de discriminação que causa rebuliço nos legislativos e suas galerias é a discriminação por motivo de conduta sexual. Pergunto: o respeito não é devido a todos, sempre? Por que eleger o sexo como essência do convívio respeitoso, num espaço onde há tanto desrespeito, inclusive ao professor? E note-se: o preconceito e muitos outros males se instalaram nas escolas precisamente quando elas se assumiram como lugares de "construção da cidadania" ou de revolução social.


Quem mistura religião com comunismo transforma uma coisa na outra. Daí essa obstinação que nada aprende da experiência, da evidência e do absoluto fracasso da doutrina abraçada.


Toda a existência do PT, do nascimento à glória, e da glória ao atual fundo do poço (ou ao volume morto, na expressão usada pelo próprio Lula) se fez sob incondicional apoio da CNBB e de suas pastorais. A exceção, se houver, que se identifique.

 Aliás, Lula e o PT sabem: os tenebrosos dias que se avizinham serão enfrentados ao abandono de muitos dos seus antigos seguidores. Há um grupo, porém, que não o abandonará. Esse grupo é formado por religiosos, padres e bispos que foram buscar água benta na Teologia da Libertação e chegaram ao poder da entidade em 1971, com Dom Aloísio Lorscheider. A partir de então, foi um Deus nos acuda. São João Paulo II, que conheceu o comunismo desde as entranhas, condenou a Teologia da Libertação (TL) em documento da Congregação para a Doutrina da Fé. Esse texto, de 1984, deixa claro ser a TL uma teologia marxista, de classe, "que confunde o pobre da Escritura com o proletário de Marx". 

Tão ilegal e ilegítima quanto a incorporação da Venezuela ao Mercosul é a permanência incólume desse Estado dentro da organização.

A cada dia se intensificam as perseguições aos dissidentes do governo de Maduro.


Teoricamente, a democracia é indispensável ao processo de integração do Mercosul. Mas contrariando parte de seu próprio corpo normativo, quase todos os Estados Partes da organização, desde pelo menos 2012, vêm interpretando e aplicando as normas relativas à democracia de modo seletivo, arbitrário e antidemocrático.      

O art. 1 do Protocolo de Ushuaia I (doravante PU-1) diz que "a plena vigência das instituições democráticas" é condição essencial para a integração mercosulina. Por essa razão, o PU-1 prevê a possibilidade de suspender o direito de um Estado Parte de participar dos órgãos do Mercosul quando nesse Estado se verifica uma ruptura com a ordem democrática.

Joaquim Barbosa sofreu ameaças de morte e insultos por não se comportar como um autêntico negro, afinal, ousou condenar mensaleiros.

O mesmo ocorre com o Smith Hays ou qualquer homossexual que desmascare a monstruosa farsa gayzista.


Um grupo de gays adeptos ao "open carry", ato de portar arma de fogo em público, prática derivada da Segunda Emenda da Constituição Americana, foi expulso de uma marcha do orgulho gay nos Estados Unidos.

O ocorrido é emblemático e expõe a farsa que é o movimento LGBT ou GLBT, outrora chamado de LGB e também conhecido como LGBTQ, LGBTI, LGBTIQ, LGBTIH, GSM, GSRM, GSD e por aí vai. Ufa!

Encerrada minha cota de politicamente correto, acrescento que, assim como os movimentos feministas, racialistas e coligados, todos são artimanhas utilizadas pela turma globalista ocidental - mas não só por ela - para fazer cumprir sua doentia agenda política-cultural.

A nova lei de inteligência, que define as missões dos serviços secretos da França na era do ciber-espaço e do auge dos ataques e ameaças terroristas, foi definitivamente aprovada pelo Senado na terça-feira 23 de junho de 2015. Uma ampla maioria acolheu o projeto de lei: 251 senadores votaram a favor, 68 contra e 26 se abstiveram. Esse projeto já havia sido aprovado por uma ampla maioria na Assembléia Nacional em 5 de maio passado (438 votos a favor, 86 contra e 42 abstenções), graças aos votos dos deputados de direita, de centro e dos socialistas (UMP, UDI e PS). Uma minoria de deputados, integrada por uma parte dos ecologistas, dos de centro e pelos comunistas votou contra, pois considera essa lei como “liberticida”.

 

O projeto de lei havia sido apresentado pelo governo socialista em 19 de março de 2015, como resposta legislativa aos sangrentos atentados islamistas cometidos em Paris em 7, 8 e 9 de janeiro de 2015, e em consonância com as históricas manifestações anti-terroristas nas principais cidades francesas de 11 de janeiro de 2015.

dcNo encontro de Diosdado Cabello com Lula e Dilma há mais do que quiseram fazer parecer.


Enquanto na Venezuela o assunto principal continua sendo a denúncia feita pelos Estados Unidos de que Diosdado Cabello (foto) é o chefão do narcotráfico internacional naquele país, conhecido como o “Cartel dos Sóis”, Nicolás Maduro diligentemente manda-o ao Brasil buscar apoio de seus sócios no Foro de São Paulo (FSP), Dilma e Lula.

Apostando na conivência da mídia companheira de viagem e no desinteresse dos brasileiros pela política além fronteiras, Cabello chegou ao Brasil na surdina, no dia 9 de junho, alegando ter recebido “instruções do companheiro presidente Nicolás Maduro, trabalhando pela e para a pátria”. O que foi dito à imprensa é que ele veio “revisar convênios de fornecimento de alimentos, medicamentos genéricos e outros”. O que não foi dito é que ele manteve reuniões secretas com a presidente brasileira - fora da agenda e a portas fechadas -, além de visitar Lula no instituto que leva seu nome e com os presidentes da Câmara e do Senado que o receberam - igualmente sem constar na agenda! - como se fosse uma celebridade que honraria o país com sua visita.


Maturidade é tudo.” (Shakespeare)

Em praticamente tudo o que leio e ouço a respeito de sexo, desejo e amor, reina a mais tosca e pueril indistinção entre as experiências mais diversas associadas a esses termos, quase sempre tomados como sinônimos. 

No seu nível mais imediato e fisiológico, o desejo é um fenômeno puramente interno, produto da química hormonal sem objeto definido e que, por isso mesmo, pode ser em seguida projetado sobre qualquer objeto real ou imaginário. É uma pura urgência fisiológica, um “desejo de gozar” que aparece sem a necessidade de nenhum excitante externo e pode ser satisfeito por mera fricção mecânica da genitália – masculina ou feminina.


Quem discute, no ambiente universitário brasileiro, Leo Strauss, Isaiah Berlin, Eric Voegelin, Leszek Kolakowski, Raimond Aron, Roger Scruton, Fernand Broudel, Paul Johnson, Russell Kirk ou Jean-Fraçois Revel?

Para um esquerdista, é, no mínimo, desconcertante, talvez psicologicamente devastador, aceitar um debate aberto, franco e honesto com Olavo de Carvalho.


Dos anos 60 para cá, a mentalidade confessional-esquerdista no Brasil só se faz consolidar. Essa mentalidade toma o pensamento de Marx, Lênin e Trotski como dogmático, infalível, sendo a especificidade destes autores e líderes atribuída ao tempo em que viveram e aos problemas com que tiveram de lidar, mas de modo algum compromete o cerne mesmo de perfectibilidade da obra de cada um e de todos conjuntamente.


O Brasil segue um gigante deitado em berço esplêndido, hoje controlado pelo Foro de São Paulo e submisso até mesmo à narcoditadura castrista que se apoderou da Venezuela.


O Foro de São Paulo fez da Odebrecht a responsável pela infraestrutura nos países por ele dominados. Isso não ocorreu de graça: a construtora cresceu ganhando licitações fraudulentas e repassando parte do valor superfaturado das obras para um ninho de cobras.

Hoje, as cobras se proliferaram de tal forma que se entendem donas da América Latina, e dentro da estrutura da máfia, certos recados são dados fingindo combater as práticas adotadas pela própria.


Domingo, 15 de março, enquanto as igrejas cristãs ao redor do mundo estavam celebrando a missa matinal, duas igrejas no Paquistão, uma católica a outra protestante, foram atacadas por homens bomba islâmicos. Pelo menos 17 pessoas foram mortas e mais de 70 ficaram feridas.

O Talibã assumiu a responsabilidade. Acredita-se que o grupo esperava por muito mais mortes, já que havia cerca de 2.000 pessoas em ambas as igrejas no momento das explosões.

De acordo com testemunhas oculares, dois homens bomba se aproximaram dos dois portões das duas igrejas para nelas ingressarem. Ao serem barrados em uma das igrejas, um jovem cristão de 15 anos de idade impediu a entrada deles com seu próprio corpo, o jihadista islâmico acionou o detonador. Testemunhas viram "partes dos corpos voando pelos ares".


Tanto os precursores medievais e renascentistas quanto os representantes “oficiais” dos três primeiros séculos da ciência moderna só se voltavam à natureza porque o que eles viam e amavam nela não era outra coisa que a obra de Deus.


Prefácio da obra 'Isaac Newton e a Transmutação da Alquimia'.

Na cultura mais geral, imposta aos milhões de vítimas da educação de massas como verdade consagrada, aquilo que se costuma chamar de ‘ciência moderna’ parece ter tido um início claro e um desenvolvimento linear até os dias de hoje, e não são poucos os próprios homens de ciência que difundem ingenuamente essa visão. Contam-nos, assim, a saga de um heróico empreendimento intelectual iniciado, quase espontaneamente, a partir do momento em que alguns “desbravadores da razão” resolveram desafiar e romper com todo o pensamento mágico anterior e com a infindável análise de textos de autoridades que o acompanhava, decidindo agora guiar o estudo do mundo natural por rígidos métodos indutivos aplicados à observação cuidadosa de experimentos controlados. O resultado de todo esse empreendimento se vê coroado em teorias matemáticas precisas, balizadas, por sua vez, por rigorosas técnicas lógicas que garantem a possibilidade de teste, falseamento e refutação.


A escolha por “nenhum dos dois” é a escolha pelo seu próprio ego.


As decisões tomadas na guerra política, obviamente, impactam a vida de todos. Se esta é uma verdade inescapável, nossas escolhas deveriam ser responsáveis e, principalmente, avaliadas sob o aspecto moral. Boa parte da direita diz “(x) é igual a (y)”, com a mesma leviandade que criticam ou apoiam jogadores de futebol. Muitas vezes acabam optando por sua própria opressão, por puro desleixo ou egolatria.

Ontem fiz um post sobre a questão do embate entre Malafaia e Boechat, com dicas para o primeiro conseguir lançar bons mísseis teleguiados contra o segundo. Ao mesmo tempo, vi uma parte da direita se rebelar contra Malafaia com argumentos como “ele é religioso e defende algo de que discordo” ou até um campeão professando “ah, eu não vou com a cara do Malafaia mesmo”.


O pró-reitor precisa mentir: os EUA não são um dos poucos países em que a educação domiciliar é permitida, pois são mais de 60 países em todo o mundo, incluindo alguns dos países mais desenvolvidos, como o Canadá e a França!


Após a publicação de uma matéria extremamente tendenciosa neste último final de semana sobre homeschooling, a RBS revolveu voltar ao assunto e reforçar seu mal-disfarçado apoio ao sistema no Jornal do Almoço de hoje, convidando o pró-reitor de graduação da UFRGS, Sérgio Franco, para dar a sua opinião a respeito. Dei-me ao trabalho de listar 10 motivos para você não acreditar no que ele diz. Poderia listar mais, mas aí o post ficaria muito longo e, além disso, ao contrário dele, eu não subestimo a inteligência dos meus leitores. Resumindo, há ainda mais furos do que eu apontei.

Assistam a mais uma "pérola" do jornalismo "isento" e confiram abaixo a minha listinha.

1. É claro que o pró-reitor da UFRGS não aprova a educação domiciliar sob hipótese alguma. Admiti-lo seria aceitar que o modelo que sustenta a ele próprio é falho e que é possível que exista coisa melhor;