al


SPACÇO DO SPACCA

isp

© Spacca para o MSM



Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32twittericonYoutube_32x32facebook_32Feeds_32x32Mail-32currency_blue_dollar-32

Só alguém muito ingênuo não percebe a quem convém a condição totalmente indefesa da população civil ordeira. No campo, serve aos invasores; nas cidades aos bandidos; e na vida social e política a quem controlar o armamento.


Não há tese errada, prejudicial ou desastrosa, sob o ponto de vista social, político, moral ou econômico, que não seja, mundo afora, abraçada pela esquerda. Desarmamento da população civil, entre elas. É inconcebível a irresponsável superficialidade, despegada do mundo real, com que os defensores do desarmamento tratam de uma questão tão prática. Transcrevo abaixo, então, para reflexão dos leitores, experiência que relatei numa crônica de 2011. Inúmeros pais de família devem ter passado por situações semelhantes.


Com exclusividade, Graça Salgueiro conta como a oposição impediu que os comunistas fraudassem mais uma eleição na Venezuela.

dc


Diosdado Cabello chora, pois perdeu o poder e poderá ser julgado como chefe de cartel de drogas nos EUA.


O ano de 2015 fecha com um grande revés para o comunismo e o Foro de São Paulo (FSP) na nossa região. Primeiro, com a eleição do conservador Mauricio Macri na Argentina em 22 de novembro, pondo fim à nefasta dinastia Kirchner, e agora, com a derrota do PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela) para a MUD (Mesa de Unidade Nacional) nas eleições parlamentares de 6 de dezembro na Venezuela.

foto oficial do encontroDa esquerda para a direita: Carlos Nadalin, Paulo Briguet, Yuri Vieira, Olavo de Carvalho, Rodrigo Gurgel e Érico Nogueira.

O II Encontro de Escritores Brasileiros na Virgínia, organizado pelo filósofo Olavo de Carvalho — do qual participei ao lado do cronista Paulo Briguet, do poeta Érico Nogueira, do contista e roteirista Yuri Vieira e do professor Carlos Nadalin —, mostrou, mais uma vez, que há vida inteligente fora dos esquemas que são impostos pela esquerda brasileira.

Olavo: "A minha geração foi a pior que já existiu no Brasil. Que são os homens de 60 anos que mandam no país. E tem de ser removidos de lá o quanto antes. Todos eles. Não é governo: é governo, elite midiática, elite universitária. Todo esse pessoal que está no comando do que quer que seja."

Pare de dizer que as declarações de Trump prestam um desserviço aos conservadores e dão munição gratuita à esquerda. Se você pensa isso é porque está vivendo na camisa de força imposta por eles sem nem mesmo perceber.


Recentemente, meu querido amigo Rodrigo Constantino me marcou em um post sobre Donald Trump, atualmente o nosso maior ponto de divergência - que encaro saudavelmente. Chamando o candidato republicano de “bufão”, Rodrigo disse que minha razão está turvada no caso por conta da minha amizade e parceria comercial (não somos sócios) com Trump.

Deixo a critério do leitor se estas são ponderações de alguém com a razão turvada, aproveitando a oportunidade para responder a toda mídia de esquerda:

"Sem um estudo desse fenômeno do globalismo nunca vamos entender o que está acontecendo no Brasil."
Olavo de Carvalho


Não é novidade que a maioria dos brasileiros não só adora futebol como acompanha os campeonatos e sabe tudo sobre os times, suas escalações, placares e estratégias. Não seria fantástico se o povo também aprendesse quem são verdadeiramente os jogadores em campo no jogo político, uma vez que o placar deste afeta a vida de todos nós?

Através desta simples montagem é possível entender o Pacto de Princeton, abordado no livro O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial, de Heitor de Paola (adquira aqui: https://loja.observatoriolatino.com), que compreende uma aliança estratégica entre o Diálogo Interamericano - ao qual fazem parte FHC e Marina Silva - com o Foro de São Paulo.

Mais do que outros fatores, a crise econômica teve o condão de isolar politicamente o PT. É nessa lógica que está sendo construída a alternativa do impeachment. É nessa lógica que a presidente Dilma Rousseff amarga a solidão à beira do abismo, à espera do golpe fatal que vai destrona-la. Vive a solidão dos que precisam ser expulsos do poder. A carta divulgada pelo vice-presidente da República, Michel Temer, apenas confirma seu isolamento político.

A arrogância com que Dilma Rousseff se diplomou para o segundo mandato contrasta com o que aconteceu a partir da posse. A nova legislatura ficou ainda mais hostil do que aquela que a acompanhou no governo anterior. Seu partido, o PT, ficou francamente minoritários e, por isso, teve que arquivar sua preciosa agenda legislativa no rumo da revolução cultural. Foi o primeiro sinal de fraqueza. Antes, duelou com o PMDB e perdeu, tendo que engolir como presidente da Câmara de Deputados Eduardo Cunha. Passou a conviver com o inimigo declarado.

Caríssimos amigos,

A grave crise política agudizou-se após o pleito de 26 de outubro de 2014, quando apenas 23 técnicos do TSE, especialistas em informática, fizeram em três horas a apuração secreta de um segundo turno presidencial, colocando imediatamente em suspeita o esquema de manipulação operado pela empresa Smartmatic, com a cumplicidade do TSE. O objetivo era favorecer não apenas a reeleição de Dilma Rousseff, mas principalmente a consolidação de seu grupo de poder, especialmente o PT (e também os demais partidos, todos de esquerda) comprometidos com o projeto de poder totalitário do Foro de São Paulo: implantar o socialismo na América Latina, a “Pátria Grande” socialista.

Com a “redemocratização”, gestada pelo CEBRAP no início dos anos 70, com recursos da Fundação Ford obtidos por Fernando Henrique Cardoso, foi possível a intelectuais marxistas, muitos deles ainda antes, provenientes da USP, conceber um projeto de poder de longo prazo (eles pensaram mesmo em quarenta anos, por aí), para aparelhar todas as instituições do País e fazer a revolução socialista acontecer, de modo sutil e sofisticado, como quis Gramsci, com um partido político no controle de todo o processo.

O Islã é baseado em três desigualdades:
entre homem e mulher, homem livre e escravo, e muçulmanos e infiéis.


Quando indagado por um repórter inglês sobre o que pensava da civilização ocidental, Mahatma Gandhi alegadamente gracejou: “seria uma boa ideia”. Estudiosos duvidam de que esta conversa tenha ocorrido. Porém, a popularidade da anedota mostra quão amplamente odiada nossa civilização se tornou, inclusive entre nossa própria elite cultural relativista. A auto-aversão é frequentemente conjugada à glorificação do Extremo Oriente e à apologia ao Islã.

Na verdade o Ocidente criou a maior civilização da história do mundo, e foi apenas após o Iluminismo que seu declínio começou. Uma comparação com as sociedades orientais e muçulmanas revela que apenas no Ocidente liberdade, beleza e busca pela verdade puderam florescer.

berlin-wall-kuftinec-2
Aos 26 anos da queda do Muro de Berlim, é preciso lembrar que o espírito desse totalitarismo não morreu. Ele continua bastante vivo, e podemos encontrá-lo com facilidade aqui mesmo, no Brasil, encampado pelo partido que há 13 anos corrói a vida política, econômica e social do País.


Günter Schabowski e Harald Jäger não são nomes particularmente conhecidos no Brasil. Poucas pessoas devem saber que Günter era um oficial do Partido Socialista Unificado da Alemanha (SED, Sozialistische Einheitspartei Deutschlands), o partido que governava (ou melhor, dominava) a Alemanha Oriental, e que Harald era tenente coronel da Stasi, a polícia secreta daquele país. No entanto, o dia 9 de novembro é uma excelente ocasião para conhecer mais sobre Schabowski e Jäger. O motivo? A queda do Muro de Berlim.

Estará em gestação um acordo, em que Dilma é jogada às feras pelo Impeachment, enquanto a Lava-Jato é implodida e o PT e Lula são resgatados de uma alegada “perseguição política”?


As notícias sobre o processo de Impeachment tomam boa parte do noticiário destes dias. O governo petista está inundando as redações com notícias plantadas (cheias de distorções e inverdades), que certo jornalismo a soldo se encarrega de difundir desinibidamente.

A versão mais distorcida é aquela que tenta transformar o Impeachment num duelo de biografias, entre “uma santa da moralidade com o tinhoso do fisiologismo”, segundo a expressão de jornalistas da revista Veja. As outras dizem respeito aos apoios políticos de que goza a Presidente, quando a evidência mostra que ela está cada vez mais isolada.

Mandela-Fidel“Tem mais racismo aqui, na Cuba comunista, do que nas piores partes do Mississipi!”
Garland Grant, ex-membro dos Panteras Negras, preso em Cuba após sequestrar um avião, em 1971, nos EUA, e fugir para a Ilha do Dr. Castro.


Antes que a esquerda espalhasse suas narrativas vitimistas na periferia – por intermédio, sobretudo, das teorias europeias de Rousseau, Foucault, Bourdieu et caterva – e minasse completamente sua capacidade de autointerpretação e resistência, quem fornecia à juventude as lentes para a compreensão da realidade era basicamente o RAP. Para a minha geração (que nasceu na década de 1970), grupos como Racionais MC’s, Thaide e DJ Hum e DMN preenchiam a Imaginação Moral dos garotos que, sem acesso aos Contos de Fadas, eram advertidos pelos insistentes apelos dos pais e das crônicas de Mano Brown, Ndee Naldinho etc. Era através do RAP que os jovens da periferia interpretavam sua própria realidade, e tal autointerpretação era quase sempre profética; quando não, divertida. E era isso que dava Sentido e Ordem a essa juventude. Meu contato com a realidade foi muito influenciado pela música e por todo um universo de valores que ela carregava. Tudo fazia sentido para mim quando eu ouvia que: “a mudança estará em nossa consciência, praticando nossos atos com coerência; e a consequência será o fim do próprio medo, pois quem gosta de nós, somos nós mesmos” (Brown).

Toda filosofia que atribui a um ser humano o direito de decidir sobre a humanidade do outro traz em si a raiz do genocídio e da autodestruição.


Por trás da nuvem de fumaça criada por grupos favoráveis ao aborto com chavões como “o direito da mulher sobre o próprio corpo”, resta uma questão primordial e que gira em torno do seguinte corolário:

Toda vida humana inocente deve ser protegida
O bebê em gestação é humano, vivo e inocente
Todo bebê em gestação deve ser protegido

Quem pretende debater o tema com rigor e seriedade precisa apreciar essa questão antes de qualquer outra.

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, saiu do PT, mas o PT nunca saiu dele. Se licenciou do PDT, mas jamais dos planos do Foro de São Paulo, cujo PDT é membro signatário: http://forodesaopaulo.org/partidos/

Dito isso, vê-se claramente um plano de desestabilização estadual, mirando num espectro nacional, utilizando a desintegração econômica e a violência, esta agravada pelo sucateamento das instituições militares e do desarmamento civil.

O plano é fazer ensaios de ocupação com a inconstitucional Força Nacional, que é a tropa de choque do Foro, vendendo-a como salvadora da pátria para um povo que não aguenta mais a o estado caótico em que vive.

FLORIDA-GUNS.jpg

"Mais permissões [para porte de armas] significa que está ficando mais difícil para os criminosos atacarem as vítimas".

De 2007 até o presente momento, o número de americanos com licença para portar armas cresceu 178% (fonte, página 9).

Só no ano passado, foram emitidas mais de 1,7 milhão de novas licenças, um crescimento de 15,4% num único ano — o maior já registrado —, totalizando 12,8 milhões de autorizações de porte de armas (fonte, página 6).

Essa estatística despertou a preocupação de diversas organizações desarmamentistas, que temiam que as armas elevassem as taxas de homicídio no país.