Novo curso de Olavo de Carvalho:

cursoOdeC

Nas livrarias:

novolivroSiga a fanpage do livro 'O Mínimo que Você Precisa Saber Para Não Ser um Idiota'
no Facebook
.


citizengo


SPACÇO DO SPACCA

© Spacca para o MSM


Jornalistas que não se curvam à patifaria totalitária do Foro de São Paulo estão sob risco num país em que o direito à livre opinião está seriamente ameaçado. Alex Pereira e Vitor Vieira falam sobre as ameaças e acusações feitas pelos delinquentes aliados aos bandidos do PT contra aqueles que defendem as liberdades civis e que com independência denunciam um governo que está simplesmente destruindo o Brasil e suas instituições.

* * *


Nos encontros da liderança do PT, canta-se a Internacional Socialista e fala-se abertamente do projeto de dominação política do país. No STF, fala-se apenas de corrupção, "caixa 2", peculato e outros crimes, como se o Mensalão não fosse a tentativa de usar o dinheiro como arma revolucionária, para falsear todo o jogo político nas instâncias mais altas do país e fazer com que o PT, centralizando tudo no Executivo, controlasse o país sem nenhuma oposição.

Infelizmente, a população caiu no truque das atenuações da imprensa chapa-branca, e ainda está dando apoio expressivo a políticos do PT e a seus aliados.

* * *

Católicos não podem votar num partido pró-aborto e pró-gayzista.

Veja muito mais na seção de vídeos do Mídia Sem Máscara.

Avisos

POLÊMICAS INTER-RELIGIOSAS, EM ESPECIAL ENTRE DIFERENTES DENOMINAÇÕES CRISTÃS, SÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDAS NESTE SITE. COM TANTOS INIMIGOS RONDANDO, VAMOS FICAR TROCANDO TAPAS EM FAMÍLIA?

trueoutspeak2
atasFSP

clip_image002

THIS IS A BULLSHIT-FREE SPACE
Orkut-32twittericonYoutube_32x32facebook_32Feeds_32x32Mail-32currency_blue_dollar-32

O movimento está colhendo apoio nas ruas e é encabeçado por organizações de esquerda e extrema-esquerda, entre as quais o PT, o PCdoB, a CUT e dezenas de sindicatos.


Começou na segunda-feira uma ação coordenada em todo o Brasil por um movimento que se intitula Plebiscito Constituinte. Com uma roupagem patriótica, uma comunicação feita nas cores da bandeira brasileira e um apelo à juventude que foi às ruas em junho de 2013, esse movimento tenta viabilizar algo que há muito vem sendo considerado pelo atual governo e por todo o PT como uma peça-chave para a supressão do Estado Democrático de Direito: uma Constituinte para modificar o sistema político brasileiro. Essa aberração foi sugerida pela primeira vez pela própria presidente Dilma Rousseff em seu pronunciamento de 24 de junho de 2013.


planodeacaoEm julho de 2013, um mês antes do lançamento do best seller de Olavo de Carvalho, idealizado e organizado por mim, O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota, eu organizei notas e trechos da obra do autor para responder de vez a todos que, no auge da comoção nacional com as manifestações de rua, perguntavam quais eram as soluções e as “propostas positivas” para o país. Como tudo isso volta à tona em período eleitoral, atualizo aqui no meu blog na VEJA o post de um ano atrás, observando que, neste meio-tempo, eu ocupei o meu espaço na mídia. Destaque para a PARTE VI, que traz “As 8 soluções para o Brasil”, reduzidas a 3 no plano de ação ao lado.

PARTE I: PROBLEMAS DO BRASIL

[Trecho do artigo "Uma geração de predadores", de 03/06/2011, presente nas páginas 294-6 do 'Mínimo']

(…) Se me perguntarem quais são os problemas essenciais do Brasil, responderei sem a menor dificuldade:

1) A matança de brasileiros, entre quarenta e cinquenta mil por ano [número que já subiu para 56.337 em 2012, de acordo com o mais recente Mapa da Violência, de 2014];

Durante décadas, houve um longo tempo de semeadura. Agora, a colheita será farta.


Intelectuais de esquerda da França e da Inglaterra sempre tiveram uma caidinha por regimes comunistas. Na França, o destaque fica para Jean-Paul Sartre, que disse que todo anticomunista é um cão”. Na Inglaterra, um dos ícones do totalitarismo vermelho é Eric Hobsbawn, tido como um grande historiador, porém não passa de um reles ideólogo do marxismo.

Os campi da Sorbonne, localizados em Paris, foram importantes incubadoras do marxismo para militantes advindos de todos os cantos do planeta. Na segunda metade do século XX, destacaram-se expoentes do comunismo, como Sartre e sua amante Simone de Beauvoir, o cineasta Jean-Luc Godard, Pol Pot - o genocida do Khmer Vermelho, do Camboja, que trucidou 20% de sua população -, e Abimael Guzmán, líder do grupo terrorista peruano Sendero Luminoso, que matou mais de 70.000 pessoas. Escaparam da lavagem cerebral marxista, na Sorbonne, Joseph Ratzinger (Papa Bento XVI), Raymond Aron, entre poucos. Entre os pupilos brasileiros, destacam-se personalidades da “esquerda caviar”, como Celso Furtado, FHC, que eu chamo de “FHCannabis”, por sua recente militância em prol da liberação da maconha, Dom Paulo Evaristo Arns (apelidado de “cardeal vermelho”), Ibrahim Sued, Luiz Mott.


"Digo que os ‘clérigos’ modernos [os intelectuais] pregaram que o Estado deveria ser robusto e não se importar nem um pouco em ser justo..."
Julien BendaA traição dos intelectuais, p. 107

"Devemos organizar os intelectuais."
Willi Munzenberg, organizador comunista, 1919


A atual situação pode ser caracterizada da seguinte maneira: Todas as nossas instituições estão entrando em colapso e o caos social surge em todos os lugares: (1) o colapso da família, da maternidade e da paternidade; (2) o colapso da moralidade, especialmente da honestidade; (3) o colapso do governo constitucional e da segurança nacional, o fenômeno do presidente impostor, legisladores covardes, generais carreiristas, oficiais de inteligência que são agentes duplos; (4) um sistema educacional que é anti-patriótico; (5) narcisismo epidêmico, egoísmo, cultura de entretenimento e materialismo. Nisso tudo vemos o colapso do indivíduo e a instauração da loucura, conforme mostrado no reforço social acima.

Duas ou três concessõezinhas oferecidas pela candidata à economia liberal, que no fundo em nada diferem daquelas feitas pelo primeiro mandato do sr. Lula, pouco significam em comparação com o fato de que o partido de Marina pertence ao Foro de São Paulo e, como tal,
tem compromissos estratégicos internacionais.


Toda decisão covarde, quer se expresse por ação ou omissão, deixa no fundo da alma uma vergonha que, quanto menos reconhecida e confessada, mais exige rituais histéricos de compensação. Posta vergonhosamente em fuga por um golpe militar que não disparou um só tiro, a esquerda brasileira exibe até hoje os sintomas residuais do vexame enterrado, mas jamais completamente esquecido: daí sua compulsão incurável de exagerar hiperbolicamente os sofrimentos padecidos e a força ameaçadora do adversário, pintado sempre como um dragão voraz mesmo quando obviamente não passa de um cãozinho doméstico.

Exemplo típico é o historiador comunista Nelson Werneck Sodré, do qual escrevi em 2008 (v.http://www.olavodecarvalho.org/semana/080414dc.html) :

Artigo pétreo. 

Por medida profilática, a virilidade espiritual está para sempre extirpada da República de Banânia.

Eis o abecedário completo da “Nomenklatura”:

a) Todas as pessoas têm o direito inviolável de cair em depressão profunda, desde que seja por qualquer ninharia.

b) Cabe exclusivamente ao Estado definir quem pode e quem deve sentir-se ofendido — e os motivos pelos quais este excelso direito deve ser exercido.

c) Quem não se sentir triste pelos motivos codificados pelo Estado será exposto à execração pública.

Essa ideologia, se pudesse, acabaria com o imenso usucapião denominado Brasil.


Assistindo às presidenciáveis no debate promovido pela Band, percebi que vivemos sob a influência de uma ideologia escancaradamente reacionária. Seus adeptos, encilhando-se a fórmulas superadas, se dedicam, por todos os modos, a puxar as rédeas da humanidade e da civilização. Lembrei-me dos Fóruns Sociais Mundiais e de seu slogan - "Um outro mundo é possível". Sim, sim, escrevi eu à época. Um novo Big Bang, uma nova Criação, um novo Paraíso com maçãs para todos.

Foi em nome dessa ideologia que, em abril de 2000, muitos saíram às ruas a vociferar contra o Descobrimento. Quando o MST invade uma propriedade rural, eles chamam de ocupação. Quando se referem ao desembarque dos portugueses em Porto Seguro, falam em invasão. Por algum motivo obscuro ainda não escolheram Cabral, primeiro invasor, como patrono do MST. É claro que se os portugueses tivessem tocado direto para as Índias, nosso país seria hoje o que são as tribos que se mantiveram sem contato com a civilização. Vale dizer: viveríamos lascando pedra.

marina

Marina Silva em 1986, no Acre, liderando camponeses.

No dia 13 de agosto de 2014, a morte do candidato à presidência da República, Eduardo Campos, trouxe mais uma vez ao cenário político a possibilidade de Marina Silva ocupar o cargo supremo do Executivo nacional. O que apresento nas próximas linhas é um apanhado histórico e crítico daquilo que penso ser, do ponto de vista teórico, a base do seu pensamento político e tomarei como ponto de partida o conceito de “ecoteologia”, segundo as definições de Afonso Murad (ver. Revista Pistis Prax., Teol. Pastor., Curitiba, v. 1, n. 2, p. 277-297, jul./dez. 2009). Uma comparação entre o fanatismo ecológico no Brasil e o genocídio perpetrado pelo Khmer Vermelho no Camboja é a conclusão que faço ao final.

Olavo de Carvalho é filósofo, escritor e jornalista e atualmente escreve para o jornal Diário do Comércio da Associação Comercial de São Paulo. É autor de vários livros, incluindo O Jardim das Aflições, O Imbecil Coletivo, O Futuro do Pensamento Brasileiro, entre outros. Também é o fundador do renomado Seminário de Filosofia.

Islamidades: Hoje um dos temas mais debatidos nos meios conservadores é a islamização da Europa. Quase sempre esta discussão é acompanhada de uma multiplicidade de posições ideológicas, desde neoconservadores até eurasianos. O fato incontestável é que a enfermidade espiritual do Velho Continente abriu as portas para a entrada do islamismo como o substituto de um cristianismo "caduco", incapaz de se apresentar de modo convincente. O surgimento de uma elite islâmica europeia parece ser a concretização daquilo que já estava contido nos escritos de Guénon e Schuon décadas passadas. Até que ponto este processo de islamização é profundo e irreversível?

Olavo de Carvalho: A penetração do Islam no Ocidente não começou com a imigração em massa, nem com o terrorismo, nem com a espetacular agitação política que se viu nas últimas décadas. Ela remonta à ação discreta de René Guénon, iniciada na segunda década do século XX e dirigida a uma elite intelectual altamente capacitada, bem longe dos olhos da mídia, dos “analistas políticos” e da maioria dos orientalistas acadêmicos. Quando Frithjof Schuon fundou nos anos 50 a tariqa que Guénon considerou o primeiro resultado significativo do seu trabalho, ela já atraiu intelectuais de primeiríssimo plano, cuja ação permaneceu discreta pelo menos até a década de 90. Foram setenta anos de conquista dos corações e mentes nas altas esferas intelectuais, políticas e financeiras.

Comentário de Julio Severo: 
Por conta de uma "revelação", alguns grupos neopentecostais estão tratando Marina como se tivessem sido hipnotizados por um messianismo, como se Marina fosse a escolhida de Deus para ser presidente do Brasil. Marina pode ser incoerente em muitas questões importantes para os cristãos, mas Deus nunca é. Deus não tem parte na Teologia da Libertação, já defendida por Marina como o “evangelho vivo” (http://bit.ly/GL9Pfm).

Marina é a candidata de Leonardo Boff, Caio Fábio e Valnice Milhomens. Exatamente 20 anos atrás, no falido programa de TV “Pare & Pense,” Caio e Valnice estavam apresentando Lula para o público evangélico. Agora é Marina… É preciso realmente um dom de revelação para saber o final dessa novela? A trama de Caio no antigo programa era de fato aproximar Lula dos evangélicos, mas Valnice, com todas as suas revelações, foi incapaz de enxergar a trama.

Se Marina for de fato a escolha de Deus para ser presidente, conforme querem Boff, Caio e Valnice, então Marina fará sua traição mais importante: ela dará um chute na Teologia da Libertação e em todos os militantes esquerdistas — especialmente seu vice, Beto Albuquerque, um falso católico que, segundo Revolta Brasil, é um defensor do aborto e da agenda gay — que fazem cara de nojo quando ela tenta assumir uma postura ética, cristã e verdadeira contra o aborto e a agenda gay.

Sem isso, o messianismo que vem crescendo com base em revelações não passa de messianismo sustentado por sentimentalismo religioso. Não é a primeira vez que isso acontece na história humana. E os resultados são sempre desastrosos. A Bíblia não nos manda engolir revelações e profecias, mas primeiramente avaliar e julgá-las (cf. 1 Co 14:29). Leia agora o artigo de Dener. Não sei se ele é a favor da Dilma, do Aécio ou do Obama — nenhum dos quais apoio. Só sei que, neste artigo, ele disse verdades que precisam de nossa atenção.

Em 2003, ainda no começo do governo do presidente Lula eu, que ainda não era jornalista, dei uma entrevista para o Estadão na qual afirmava categoricamente: “não confio na Marina Silva nem para cuidar do meu jardim”. Clique aqui para conferir. Confirmei minhas palavras no discurso que proferi na ONU ao receber de Kofi Annan o prêmio das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Os petistas se arrepiaram, reclamaram e me criticaram. Não deu outra: se arrependeram. Em 2010, quando o Partido Verde aceitou a bancar a candidatura de Marina para presidência da República, novamente eu avisei em diversas oportunidades, que eles estavam dando um tiro no próprio pé. Fui criticado e esculhambado por algumas lideranças do PV. Não deu outra: eles também se arrependeram.

A eventual consagração de Marina Silva como presidente da República significará o passo final para o caos, pois a possibilidade de governança ou governabilidade tende a desaparecer.
 

A boutade de Abílio Diniz, o empresário que aderiu de mala e cuia ao PT, vem muito a calhar aqui: “o país não é ingovernável, mas é ‘ingerenciável’.” Esse tem sido o resultado das sucessivas administrações esquerdistas, desde 1985. Os governos Lula e Dilma aprofundaram a transformação do Estado, de tal sorte que se criou sua incapacidade gerencial, de gerenciar-se a si mesmo e de prover os serviços públicos que dele o povo espera.

Não é à toa que a inflação está voltando forte, irresistível, inexorável. Os desequilíbrios governamentais sempre se transformam, com o passar dos dias, na peste inflacionária. Podemos ver o fenômeno a olhos vistos, no Brasil, que virou um grande laboratório a céu aberto. É possível ver o que está predito por economistas sensatos quando os governos saem dos seus próprios sapatos e crescem além da conta.

 “Admirar sempre moderadamente é sinal de mediocridade”, ensinava Leibniz. Uma das constantes da mentalidade nacional é precisamente o temor de admirar, a necessidade de moderar o elogio – ou entremeá-lo de críticas – para não passar por adulador e idólatra.

Já mencionei esse vício em outros artigos, assinalando que ele resulta em consagrar a mediocridade como um dever e um mérito – às vezes, a condição indispensável do prestígio e do respeito.

Mas não é vício isolado. Vêm junto com pelo menos mais dois, que o prolongam e consolidam:

Como cidadão que acompanha o movimento na esquina desta eleição, permitam-me enviar um conselho ao candidato Aécio Neves. Meu caro Aécio, ou você faz como era usual na minha Santana do Livramento dos anos 50 e dá um risco com o pé no chão, estabelecendo os limites do seu campo político, definindo qual é o seu lado e o que ele significa, ou vai beber água suja nessa eleição. O senhor enfrenta neste pleito duas adversárias com posições radicais e elas não podem ser enfrentadas com luvas de pelica e punhos de renda, como já disse alguém.

O programa de governo assumido por dona Marina Silva tratou de deixar claro que também é favorável à ideia contida no "decreto dos sovietes", ou seja, que irá amarrar as decisões políticas e a gestão pública aos pareceres dos movimentos sociais. Alguns se surpreenderam com isso. No entanto, a candidata do PSB entrou na disputa riscando o chão, explicitando o seu quadrado. E por isso, crescendo. O PSDB de Aécio Neves tem, no próprio programa que é favorável ao parlamentarismo, muito mais a dizer sobre mudanças institucionais. Tem muito maior contribuição a oferecer para sustar a marcha da democracia brasileira para os braços de um projeto totalitário.

“Homem, homem, não se pode viver inteiramente sem piedade.”
 Dostoievski, citado por Koestler em O Zero e o Infinito

“Que Deus nos proteja dos santos!”
Georges Bernanos


O filósofo francês Maurice Merleau-Ponty, em 1947, havia chamado a atenção do público culto para um aspecto intrigante da política: a escolha, explicava ele, não é entre a pureza e a barbárie, mas entre graus variáveis de violência. (James Madison, ainda no séc. XVIII, esclarecera, no Federalista n.º 48, que o poder tem uma dimensão opressora e por isso carece de freios e limites – mas os incautos e sonhadores não leram esta obscura passagem…).

É certo que Ponty, homem de esquerda, estava a reagir aos efeitos devastadores provocados pela publicação do Darkness at Noon (O Zero e o Infinito, na tradução portuguesa), de Arthur Koestler, uma denúncia inteligente e implacável do fenômeno totalitário, retratando, com aquele olhar de lince, a farsa monumental dos chamados “Processos de Moscou”, orquestrados pelo aparato repressivo de Estaline nos anos 1930.

Marina escolheu o PSB por falta absoluta de opção. Continua apoiando petistas do Acre e do Rio de Janeiro.
Continua sem saber que economia é ciência e não slogan de sonháticos e pesadeláticos.


Um dia o prefeito da maior capital do país se definiu como alguém que não era de centro, nem de direita e nem de esquerda. Entendi que ele era de baixo.

Agora temos uma política profissional – sempre viveu disso – repetindo o discurso de Collor: cuidado com os políticos (os outros). O perigo maior é ela própria.