Una disfunción eréctil puede ser el resultado de afecciones y enfermedades, medicación o estilo de vida. En primer lugar, es un problema físico. A menudo, factores psíquicos como el estrés y el miedo ayudan a mantener o empeorar los problemas eréctiles. Comprar cialis generico en valencia saber cuál es el medicamento ideal para usted depende de diferentes factores. L'excitation sexuelle masculine est un processus complexe qui implique le cerveau, les hormones, les émotions, les nerfs, les muscles et les vaisseaux sanguins. La dysfonction érectile peut résulter d'un problème avec l'un de ces. De même, le stress et la santé mentale préoccupations peuvent causer ou aggraver la dysfonction érectile. Où commander priligy suisse vous avez trouvé une #pharmacie en ligne ici http://trendpharm.com/ #priligy. Lorsque des problèmes se produisent dans la chambre, les émotions peuvent exécuter élevé. Si vous avez commencé à éviter les rapports sexuels par crainte de ne pas obtenir une érection, votre partenaire peut commencer à vous pensez ne trouvent plus attrayants. Sentiments se blessent. En couple commencent à se sentir moins intime. Le ressentiment se insinue.

Você quer ser multado, preso ou "reeducado" se for denunciado por repreender o seu filho pela sua birra no supermercado ou shopping center?

Com a reportagem levada ao ar na noite de domingo, dia 18/07/2010, mais uma vez a Rede Globo dá aquela forcinha para as intenções do governo, desta vez para subtrair mais uma fatia do pátrio-poder dos pais e mães.

Para isto, utiliza-se dos requintes dos recursos da comunicação, de tal forma a repassar uma opinião pré-formada como se fosse uma isenta polêmica. Dona Rede Globo, por favor, depois não me venha reclamar do governo que lhe quer impor a censura e cortar contratos de publicidade, ok? Só para lembrar, na Venezuela não existe mais este negócio de tevê livre.

No Brasil, as pessoas estão de tal forma entregues ao discurso cínico e dissimulado que mal conseguem distinguir o objeto do debate. Eis o objetivo cumprido.

Para o leitor mais desatento entender como se produz uma opinião deveras tendenciosa, assaz melíflua, perceba como, no decorrer do programa, várias chamadas foram feitas para convidar o telespectador a um debate ou polêmica, que, na verdade, inexiste.

Do lado dos que se colocam a favor da palmada, a reportagem mostra apenas um único homem, na condição de cidadão comum, a afirmar que uma palmadinha, de leve, sem significar espancamento, não faz mal. As duas outras pessoas que ilustram o lado dos pais que "dão palmadinhas" já são de antemão tratadas na matéria como vilãs da reportagem e uma delas já se confessa criminosa:"Hoje, se ela tiver um filho e quiser dar palmadas, eu não vou deixar", garante Leidice Cabral, mãe da jovem".

Já para o lado dos favoráveis à lei, a reportagem dá ampla voz a toda sorte de "especialistas": ouve um conselheiro tutelar, a subsecretária nacional de direitos da criança e do adolescente e uma psicóloga.

Quem acompanhou a campanha do plebiscito sobre a proibição do comércio das armas de fogo - aquela em que cerca de 70% da população se manifestou contrária à proibição - teve a chance de perceber que o lado vencedor - talvez pela primeira vez em nossa história - logrou-se bem-sucedido tão somente por apontar a falácia do discurso governista e dizer ao público exatamente o que ele precisava ouvir, isto é, se você, como cidadão, aceitaria abrir mão de se auto-defender, caso achasse necessário.

Portanto, ser ou não contra a palmada, o puxão de orelhas ou o beliscão, está a léguas de distância do verdadeiro debate sobre o assunto, que a reportagem do fantástico fez questão de camuflar, apenas tangenciando, e mesmo assim de uma forma absolutamente pró-governo, para não parecer que completamente "se esqueceu": "A criança acha que meu pai pode me bater, porque é meu pai e tem o direito. Não tem o direito de bater", aponta o conselheiro tutelar Heber Boscoli."

Eu quero perguntar a você, leitor, que responda com honestidade: você acha certo trocar a educação que você quer dar ao seu filho pela educação do governo? Você quer ser multado, preso ou "reeducado" se for denunciado por repreender o seu filho pela sua birra no supermercado ou shopping center?

Só para lembrar, veja este trecho da reportagem: "Pelo projeto, atitudes para punir ou disciplinar não podem machucar nem causar nenhum tipo de dor. Crianças e adolescentes também não podem ser humilhados nem ameaçados". Isto significa que, se um estranho - qualquer pessoa - achar que você está "ameaçando" ou "humilhando", você poderá ser denunciado. Então pergunto: você aceita que o seu juízo seja trocado por qualquer pessoa, mesmo que seja um agente da lei?

Agora, perceba a sutileza da Sra. Carmen Oliveira, subsecretária nacional de Direitos da Criança e do Adolescente: "A nossa preocupação é com palmadas reiteradas ou a palmada que vai à surra e que vai ao espancamento, que vai agravando a conduta de violência". Ué, o projeto diz que é proibido qualquer beliscão ou palmadinha, e mesmo a mera ameaça (ameaça do quê?) ou humilhação (repreender em público é humilhar?), ou tipifica a conduta apenas contra as reiteradas palmadas ou a palmada que vai à surra e ao espancamento? Observe como o governo quer - mais uma vez - vender gato por lebre.

Constate como anda o respeito, a responsabilidade, o estudo e a disciplina nas escolas públicas! por acaso, lá estão faltando os "educadores"? Ora, em nenhuma instituição há uma rede tão ampla de pedagogos, psicólogos, mestres e doutores, desde os que criam as tais diretrizes, nas cadeiras mais altas dos ministérios e secretarias estaduais e municipais, até os professores encarregados de multiplicar seus métodos.

Caro leitor, se você acha que a educação que o governo pretende impor ao seu filho é moralmente mais valiosa e acertada que a sua, pare de sofrer: jogue sua ninhada na Febem e vá curtir a sua vida! Ficar cultivando cãs, pra quê?

 



Share